$hide=/p/valores.html

Maryn McKenna: O que fazer quando os antibióticos não funcionam mais?

Indicar:

A penicilina mudou tudo. As infecções que anteriormente matavam, de repente ficaram curáveis rapidamente. No entanto, como Maryn McKenna exp...

A penicilina mudou tudo. As infecções que anteriormente matavam, de repente ficaram curáveis rapidamente. No entanto, como Maryn McKenna explana nesta palestra direta, nós desperdiçamos as vantagens oferecidas por este e posteriores antibióticos. Bactérias resistentes a drogas significam que estamos entrando em um mundo pós-antibiótico, e isso não vai ser bonito. Há, no entanto, coisas que podemos fazer... se começarmos agora.


Assista esta palestra do TED com legendas em português e veja a transcrição a seguir.



Este é o meu tio-avô, irmão mais novo do pai do meu pai. Seu nome era Joe McKenna. Ele era um jovem marido, jogador de basquete semiprofissional e bombeiro em Nova Iorque. A história familiar diz que ele adorava ser bombeiro, e então, em 1938, em um de seus dias de folga, ele optou por ir ao quartel. Para ser útil naquele dia, ele começou a polir todo o bronze, as grades do caminhão, os encaixes nas paredes, e um dos bocais de mangueiras, um pedaço de metal gigante, pesado, tombou de uma prateleira e o acertou. Poucos dias depois, seu ombro começou a doer. Dois dias depois disso, ele teve febre. A febre aumentou e aumentou. Sua esposa estava cuidando dele, mas nada que ela fez adiantou, e quando ele chamou o médico local, ele também não conseguiu ajudar em nada.

Eles chamaram um táxi e levaram-no para o hospital. Imediatamente as enfermeiras viram que ele tinha uma infecção, que naquela época eles chamavam de "envenenamento do sangue", e, embora eles não devam ter dito isso, de cara eles sabiam que não havia nada que pudessem fazer.

Eles não podiam fazer nada, porque as coisas que usamos agora para curar infecções ainda não existiam. O primeiro teste de penicilina, o primeiro antibiótico, veio três anos depois. Pessoas que tiveram infecções, ou se recuperavam, se tivessem sorte, ou morriam. Meu tio-avô não teve sorte. Ele ficou no hospital por uma semana, tremendo com calafrios, desidratado e delirante, afundando em um coma, enquanto seus órgãos falhavam. Sua condição tornou-se tão desesperadora que as pessoas de seu quartel fizeram fila para dar-lhe transfusões na expectativa de diluir a infecção de seu sangue.

Nada funcionou. Ele morreu. Ele tinha 30 anos.

Se você olhar para trás na história, a maioria das pessoas morreu como ele. A maioria não morreu de câncer ou doença cardíaca, as doenças de estilo de vida que hoje nos afligem no Ocidente. Eles não morreram dessas doenças porque não viveram tempo suficiente para desenvolvê-las. Eles morreram por ferimentos -- por serem chifrados por um touro, baleados em campo de batalha, esmagados em uma das novas fábricas da Revolução Industrial -- e na maior parte do tempo por infecção, que terminava o que aquelas lesões começaram.

Tudo isso mudou quando os antibióticos chegaram. De repente, infecções que um dia foram uma sentença de morte tornaram-se algo de que você se recuperava em dias. Parecia um milagre, e desde então, vivemos na época de ouro dos remédios milagrosos.

E agora, estamos chegando ao final dela. Meu tio-avô morreu nos últimos dias da era pré-antibiótica. Estamos hoje no limiar da era pós-antibiótica, nos primeiros dias de uma era em que simples infecções, tais como a que Joe teve, vão matar as pessoas mais uma vez.

De fato, elas já estão matando. As infecções estão matando novamente por causa do fenômeno chamado de resistência aos antibióticos. Resumidamente, funciona assim. As bactérias competem entre si por recursos, por comida, fabricando compostos letais que lançam umas contra outras. Outras bactérias, para se proteger, desenvolvem defesas contra aquele ataque químico. Quando fizemos antibióticos pela primeira vez, nós pegamos esses compostos e fizemos nossas próprias versões deles, e as bactérias responderam ao ataque do jeito que sempre fizeram.

Eis o que aconteceu a seguir: a penicilina foi distribuída em 1943, e a resistência generalizada à penicilina chegou em 1945. A vancomicina chegou em 1972; a resistência à ela, em 1988. O Imipenem, em 1985, e a resistência a ele, em 1998. A Daptomicina, uma das drogas mais recentes, em 2003, e a resistência à ela, apenas um ano depois, em 2004.

Por 70 anos, brincamos de cão e gato -- nossa droga e a resistência à ela, e então, uma outra droga, e então, a resistência de novo -- e agora o jogo está terminando. As bactérias desenvolvem resistência tão rápido, que as empresas farmacêuticas decidiram que fazer antibióticos não é mais vantajoso. Por isso, há infecções em todo o mundo para as quais, dos mais de 100 antibióticos disponíveis no mercado, dois remédios podem funcionar, com efeitos colaterais, ou um remédio, ou nenhum.

O cenário é o seguinte. Em 2000, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças - CPD, identificou um único caso em um hospital na Carolina do Norte, de uma infecção resistente a todos, menos dois remédios. Hoje, aquela infecção conhecida como KPC, se espalhou para todos os estados, menos três, e para a América do Sul, Europa e Oriente Médio. Em 2008, médicos na Suécia diagnosticaram um indiano com uma infecção diferente, resistentes a todos, menos a um remédio naquela época. O gene que cria esta resistência, conhecido como NDM, já se espalhou da Índia para a China, Ásia, África, Europa, Canadá e os Estados Unidos.

Seria natural esperar que estas infecções fossem casos extraordinários, mas de fato, nos Estados Unidos e na Europa, 50 mil pessoas por ano morrem de infecções para as quais não há medicamentos que ajudem. Um projeto bancado pelo governo britânico conhecido como "Estudo sobre a Resistência Antimicrobiana" estima que o número de vítimas no mundo agora é de 700 mil ao ano.

Isso é um monte de mortes, e ainda assim, há uma boa chance de que você não se sinta em risco, de que você imagine que essas pessoas são pacientes hospitalares, em unidades de terapia intensiva ou os residentes dos lares de idosos, perto do fim de suas vidas, pessoas cujas infecções estão distantes de nós, em situações com que não nos identificamos.

O que você não pensou, nenhum de nós pensou, é que os antibióticos ajudam em quase tudo da vida moderna.

Se perdêssemos os antibióticos, eis o que também perderíamos: primeiro, qualquer proteção para pessoas com sistemas imunitários enfraquecidos -- pacientes de câncer, AIDS, receptores de transplantes, bebês prematuros.

Depois, qualquer tratamento que instala objetos estranhos no corpo: "stents" para o AVC, bombas para a diabetes, diálise, substituição de articulações. Quantos atletas "baby boomers", precisaram de novos quadris e joelhos? Um estudo recente estima que, sem antibióticos, uma em cada seis pessoas morreria.

Nós provavelmente perderíamos a cirurgia. Muitas operações são precedidas de doses profiláticas de antibióticos. Sem essa proteção, não poderíamos mais abrir as áreas internas do corpo. Então, nada de operações cardíacas, nada de biópsias da próstata, nada de cesarianas. Teríamos que aprender a temer infecções que agora parecem pequenas. Infecções na garganta costumam causar insuficiência cardíaca. Infecções de pele levam a amputações. Dar à luz já matou, nos hospitais mais limpos, quase uma mulher em cada 100. A pneumonia matou três crianças em cada 10.

Mais que qualquer coisa, perderíamos a confiança na forma como vivemos nossas vidas hoje. Se você soubesse que qualquer machucado poderia matá-lo, você dirigiria uma motocicleta? Desceria numa pista de esqui? Subiria uma escada para pendurar as luzes de Natal? Deixaria seu filho jogar futebol? Afinal, a primeira pessoa a receber penicilina, um policial britânico chamado Albert Alexander, que foi tão devastado por uma infecção que pus escorria do seu couro cabeludo e os médicos tiveram que tirar-lhe um olho, foi infectado ao fazer algo muito simples. Ele foi no jardim e arranhou o rosto em um espinho. O projeto britânico que eu mencionei, que estima o número mundial de vítimas em 700 mil mortes por ano, também prevê que se não controlarmos isso até 2050, em breve, serão 10 milhões de mortes por ano no mundo.

Como chegamos a esse ponto onde o que temos que visualizar são esses números terríveis? A resposta difícil é que nós fizemos isso a nós mesmos. A resistência é um processo biológico inevitável, mas nós carregamos a responsabilidade de acelerá-lo. Fizemos isso ao desperdiçarmos os antibióticos com uma negligência que agora parece chocante. A penicilina era vendida no balcão até a década de 1950. Em boa parte do mundo em desenvolvimento muitos antibióticos ainda são. Nos Estados Unidos, 50% dos antibióticos administrados em hospitais são desnecessários. Quarenta e cinco por cento das prescrições dos consultórios médicos são para condições que os antibióticos não podem ajudar. E isso é só na área da saúde. A maioria dos animais que comemos recebe antibióticos todos os dias, não para curar doenças, mas para engordá-los e protegê-los contra as condições da "fábrica-fazenda" onde são criados. Nos Estados Unidos, possivelmente 80% dos antibióticos vendidos todos os anos vão para os animais, não para os humanos, criando bactérias resistentes que saem da fazenda e vão para a água, a poeira, para a carne que os animais se tornam. A aquicultura também depende de antibióticos, especialmente na Ásia, a fruticultura baseia-se em antibióticos para proteger maçãs, peras e cítricos contra doenças. E já que as bactérias podem passar seu DNA umas para as outras como um viajante que entrega a mala de viagem em um aeroporto, uma vez que incentivamos essa resistência, não há como saber onde ela vai se espalhar.

Isto era previsível. De fato, foi previsto por Alexander Fleming, o homem que descobriu a penicilina. Ele recebeu o Prêmio Nobel em 1945, em reconhecimento, e logo após, em uma entrevista, eis o que ele disse:

"A pessoa imprudente que brinca com tratamento com penicilina é moralmente responsável pela morte de um homem que sucumbe à infecção com um organismo resistente à penicilina". E acrescentou: "Espero que este mal possa ser evitado."

Podemos evitá-lo? Há empresas trabalhando em novos antibióticos, coisas que as superbactérias nunca viram antes. Precisamos muito dessas novas drogas, e precisamos de incentivos: subvenções de descoberta, patentes prolongadas, prêmios, para atrair outras empresas a fazerem antibióticos de novo.

Mas isso provavelmente não será suficiente. Eis o porquê: a evolução sempre vence. A cada 20 minutos nasce uma nova geração de bactérias. A química farmacêutica leva 10 anos para conseguir uma nova droga. Cada vez que usamos um antibiótico, damos às bactérias bilhões de chances para quebrar os códigos das defesas que construímos. Nunca houve um remédio do qual elas não conseguissem se defender.

Esta é uma guerra assimétrica, mas podemos mudar o resultado. Podemos construir sistemas de informações que nos digam automática e especificamente como os antibióticos estão sendo usados. Construir revisores em sistemas de venda de remédios, de modo que cada prescrição receba uma segunda olhada. Poderíamos exigir que a agricultura desista do uso de antibióticos. Poderíamos construir sistemas de vigilância para nos dizer onde a resistência surgirá em seguida.

Essas são as soluções técnicas. Mas elas provavelmente não são suficientes, a menos que ajudemos. A resistência aos antibióticos é um hábito. Todos sabemos como é difícil mudar um hábito. Mas, como sociedade, nós fizemos isso no passado. As pessoas costumavam jogar lixo nas ruas, não usavam cinto de segurança, costumavam fumar no interior dos edifícios públicos. Nós não fazemos mais essas coisas. Nós não entulhamos o ambiente, ou arriscamos acidentes devastadores, ou expomos os outros à possibilidade de câncer porque decidimos que essas coisas eram caras, destrutivas, não vantajosas. Nós mudamos as normas sociais. Poderíamos mudar normas sociais quanto ao uso de antibióticos também.

Sei que a escala de resistência a antibióticos parece esmagadora, mas se você já comprou uma lâmpada fluorescente porque estava preocupado com a mudança climática, ou leu o rótulo de uma caixa de biscoitos porque você pensa no desmatamento do azeite de dendê, você já sabe como é dar um pequeno passo para resolver um problema esmagador. Nós poderíamos tomar medidas como essas para o uso de antibióticos também. Poderíamos não receitar um antibiótico se não tivermos certeza de que é o certo. Poderíamos parar de insistir em receitas para a infecção de ouvido de nossos filhos antes de termos certeza da causa. Poderíamos perguntar a cada restaurante, a cada supermercado, de onde a carne deles vem. Poderíamos prometer uns aos outros nunca mais comprar frango, ou camarão ou frutas criados com a rotina de antibióticos, e, se fizéssemos essas coisas, poderíamos retardar a chegada do mundo pós-antibiótico.

Mas temos que fazer isso logo. A penicilina deu início à era do antibiótico em 1943. Em apenas 70 anos, conduzimos a nós mesmos à beira do desastre. Nós não teremos 70 anos para encontrar o nosso caminho de volta.

Muito obrigada.

(Aplausos)

Fonte: TED
[Visto no Brasil Acadêmico]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Maryn McKenna: O que fazer quando os antibióticos não funcionam mais?
Maryn McKenna: O que fazer quando os antibióticos não funcionam mais?
http://2.bp.blogspot.com/-LFSxf9-KvcI/VascaN0lTbI/AAAAAAAAe_s/y8u3uNQmZpM/s400/tedMaryn00.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-LFSxf9-KvcI/VascaN0lTbI/AAAAAAAAe_s/y8u3uNQmZpM/s72-c/tedMaryn00.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2015/07/maryn-mckenna-o-que-fazer-quando-os_70.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2015/07/maryn-mckenna-o-que-fazer-quando-os_70.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy