O crescimento econômico parou. Vamos resolver isso

Comentar

Moyo examina o atual panorama económico e sugere que comecemos a pensar no capitalismo como um espectro, de modo a que possamos misturar o melhor de diferentes modelos para promover o crescimento.

O crescimento econômico é o grande desafio da nossa época; sem ele, a instabilidade política e social aumenta, o progresso humano fica estagnado e as sociedades entram em declínio. Mas, diz a economista Dambisa Moyo, o capitalismo sozinho não vai criar o crescimento de que precisamos. Nem o modelo de capitalismo de estado, nem o modelo de capitalismo de mercado estão a conseguir resolver os males sociais: antes fomentam a corrupção e criam desigualdade de rendimentos.

A nossa capacidade para criar e sustentar o crescimento económico é o grande desafio da nossa época.


[next]
É claro que há outros desafios — os serviços de saúde, os encargos com as doenças e as pandemias, desafios ambientais e, naturalmente, o terrorismo radicalizado. No entanto, na medida em que podemos de facto resolver o desafio do crescimento econômico, vai demorar muito para resolver os desafios que acabo de elucidar.

Ainda mais importante, a menos que, e até que resolvamos o crescimento econômico e criemos um crescimento econômico sustentável a longo termo, seremos incapazes de tratar os desafios aparentemente insolúveis que continuam a prevalecer hoje, no globo, sejam os serviços de saúde, a educação ou o desenvolvimento econômico.

A questão fundamental é a seguinte: Como é que vamos criar crescimento econômico em economias avançadas e desenvolvidas, como os EUA e a Europa, numa altura em que continuam a ter dificuldades para criar crescimento econômico depois da crise financeira?

Eles continuam a ter um desempenho negativo e a ver uma falha nos três fatores determinantes do crescimento econômico: capital, trabalho e produtividade. Em particular, estas economias desenvolvidas continuam a ver dívidas e défices, o declínio e a falha tanto da qualidade como da quantidade de trabalho e também veem estagnação da produtividade.

De igual modo, como é que vamos criar crescimento econômico nos mercados emergentes, onde 90% da população do mundo vive e onde, em média, 70% da população tem menos de 25 anos? Nestes países, é essencial que eles cresçam num mínimo de 7% por ano de modo a pôr um fim na pobreza e a duplicar os salários "per capita" numa geração. Ainda assim, hoje, as maiores economias emergentes — países com, pelo menos, 50 milhões de pessoas, continuam a ter dificuldades para alcançar a marca mágica de 7%. Pior do que isso, países como a Índia, Rússia, África do Sul, Brasil e até a China estão a cair abaixo dos tais 7% e, em muitos dos casos, a regredir.

O crescimento econômico tem importância. Com o crescimento econômico, países e sociedades entram num ciclo virtuoso de mobilidade ascendente, oportunidade e níveis de vida melhorados. Sem crescimento, os países contraem e atrofiam, não só nos anais das estatísticas econômicas mas também no significado da vida e como as vidas são vividas. O crescimento econômico tem uma importância tremenda para o indivíduo. Se o crescimento diminuir, o risco para o progresso humano e o risco de instabilidade político-social aumenta, e as sociedades tornam-se mais fracas, brutais e mesquinhas.

O contexto importa. E países em mercados emergentes não precisam de crescer na mesma proporção que os países desenvolvidos.
[next]
Eu sei que alguns de vocês nesta sala acham que é uma proposta arriscada. Há algumas pessoas aqui que vão virar costas, bastante desiludidas com o que tem acontecido no mundo inteiro, atribuindo isso, basicamente, ao crescimento econômico. Vocês preocupam-se com a sobrepopulação do planeta. E ao olharem para as estatísticas e projeções recentes da ONU, em que o mundo terá 11 milhões de pessoas no planeta antes de chegar ao limite, em 2100, estão preocupados com o que isso faz aos recursos naturais — terra arável, água potável, energia e minerais. Vocês também estão preocupados com a degradação do ambiente. E preocupam-se sobre como é que o Homem, consubstanciado na empresa globalista, se tornou ganancioso e corrupto.

Mas estou aqui para vos dizer hoje que o crescimento econômico tem sido o pilar das mudanças nos níveis de vida de milhões de pessoas em todo o mundo. E, mais importante, não é só o crescimento econômico que tem sido orientado pelo capitalismo.

A definição de capitalismo, muito simplesmente, é que os fatores de produção, tais como o comércio e a indústria, o capital e o trabalho, são deixados nas mãos do setor privado e não do estado.

É mesmo essencial aqui que compreendamos que, fundamentalmente, a crítica não é para o crescimento econômico "per se" mas para o que aconteceu ao capitalismo. E na medida em que precisamos de criar crescimento econômico a longo prazo, teremos de persegui-lo com uma melhor postura econômica.

O crescimento econômico precisa de capitalismo, mas precisa que funcione bem. Como mencionei há pouco, o essencial do sistema capitalista foi definido por atores privados. E até isto, no entanto, é uma dicotomia muito simplista. Capitalismo: bom; não-capitalismo: mau. Quando na prática, o capitalismo é muito mais um espectro. E temos países como a China, que praticaram mais um capitalismo de estado, e temos países como os EUA, que são mais capitalistas de mercado.

Os nossos esforços para criticar o sistema capitalista, no entanto, têm mantido um foco em países como a China que, na verdade, são um capitalismo de mercado não ostensivo.

Contudo, existe uma razão verdadeira e uma preocupação real para darmos toda a nossa atenção para formas de capitalismo mais puras, particularmente as consagradas pelos EUA. Isto é muito importante, porque este tipo de capitalismo cada vez mais tem sido alvo da crítica de estar agora a fomentar corrupção e, ainda pior, está a aumentar cada vez mais a desigualdade — a ideia de que poucos estão a beneficiar à custa dos muitos.

As duas questões verdadeiramente críticas que temos de abordar é como é que podemos corrigir o capitalismo para que possa ajudar a criar crescimento econômico e, ao mesmo tempo, ajudar a tratar de males sociais.
[next]
De maneira a pensar nesse enquadramento, temos que nos perguntar, como é que funciona hoje o capitalismo? De um modo simplista, o capitalismo é definido com base na utilidade maximizadora de um indivíduo, um individuo egoísta que vai atrás do que ele ou ela quer. E apenas depois de terem maximizado a sua utilidade é que então decidem que é importante fornecer apoio a outros contratos sociais. É claro, que neste sistema, os governos cobram impostos, e usam parte dos seus rendimentos para financiar programas sociais, reconhecendo que o papel do governo não é só a regulamentação mas também ser árbitro de bens sociais. Mas, apesar disso, este quadro — este quadro em duas fases — é a base pela qual temos agora de começar a pensar como é que podemos aprimorar o modelo capitalista.

Eu diria que existem dois lados para este desafio. Primeiro de tudo, podemos retirar das políticas de direita o que poderia ser benéfico para nós para pensar em como é que podemos melhorar o capitalismo.

Em particular, as políticas de direita tendem a focar-se em coisas tal como transferências condicionais, onde pagamos às pessoas e as recompensamos por fazerem as coisas que consideramos que podem ajudar a reforçar o crescimento econômico. Por exemplo, ao mandar os filhos para a escola, os pais podem ganhar dinheiro por isso, ou vacinando ou imunizando os seus filhos, os pais poderiam ser pagos por o fazerem.

Agora, bem distante do debate sobre se devíamos ou não pagar às pessoas para fazerem o que achamos que deviam fazer de qualquer das formas, a verdade é que pagar pelo desempenho gerou alguns resultados positivos em lugares como o México, no Brasil, e também em programas-piloto em Nova Iorque.

Mas também há benefícios e mudanças significativas em andamento em políticas de esquerda. Argumentos de que o governo devia alargar o seu papel e responsabilidade para não ser definido tão estritamente e de que o governo devia ser muito mais árbitro dos fatores de produção, tornaram-se vulgares com o sucesso da China. Mas também começamos a ter debates sobre como é que o papel do setor privado devia afastar-se de ser apenas um motivo de lucro e estar mais comprometido na concretização de programas sociais. Coisas como programas de responsabilidade social das empresas, ainda que em pequena escala, estão a ir na direção certa. É claro, as políticas de esquerda têm tendido a obscurecer as linhas entre o governo, ONGs e o setor privado.

Dois muito bons exemplos disto são os EUA do século XIX, quando a implementação da infraestrutura era realmente sobre parcerias publico-privadas. Mais recentemente, claro, a chegada da Internet também provou ao mundo que o público e o privado podem trabalhar juntos para a melhoria da sociedade.

A minha mensagem fundamental para vocês é esta: Não podemos continuar a tentar resolver os desafios do crescimento econômico do mundo sendo dogmáticos e desnecessariamente ideológicos. De maneira a criar crescimento econômico sustentável a longo prazo, e resolver os desafios e males sociais que continuam a atormentar o mundo hoje, vamos ter de ser mais tolerantes sobre o que poderá funcionar.
[next]
Por fim, temos de reconhecer que a ideologia é o inimigo do crescimento.

Obrigada.

(Aplausos)

Bruno Giussani: Eu quero fazer algumas perguntas, Dambisa, porque alguém poderia reagir à sua última frase dizendo que o crescimento é também uma ideologia, é possivelmente a ideologia dominante da nossa época. O que é que diz àqueles que reagem assim?

DM: Bom, eu acho que isso é completamente legítimo, e eu acho que já estamos a falar sobre isso. Há muito trabalho a ser feito em torno da felicidade e outras métricas a serem usadas para medir o sucesso das pessoas e as melhorias no nível de vida. E então eu acho que devíamos estar abertos ao que poderia trazer melhorias ao nível de vida das pessoas e continuar a reduzir a pobreza no mundo.

BG: Portanto, você está a defender a reabilitação do crescimento, mas a única forma disso acontecer sem comprometer a capacidade da Terra, para nos levar numa longa viagem, o crescimento econômico de alguma forma tem de se dissociar do uso subjacente de recursos. A Dambisa acha que vai acontecer?

DM: Bom, eu acho que sou mais otimista sobre a capacidade e engenho humanos. Eu acho que se começássemos a limitar-nos ao uso dos recursos finitos, escassos e esgotados que conhecemos hoje, poder-nos-íamos tornar bastante negativos e bastante preocupados com a forma como o mundo está.

No entanto, vimos o Clube de Roma, vimos queixas anteriores de que o mundo estaria a esgotar os seus recursos e não é preciso argumentar que essas coisas não são válidas. Mas eu acho que com engenho poderíamos ver a dessalinização. Eu acho que poderíamos reinvestir na energia para que possamos obter melhores resultados. E então nesse sentido, sou muito mais otimista sobre o que os humanos conseguem fazer.

BG: O que me impressiona nas suas propostas para a reabilitação do crescimento e para um novo rumo é que está mais ou menos a sugerir ajustar o capitalismo com mais capitalismo determinando um preço no bom comportamento — como incentivo — ou desenvolvendo um papel maior para o negócio nos problemas sociais. É isso que você está a sugerir?
[next]
DM: Eu estou a sugerir que temos de ter uma mente aberta. Eu acho que é absolutamente o caso: os modelos tradicionais de crescimento econômico não estão a funcionar da forma que nós gostaríamos que estivessem. E acho que não é por acaso que hoje, a maior economia do mundo, os EUA, tem uma democracia, uma democracia liberal, como a sua posição política principal e tem capitalismo de mercado livre — até onde é livre — um capitalismo de mercado como a sua posição econômica. A segunda maior economia é a China. Tem uma democracia sem prioridade e tem capitalismo de estado, o que é um modelo completamente diferente. Estes dois países, modelos políticos completamente diferentes e modelos econômicos completamente diferentes, e ainda assim têm o mesmo número de desigualdade de rendimento medido como um coeficiente de Gini.

Eu acho que esses são os debates que devíamos ter, porque não é de todo claro qual o modelo que deveríamos estar a usar, e penso que deve haver muito mais diálogo e muito mais humildade sobre o que sabemos e o que não sabemos.

BG: Uma última pergunta. O COP21 está a acontecer em Paris. Se a Dambisa pudesse enviar um "tweet" a todos os Chefes de Estado e Chefes de Delegação lá, o que é que diria?

DM: Mais uma vez, seria principalmente sobre ter uma mente aberta. Como deve ter consciência, os problemas em torno dos problemas ambientais têm estado agora muitas vezes na agenda — em Copenhaga, o '72 em Estocolmo — e continuamos a reanalisar estes problemas em parte, porque não há um acordo fundamental. Na verdade, há uma divisão entre o que os países desenvolvidos acreditam e o que querem e o que os países de mercado emergente querem. Os países de mercado emergente precisam de continuar a criar crescimento econômico para que não tenhamos uma incerteza política nesses países. Os países desenvolvidos reconhecem que têm uma responsabilidade real e importante não só para controlar as suas emissões de CO2 e alguma da degradação que estão a contribuir para o mundo, mas também como lançadores de tendência em I&D. E então eles também têm de se sentar à mesa. Mas, em suma, não pode ser a situação onde começamos a atribuir políticas aos mercados emergentes sem os próprios países desenvolvidos também a dar um golpe no que estão a fazer, tanto na oferta como na procura, nos mercados desenvolvidos.

BG: Dambisa, obrigada por vir ao TED.

DM: Muito obrigada.

(Aplausos)
Fonte:
[Visto no Brasil Acadêmico]

COMMENTS

BLOGGER

$show=mobile

Nome

#existepesquisanobrasil,1,A divulgar,2,Abelha,3,Acessibilidade,20,acessório,2,Acidente,48,Acidentes,2,Acústica,16,Adágios,1,Adestramento,5,Administração,26,adulto,1,Aerodinâmica,4,Aeronáutica,8,África,6,Agência Brasil,19,Agência Fiocruz,1,Agência Porvir,1,Agência Senado,1,Agência USP,4,Agricultura,4,Agropecuária,2,AIDS,1,AirBNB,1,Alcoolismo,7,Alemanha,3,Alerta,1,Algoritmo,8,Alimento,1,Alzheimer,4,Amazon,2,Amazônia,4,América Latina,1,Análise Combinatória,1,Anatomia,7,Android,3,Animação,47,Animais de Estimação,6,Animal,2,Antropologia,14,Apicultura,8,App,9,Apple,5,Apresentação,4,aquário,1,Argentina,4,Arqueologia,5,arquitetura,29,Arte,149,Astrobiologia,2,Astrofísica,3,Astronomia,25,Ativismo,26,Áudio,3,Audio FX,2,Áustria,1,Autismo,2,Auto-ajuda,10,Automobilismo,14,Automóvel,19,aventura,3,Aviação,5,Aviônica,8,Bahia,2,Balonismo,3,Banco Central,1,Banco de Dados,5,Beber e Dirigir,1,biblioteconomia,3,Bicicleta,1,Biografia,16,Biologia,157,Biologia Marinha,15,bioquímica,6,Biotecnologia,25,Bitcoin,2,Blog,29,Blogger,32,Boato,5,Bomba,1,borderô de desconto,1,Botânica,5,BRASA,1,BRASA Leads,1,Brasil,34,Brasília,14,BRIC,1,Browser,10,Bugs,3,CAD,3,Calor,2,Câmera lenta,1,Campanha,44,cardiologia,14,Carnaval,2,carreira,2,Cartografia,3,Casemods,1,Caso Isabella Nardoni,1,Caso Snowden,1,Ceará,1,Celebridades,6,celular,24,Células-Tronco,3,Cérebro,2,Charge,22,China,16,Cibercultura,2,Ciclovia,1,Cidadania,39,Ciência,183,Cinema,63,Clip,1,Cliparts,1,Cloud computing,4,Coaching,12,Comédia,2,competência,1,Complemento de dois,1,Comportamento,251,Computação,81,Computação em grade,5,Computação forense,3,Computação Gráfica,135,Computação Móvel,1,Computação Quântica,1,Comunicação e Marketing,131,Concurso,1,Concurso Cultural de Natal,1,Concursos Público,2,Concursos Públicos,3,Conectômica,1,Conferência,1,Congresso em Foco,1,Conspiração,2,Consumidor,7,Consumismo,3,contabilidade,2,Contos,46,Copa do Mundo,27,Cordel,3,Coreia do Norte,1,Coreia do Sul,1,Corpo,2,Coruja,1,cosmética,3,Cosmologia,21,Crash Course,1,Criança,1,Criatividade,3,Crime,46,Crime Digital,7,crise,11,crise econômica,8,crônica,5,crônicas,5,Cronologia,1,CSS,3,Cuba,4,Culinária,8,Cultura,9,Curiosidades,112,custos fixo,1,custos variáveis,1,Dança,6,DAO,1,Darwin,9,Davos,1,Debate,1,Decoração,1,demência,1,Demografia,3,Denúncia,10,Dermatologia,7,Desastre Natural,13,Descoberta,2,desconto duplicatas,1,Desenho instrucional,11,Desenvolvimento de jogos,9,Design,25,Design Instrucional,6,Destaque,25,Dia das Mães,1,Dia do professor,1,diabetes,6,Dicas,66,Didática,1,Dieta,3,diplomacia,3,Direito,174,Direito Eleitoral,1,Direito Internacional,28,Direito Trabalhista,1,Direito Tributário,2,Direitos Autorais,1,Direitos Humanos,37,Disney,5,Distrito Federal,2,Documentário,60,Doutorado,1,download,3,Drogas,7,Drone,3,Dubai,1,e-Book,2,e-governo,2,EBC,1,Ecologia,81,Economia,107,Editoração Eletrônica,1,Educação,332,Educação a Distância,143,Educação Corporativa,4,educação física,19,Educação sexual,6,Efeitos Sonoros,4,Egiptologia,1,Eleições,23,Eleições 2014,12,Eleições 2018,5,Eletricidade,9,eletrônica,3,Em Operários,1,Embrapa,1,empreendedorismo,6,enciclopédia,1,endocrinologia,5,Enem,3,Energia,14,Energia Alternativa,16,Energia Nuclear,11,Engenharia,62,Engenharia Agrícola,1,Engenharia Civil,4,Engenharia de materiais,13,Engenharia de Software,4,Engenharia Genética,30,Engenharia Mecânica,1,Enretenimento,1,Ensino a Distância,9,Ensino Superior,3,Entomologia,7,Entretenimento,41,Entrevista,85,Entrevista.,1,Epidemiologia,21,Epistemologia,1,Equador,1,Escândalo,5,Escritório,1,Espaço,66,Espanha,1,Espanhol,2,Espeleologia,1,Espetáculo,8,Espionagem,20,Esporte,39,Estação,1,Estágio,2,Estatísticas,32,estrutura de dados,1,Ética,24,EUA,14,Europa,2,Evento,37,Evolução,4,Exercícios físicos,2,Exobiologia,2,experiência,42,fábulas,3,Facebook,17,Farmacologia,8,Favo,1,Feminismo,1,Férias,1,Ferramentas,6,FIFA,2,Filantropia,4,Filmes,16,Filosofia,47,Finlândia,1,Fintech,1,Firefox,1,Física,103,Física Quântica,3,Fisiologia,7,Fisioterapia,6,Flagrante,2,Flamengo,1,Folclore,3,Fome,1,Fonética,1,Fonoaudiologia,6,Fotografia,40,Fotos em 360 graus,6,França,6,Francês,2,frases,2,Fraude,5,Freeware,67,Futebol,38,Futurologia,80,gadget,88,Gafe,2,Gamificação,5,Gastroenterologia,5,Gastronomia,2,Geek,1,Genética,39,Geofísica,1,Geografia,52,Geologia,10,Geometria,6,geopolítica,20,Gerenciamento do Tempo,1,Geriatria,10,Gestão de Competências,2,Gestão de Configuração,2,Gestão de Pessoas,3,Gestão de Projetos,17,Gestão do conhecimento,6,Ginecologia,3,Glass,1,Google,79,Governo,4,GPS,1,Gradiente,1,gramática,13,Gravidez,1,Grécia,1,Grécia Antiga,1,Guerra,36,Guerra Civil,2,Guinness,1,H2,2,Haiti,3,hardware,35,História,191,HIV,1,Hololens,2,homenagem,45,Horologia,1,HPV,1,HTML,6,Humor,209,Humor Negro,8,IBGE,2,IBM,4,ICIJ,2,Idioma,43,IHC,8,ilo,29,ilusão,34,ilusionismo,5,Imagem 3D,16,Imagens,6,Imagine Cup,1,Império Romano,6,Imprensa,33,Impressora 3D,16,Imunologia,2,Incêndio,2,Inclusão digital,8,Índia,3,Índios,1,Infectologia,16,Infográfico,47,Informática,38,Inglaterra,3,Inglês,22,Inovação,180,Inspiração,1,Inteligência Artificial,98,intercâmbio,1,Interface,188,Interfaces Hápticas,20,Internacional,22,Internacionalização da Amazônia,3,Internet,160,Internet das Coisas,2,Inundação,2,Invenção,20,Inventos,6,iPad,1,IPEA,1,iphone,3,Irã,3,Iraque,1,Israel,6,Japão,2,Java,2,Java.,2,jogos,10,Jogos educativos,13,Jogos Olímpicos,10,Jornalismo,69,Justiça,4,Kinect,10,Le Monde Diplomatique Brasil,9,Le Monde Diplomatique Brasil,1,Letras,1,Lexicografia,5,Liderança,3,Life Hacking,20,Linguística,9,Literatura,55,Livro,58,Lógica,25,Logística,4,Loterias,4,Lua,1,Maçonaria,4,Malásia,2,Malvinas,2,Malware,1,Mapa,69,Mário Sérgio Conti,1,Marte,2,Mastologia,1,Matemática,76,Matemática Financeira,1,maternidade,1,Mecânica,8,Mecânica dos Fluidos,2,Mecatrônica,46,Medicina,471,Medicina Esportiva,1,Medicina Veterinária,4,Meio Ambiente,104,Mel,1,melanoma,1,Memória,5,memorização,4,Mente,4,Mercado de Trabalho,70,mercosul,1,Mestrado,1,meteorologia,11,Metodologia Científica,44,México,1,Microbiologia,4,Microsoft,14,Mídia Social,54,Militar,14,Mineralogia,1,Mistério,2,MIT,12,Mitologia,2,Mobilidade,1,Mobilidade Urbana,9,MonaVie,1,Montanhismo,1,Moodle,7,Mossad,1,Motivação,1,Movimento Maker,1,MSF,1,Mudança Climática,20,Mulher,4,Multimídia,14,museu,10,Música,82,MVC,1,Nanotecnologia,33,Nasa,16,Natação,2,Natal,17,Natureza,1,Negócios,25,Netflix,1,Neurociência,83,Neurologia,77,Nicolelis,1,Nordeste,2,Noruega,1,notícias,8,Novidades,18,Novo Enem,2,Números,1,Nutrição,63,Obama,1,Obesidade,10,Observatório da Imprensa,26,Obstetrícia,3,Oceanografia,7,odontologia,7,Offshore Leaks,2,oftalmologia,11,Olimpíadas,7,oncologia,45,ONU,8,Opinião,92,Óptica,17,Oracle,1,Oriente Médio,5,Orkut,2,Ornitologia,1,ortografia,3,Ortopedia,3,Ótica,8,Otorrinolaringologia,1,Oxfam,2,Pacifismo,1,Paginadores,1,paleontologia,3,Paquistão,1,Pará,2,Paraguai,2,parkinson,2,Passeio virtual,1,Patinação,1,Pedagogia,1,Pediatria,6,Pensamentos,2,performance,2,Periférico,1,Pesca,2,Pesquisa,198,Petição,1,Petrobrás,9,Petróleo,12,Photoshop,5,Pirataria,7,planilha de custo,1,Playstation 3,2,Plebiscito,3,Pneumologia,1,Podcast,4,Poesia,28,Poítica,1,Politica,5,Política,288,Portugal,6,português,18,Pós-graduação,1,prazo médio,1,Pré-sal,5,Prêmio Nobel,6,primatologia,1,Primeira Guerra Mundial,1,privacidade,18,produtividade,3,professor Hamilton Alves,2,Programa Gratuito,4,Programação,51,Projeção Mapeada,1,Projeto Truco,2,Promoção,1,Propaganda,5,Psicanálise,1,Psicologia,267,Psicologia Animal,24,Psiquiatria,13,Pública,12,publicidade,19,Publieditorial,4,Quadrinhos,10,Quads,5,Qualidade,3,Qualidade de Vida,11,química,32,REA,2,realidade aumentada,44,realidade diminuída,2,Realidade Misturada,2,Realidade Virtual,37,Reconhecimento de imagem,12,Reconhecimento de voz,3,Recorde,1,Recoverit,1,Recuperar vídeos,1,Redação,1,redes,10,Referência,2,Referendo,1,Reforma Política,3,Reino Unido,1,Relacionamento,2,Relações Internacionais,40,Religião,39,Responsabilidade Social,4,Retrospectiva,1,Review,4,Rio 2016,6,Rio de Janeiro,1,Rio Grande do Norte,1,Rio Grande do Sul,1,robótica,97,Roda Viva,45,Roma,5,roteiro,1,RSA,1,Rússia,1,Samsung,1,Sanitarismo,5,Santa Catarina,1,São Paulo,4,Saúde,488,Savant,1,Segunda Guerra Mundial,23,Segurança,117,Segurança da Informação,60,Seleção Natural,2,Séries,2,serviço,1,Serviço Online,1,Sexologia,2,sexualidade,5,Show,7,SIGGRAPH,1,Simulação,29,Singularity University,1,Síria,3,Sismologia,2,Sistema operacional,4,Sistemas de Numeração,1,Sites de Busca,14,Sociedade,4,Sociologia,52,Software,32,Software Livre,25,Sol,2,Sono,4,Sony,2,SOPA,2,Star Wars,1,Suécia,3,Sugestão de presentes,61,Sun,1,supercomputadores,2,Sustentabilidade,5,Tabagismo,6,Taiwan,1,Talento precoce,1,taxa de juros efetiva,1,taxa de juros nominal,1,Taxas Equivalentes,1,Taxidermia,1,Teatro,26,Técnicas de Estudo,2,Tecnologia,540,Tecnologia da Informação,28,TED,390,TED-Ed,40,TedMed,2,TEDx,1,TEDx Rio+20,1,TEDxAmazônia,1,TEDxAsaSul,1,Telefonia,59,Televisão,43,Temas,1,Tempo,1,Tendências,10,Teologia,5,teoria das supercordas,1,Terremoto,7,Terrorismo,15,Tesla,1,Testes,17,Tipologia,8,Tomada de Decisão,1,tradução,5,Trânsito,11,transporte,55,tributo,3,Trigonometria,1,Tubarão,2,Tunísia,1,Turismo,21,Tutorial,20,Twitter,8,Uber,4,UFC,1,UFG,1,ufologia,5,UFRJ,1,Unicamp,1,UNIFESP,1,universidade,5,Universidade Corporativa,1,Universidade de Cambridge,2,Universidade de Michigan,1,Universidade de Princeton,1,Urbanismo,23,Urologia,1,User Experience,1,USP,6,Utilidade Pública,3,Utilitário,3,Vale,1,Vaticano,1,Veículo Autônomo,7,Ventriloquismo,3,Verão,1,vestibular,3,Vestimenta,1,Vida Digital,7,Vida Moderna,18,Vida Selvagem,10,Videogame,114,Vídeos,929,Vídeos 360,1,Violência,5,Vírus,2,Visão Computacional,9,Vôlei,1,Vulcanologia,6,Watergate Política,1,WCIT 2016,2,WCIT 2017,1,Web 2.0,29,Web Application,136,Web Semântica,2,Web Seminar,1,webdesign,11,Webinar,2,widget,2,WikiLeaks,37,Wikipedia,4,Windows,5,Xadrez,2,YouTube,6,Zika,1,Zoologia,56,
ltr
item
Brasil Acadêmico: O crescimento econômico parou. Vamos resolver isso
O crescimento econômico parou. Vamos resolver isso
Moyo examina o atual panorama económico e sugere que comecemos a pensar no capitalismo como um espectro, de modo a que possamos misturar o melhor de diferentes modelos para promover o crescimento.
https://2.bp.blogspot.com/--A-pnWuLf10/VtjwpdNmYxI/AAAAAAAAkIw/hqrSG2W0l_o/s320/moyo.jpg
https://2.bp.blogspot.com/--A-pnWuLf10/VtjwpdNmYxI/AAAAAAAAkIw/hqrSG2W0l_o/s72-c/moyo.jpg
Brasil Acadêmico
https://blog.brasilacademico.com/2016/03/o-crescimento-economico-parou-vamos.html
https://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2016/03/o-crescimento-economico-parou-vamos.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Todos os posts carregados Nenhumpost encontrado VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Home Páginas POSTS Ver Todos Recomendado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS POSTS Não encontrado nehum post de acordo com o seu critério Voltar para Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agorinha 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais que 5 semanas atrás Seguidores Seguir THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy