$hide=/p/valores.html

Como a arquitetura da Síria estabeleceu a base para uma guerra brutal

O que levou à guerra na Síria? Opressão, seca e diferenças religiosas tiveram um papel importante, mas Marwa Al-Sabouni sugere outro motivo:...

O que levou à guerra na Síria? Opressão, seca e diferenças religiosas tiveram um papel importante, mas Marwa Al-Sabouni sugere outro motivo: a arquitetura. Falando conosco através da internet em Homs, de onde, nos últimos seis anos, ela viu a guerra destruir sua cidade, Al-Sabouni sugere que a arquitetura da Síria dividiu uma sociedade anteriormente tolerante e multicultural, em territórios isolados, com identidade única, definidos por classe e religião. Agora o futuro do país depende das escolhas feitas para sua reconstrução.


Olá. Meu nome é Marwa, e sou arquiteta. Eu nasci e cresci em Homs, uma cidade no centro-oeste da Síria, e sempre vivi aqui. Depois de seis anos de guerra, Homs é hoje uma cidade semidestruída. Minha família e eu tivemos sorte: nossa casa ainda está em pé.



[Esta palestra foi gravada em maio de 2016, através da internet, em Homs, uma cidade devastada por seis anos de guerra na Síria.]
Ainda assim, por dois anos, fomos como prisioneiros em nossa casa. Do lado de fora havia manifestações, batalhas, bombardeios e atiradores. Meu marido e eu tínhamos um escritório de arquitetura na quadra principal da cidade velha. Ele foi destruído, como toda a cidade velha. Metade dos outros bairros da cidade virou escombros. Desde o cessar-fogo no final de 2015, grande parte de Homs tem estado mais ou menos calma. A economia está totalmente falida, e as pessoas ainda estão lutando. Os comerciantes que tinham bancas no antigo mercado municipal agora negociam em barracas nas ruas. Embaixo de nosso apartamento há um carpinteiro, confeitarias, um açougue, uma editora, oficinas, entre muitas outras. Eu comecei a dar aulas em meio período, e, junto com meu marido, que se vira em vários empregos, abri uma pequena livraria. As pessoas fazem todo tipo de trabalho para conseguirem sobreviver.

Quando olho para minha cidade destruída, é claro que eu me pergunto: o que levou a essa guerra sem sentido?

A Síria era, em grande parte, um lugar de tolerância, historicamente acostumada à variedade, e que acomodava uma gama de crenças origens, costumes, produtos e comidas.

Como o meu país, um país com comunidades que viviam em harmonia e que discutiam suas diferenças com tranquilidade, degenerou em guerra civil, violência, fuga de refugiados e um ódio sectário sem precedentes? Muitos motivos levaram à guerra: sociais, políticos e econômicos. Cada um deles teve seu papel, mas eu acredito que existe um motivo-chave que tem sido negligenciado e que é importante ser analisado, porque dele dependerá, em grande parte, se poderemos garantir que isso não se repita novamente. E esse motivo é a arquitetura.

A arquitetura, no meu país, teve um papel importante em criar, direcionar e amplificar os conflitos entre as facções em guerra, e, provavelmente, isso também ocorre em outros países.

Certamente existe uma relação entre a arquitetura de um lugar e o caráter da comunidade ali estabelecida. A arquitetura tem um papel fundamental na forma como a comunidade se despedaça ou se une. Por muito tempo, diferentes tradições e origens coexistiram na sociedade síria. Os sírios experimentaram a prosperidade do mercado aberto e de comunidades sustentáveis. Eles aproveitaram o real significado de pertencer a um lugar, e isso se refletiu nas suas construções, nas mesquitas e igrejas construídas lado a lado, nos mercados interligados e locais públicos, e nas proporções e tamanhos baseados em princípios de humanidade e harmonia.

Essa arquitetura miscigenada ainda pode ser vista no que restou. A antiga cidade islâmica, na Síria, foi construída sobre várias camadas do passado, integrando e acolhendo seu espírito. As comunidades fizeram o mesmo. As pessoas viviam e trabalhavam juntas, em um lugar que lhes dava uma sensação de pertencimento e fazia elas se sentirem em casa. Elas compartilhavam uma existência incrivelmente unificada.

Mas, durante o último século, aos poucos, o frágil equilíbrio desses lugares sofreu interferências; primeiro, pelos planejadores urbanos do período colonial, quando os franceses se empolgaram e transformaram cidades sírias que consideravam antiquadas. Eles explodiram ruas da cidade e mudaram monumentos de lugar. Chamaram isso de melhorias, e elas foram o início de um longo e lento desfecho. O urbanismo e a arquitetura tradicionais de nossas cidades garantiam identidade e pertencimento, não pela separação, mas pela integração. Mas, com o tempo, o antigo se tornou sem valor, e o novo, cobiçado. A harmonia do ambiente social e arquitetônico foram atropelados por elementos de modernidade: blocos de concreto brutos e não-acabados, neglicência, devastação estética, urbanismo separatista, que separaram as comunidades em zonas, por classe, credo ou posses.

E o mesmo aconteceu com as comunidades. À medida em que o perfil das áreas construídas mudava, o estilo de vida e o sentido de pertencimento das comunidades também começou a mudar. Antes uma referência de proximidade e pertencimento, a arquitetura passou a ser uma forma de diferenciação, e as comunidades começaram a se distanciar daquilo que costumava uni-las e da alma do lugar que costumava representar sua existência comum.

Muitos motivos levaram à guerra síria, mas não podemos subestimar a forma pela qual, contribuindo para a perda de identidade e respeito próprio, o zoneamento urbano e a arquitetura equivocada e desumana nutriram o ódio e o sectarismo. Com o tempo, a cidade unida se transformou em um centro urbano rodeado por guetos. Com isso, comunidades coerentes tornaram-se grupos sociais distintos, alienados uns dos outros e do lugar. Do meu ponto de vista, perder a sensação de pertencimento a um lugar e de compartilhar esse lugar com outras pessoas torna-o muito mais fácil de destruir.

Um exemplo claro pode ser visto no sistema informal de moradia, que antes da guerra abrigava mais de 40% da população. Sim, antes da guerra quase metade da população síria vivia em favelas: áreas na periferia, sem infraestrutura adequada, compostas de fileiras sem fim de caixas de tijolos crus contendo pessoas. Pessoas que na sua maioria pertenciam ao mesmo grupo, fosse ele baseado em religião, classe, origem ou todos esses critérios.

Esse urbanismo segregador se mostrou um precursor tangível da guerra. Os conflitos ocorrem mais facilmente entre áreas pré-categorizadas, onde "os outros" vivem. Todos os laços que costumavam manter a cidade unida, fossem eles sociais, através de construções coerentes, econômicos, através do comércio no mercado, ou religiosos, através da coexistência, se perderam na modernização equivocada e sem visão das áreas construídas.

Permitam-me um aparte. Quando li sobre urbanismo heterogêneo em outras partes do mundo, envolvendo bairros étnicos em cidades britânicas, ou ao redor de Paris ou Bruxelas, eu reconheci o início do tipo de instabilidade que presenciamos tão desastrosamente aqui na Síria.

Nós temos cidades extremamente destruídas, como Homs, Aleppo, Daraa e tantas outras, e quase metade da população do país está refugiada.

Com sorte, a guerra terminará, e a pergunta que preciso fazer, enquanto arquiteta, é: como reconstruir? Quais princípios devemos adotar para evitar a repetição dos mesmos erros? Do meu ponto de vista, o foco principal deve ser a criação de lugares aos quais as pessoas sintam que pertencem. A arquitetura e o planejamento precisam reconquistar alguns dos valores tradicionais que faziam justamente isso, criavam as condições para a coexistência e a paz: padrões de beleza que não exibem ostentação, mas, em vez disso, acessibilidade e conforto; valores morais que promovem generosidade e aceitação; arquitetura da qual todos desfrutam, não só a elite, exatamente como costumavam ser as vielas sombreadas da antiga cidade islâmica; projetos que encorajam um senso de comunidade.

Existe um bairro em Homs chamado Baba Amr que foi totalmente destruído. Há quase dois anos, apresentei este projeto de reconstrução do bairro em uma competição do programa UN-Habitat. A ideia era criar um tecido urbano inspirado em uma árvore, capaz de crescer e se espalhar organicamente, remetendo às tradicionais pontes sobre as vielas antigas, e incorporando apartamentos, pátios privados, lojas, oficinas, locais para estacionamentos, brincadeiras e lazer, árvores e áreas de sombra. Está longe da perfeição, obviamente. Eu o desenhei durante as poucas horas em que temos energia elétrica. E existem muitas formas possíveis para expressar pertencimento e comunidade através da arquitetura. Mas comparem meu projeto com os blocos autônomos e desconectados propostos pelo projeto oficial de reconstrução de Baba Amr.

A arquitetura não é o eixo ao redor do qual gira a vida humana, mas ela tem o poder de sugerir e até mesmo direcionar a atividade humana.

Nesse sentido, a estabilidade, a identidade e a integração social são o produtor e o produto do urbanismo efetivo. O urbanismo coerente da antiga cidade islâmica e de várias antigas cidades europeias, por exemplo, promovem integração, enquanto fileiras de casas sem alma ou prédios, mesmo sendo luxuosos, promovem o isolamento e a alteridade. Mesmo coisas simples como sombras, plantas frutíferas ou água potável na cidade fazem a diferença em como as pessoas se sentem em relação ao lugar, e se elas o consideram um lugar generoso, um lugar que merece ser cuidado, contribuindo para isso, ou se elas veem como um lugar alienante, cheio de sementes de ódio. Para um lugar ser generoso, sua arquitetura também deve ser.

Nossas áreas construídas importam. O tecido de nossas cidades reflete no tecido de nossas almas. E seja na forma de favelas informais de concreto, de casas populares destruídas, cidades antigas arrasadas, ou florestas de arranha-céus, os arquétipos urbanos contemporâneos, que emergiram por todo o Oriente Médio têm sido uma das causas da alienação e fragmentação das nossas comunidades.

Podemos aprender com isso. Podemos aprender como reconstruir de outra forma, como criar uma arquitetura que não contribua apenas com os aspectos práticos e econômicos da vida das pessoas, mas também com suas necessidades sociais, espirituais e psicológicas. Essas necessidades eram totalmente ignoradas nas cidades sírias antes da guerra. Precisamos criar novamente cidades que sejam compartilhadas pelas comunidades que as habitam. Se fizermos isso, as pessoas não sentirão necessidade de buscar identidades opostas às outras identidades a seu redor, pois todos se sentirão em casa.

Obrigada por me escutar.

Fonte: TED
[Visto no Brasil Acadêmico]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

#existepesquisanobrasil A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Como a arquitetura da Síria estabeleceu a base para uma guerra brutal
Como a arquitetura da Síria estabeleceu a base para uma guerra brutal
https://3.bp.blogspot.com/-mtJu1NSz79s/V4jdB6anQbI/AAAAAAAAmjI/GQLgPSibngokJNQkfV7BeodhDO5ki8WugCLcB/s400/siria00.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-mtJu1NSz79s/V4jdB6anQbI/AAAAAAAAmjI/GQLgPSibngokJNQkfV7BeodhDO5ki8WugCLcB/s72-c/siria00.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2016/07/o-que-levou-guerra-na-siria-opressao.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2016/07/o-que-levou-guerra-na-siria-opressao.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy