$hide=/p/valores.html

Podemos falar a língua dos golfinhos?

Por 28 anos, Denise Herzing passa cinco meses a cada verão vivendo com um grupo de golfinhos-pintados-do-Atlântico, seguindo três gerações d...

Por 28 anos, Denise Herzing passa cinco meses a cada verão vivendo com um grupo de golfinhos-pintados-do-Atlântico, seguindo três gerações de relações familiares e seus comportamentos. Está claro que eles se comunicam entre si -- mas isso é uma linguagem? Os humanos podem usá-la também? Ela compartilha um experimento inédito e fascinante para testar esta ideia.

Bem, agora estamos indo para Bahamas encontrar um grupo notável de golfinhos com quem trabalhei na natureza nos últimos 28 anos.



Eu sou interessada por golfinhos por causa de seus grandes cérebros e pelo que podem estar fazendo com esse poder cerebral na natureza. E sabemos que eles usam parte desse poder cerebral para viver vidas complicadas, mas o que realmente sabemos sobre a inteligência dos golfinhos?

Bem, sabemos algumas coisas. Sabemos que sua razão cérebro-corpo, que é uma medida física de inteligência, é superada apenas pelos humanos. Cognitivamente, eles podem entender línguas criadas artificialmente. E eles passam no teste de auto-percepção nos espelhos. E em algumas partes do mundo, usam ferramentas, como esponjas para caçar peixes. Mas resta ainda uma questão: Eles têm linguagem, e se tiverem, o que eles estão falando?

Décadas atrás, não anos atrás, eu me dispus a buscar um lugar no mundo onde pudesse observar golfinhos dentro d'água para tentar decifrar o código de seu sistema de comunicação. Agora, em muitas partes do mundo, a água é muito turva, então é muito difícil observar animais dentro d'água, mas encontrei uma comunidade de golfinhos que vivem nesses lindos bancos de areia transparentes e rasos das Bahamas que estão a leste de Flórida. E eles passam o dia descansando e socializando com segurança nesses bancos superficiais, mas à noite eles parte para a borda e caçam no fundo do mar.

Agora, não é lugar ruim para ser um pesquisador, também. Então saímos por cerca de cinco meses a cada verão num catamarã de 20 metros, e vivemos, dormimos e trabalhamos no mar por semanas a cada vez. Minha principal ferramenta é uma câmera subaquática com um hidrofone que é um microfone subaquático, para que eu possa correlacionar som e comportamento. E a maior parte de nosso trabalho é praticamente não-invasivo. Tentamos seguir a etiqueta dos golfinhos enquanto estamos na água, já que estamos realmente observando-os fisicamente na água. Agora, o golfinho-pintado-do-atlântico é uma espécie muito boa para trabalhar por algumas razões. Eles nascem sem pintas, e ganham as pintas com a idade, e passam por fases de desenvolvimento muito distintas, então é interessante rastrear seu comportamento. E ao chegar na idade de 15 anos, eles estão cheios de pintas brancas e pretas.

A mãe que vocês veem aqui é a Mugsy. Ela tinha 35 anos nessa foto, mas os golfinhos podem viver até os 50, na verdade. E como todos os golfinhos em nossa comunidade, fotografamos a Mugsy e rastreamos suas pintinhas e suas marcas de sua barbatana dorsal, e também seus padrões únicos de pintas enquanto ela crescia.

Agora, golfinhos jovens aprendem muito enquanto envelhecem, e eles usam seus anos de adolescente para praticar habilidades sociais, e ao nove anos, as fêmeas se tornam sexualmente maduras, então podem engravidar, e os machos amadurecem um pouco mais tarde, aos 15 anos de idade.

E os golfinhos são muito promíscuos, e nós temos de determinar quem são os pais, então fazemos testes de paternidade coletando material fecal da água e extraindo DNA.

Isso quer dizer que, depois de 28 anos, estamos rastreando três gerações, incluindo avôs e avós. Agora, os golfinhos são especialistas em som. Eles produzem sons dez vezes mais altos escutam sons 10 vezes mais altos que nós. Mas eles têm outros sinais de comunicação que usam. Eles têm boa visão, então eles usam posturas corporais para se comunicar. Eles têm paladar, não olfato. E eles têm tato. E o som pode ser sentido na água, pois a impedância acústica do tecido e da água são as mesmas. Então os golfinhos podem se chamar e se cutucar à distância.

Agora, sabemos algumas coisas sobre como os sons são usados com certos comportamentos. Agora, o assobio de assinatura é um assobio que é específico para um golfinho individual, e é como um nome. (Sons de assobios de golfinhos) E este é o som mais bem estudado, pois é fácil de medir, na verdade, e encontramos esse assobio quando as mães e seus bebês estão se reunindo, por exemplo.


Outro som bem estudado são os cliques de ecolocação. Este é o sonar do golfinho. (Sons de ecolocação de golfinhos) E eles usam esses cliques para caçar e se alimentar. Mas eles podem comprimir esses cliques juntos em chamados e usá-los socialmente. Por exemplo, os machos estimulam uma fêmea durante uma perseguição de corte. Vocês sabem, eu fui chamada na água. (Risos) Não contem para ninguém. É um segredo. E vocês podem sentir o som. Esse foi meu ponto sobre isso. (Risos)


Então os golfinhos são animais políticos, e eles precisam resolver conflitos. (Sons de golfinhos) E eles usam esses sons de rajadas em pulsos assim como seus comportamentos cabeça-a-cabeça quando brigam. E esses são sons muito pouco estudados pois são difíceis de medir.

Agora este é um vídeo de uma briga típica de golfinhos. (Sons de golfinhos) Então vocês vão ver dois grupos, e vocês vão ver a postura cabeça-a-cabeça, algumas bocas abertas, muitos grasnidos. Aparece uma bolha. E basicamente, um desses grupos vai meio que recuar e tudo vai ficar bem, e isso não aumenta muito para violência.

Agora, nas Bahamas, nós também temos golfinhos-nariz-de-garrafa que interagem socialmente com os golfinho-pintados. Por exemplo, eles cuidam dos bebês uns dos outros. Os machos têm expressões de dominância que usam quando estão perseguindo outras fêmeas. E as duas espécies formam alianças temporárias quando estão afastando os tubarões. E um dos mecanismos que eles usam para comunicar sua coordenação é a sincronia. Eles sincronizam seus sons e suas posturas corporais para parecer mais fortes e soar mais alto. (Sons de golfinhos) Agora, estes são golfinhos-nariz-de-garrafa e vocês vão vê-los começar a sincronizar seus comportamentos e seus sons. (Sons de golfinhos) Vocês veem, eles se sincronizam com seu parceiro assim como a outra dupla. Eu gostaria de ser coordenada assim.

Agora, é importante lembrar que vocês estão escutando apenas as partes humanamente audíveis dos sons dos golfinhos, e os golfinhos fazem sons ultra sônicos, e usamos equipamentos especiais na água para coletar esses sons. Agora, os pesquisadores mediram realmente a complexidade dos assobios usando a teoria da informação, e estima-se que os assobios estão muito relacionados às linguagens humanas. Mas sons de rajadas em pulsos são misteriosos.

Agora, vejam estes três espectrogramas. Dois são de palavras humanas, e um é de uma vocalização de golfinho. Então tente adivinhar na sua mente qual deles é o do golfinho. Agora, acontece que sons de rajadas em pulsos parecem um pouco com fonemas humanos.

Agora, uma forma de decifrar o código é interpretar esses sinais e descobrir o que eles significam, mas é um trabalho difícil, e nós ainda não temos uma Pedra de Roseta. Mas uma segunda forma de decifrar o código é desenvolver alguma tecnologia, uma interface para fazer comunicação bimodal, e é o que nós estamos tentando fazer nas Bahamas e em tempo real. Agora, os cientistas usam interfaces de teclado para tentar ligar os pontos com outras espécies incluindo os chimpanzés e os golfinhos. Este teclado aquático em Orlando, Flórida, no Epcot Center, foi a interface bimodal mais sofisticada já criada, projetada para humanos e golfinhos trabalharem juntos embaixo d'água e trocar informações. Então nós queríamos desenvolver uma interface como essa nas Bahamas, mas num contexto mais natural. E uma das razões pela qual pensamos que podíamos fazer isso é porque os golfinhos estavam começando a nos mostrar muita curiosidade mútua. Eles estavam imitando espontaneamente nossas vocalizações e nossas posturas, e eles estavam nos convidando para as brincadeiras dos golfinhos. Agora, os golfinhos são mamíferos sociais, então eles amam brincar, e um dos seus jogos favoritos é levar algas marinhas, ou sargaço nesse caso, por aí. E eles são muito adeptos. Eles gostam de trazer e jogar isso de membro para membro. Agora nesse vídeo, a adulta é a Caroh. Ela tem 25 anos, e esse é seu recém nascido, Cobalt, e ele está aprendendo a brincar nesse jogo. (Sons de golfinhos) Ela está meio que provocando e caçoando dele. Ele realmente quer esse sargaço. Agora, quando os golfinhos pedem para os humanos brincarem, eles frequentemente afundam verticalmente na água, e trazem um pequeno sargaço na sua nadadeira, e eles meio que lançam e soltam às vezes no fundo e nos deixam pegá-lo, e então nós fazemos um jogo de bobinho com o sargaço. Mas quando não mergulhamos para pegá-lo, eles o trazem para superfície e eles meio que agitam isso na frente da gente com sua cauda e o jogam para nós como fazem com seus bebês, e então nós pegamos e fazemos um jogo.

E começamos a pensar, bem, não seria legal se construíssemos uma tecnologia que permitisse que os golfinhos pedissem essas coisas em tempo real, seus brinquedos favoritos? E a proposta original era ter um teclado pendurado no barco acoplado a um computador, e os mergulhadores e golfinhos iriam ativar as teclas do teclado e trocar alegremente informação e pedir brinquedos um ao outro. Mas rapidamente descobrimos que os golfinhos simplesmente não iriam acompanhar o barco usando um teclado. Eles tinham coisas melhores para fazer na natureza. Eles podiam fazer isso em cativeiro, mas na natureza --

Então construímos um teclado portátil que podíamos carregar até a água, e marcamos quatro objetos que eles gostam de brincar, o lenço, a corda, o sargaço, e também uma boia, que é uma atividade divertida para um golfinho. (Som) E este é o assobio do lenço, que está associado com um símbolo visual. E há assobios criados artificialmente. Eles estão fora do repertório normal dos golfinhos, mas eles são facilmente imitados pelos golfinhos. E eu passei quatro anos com meus colegas Adam Pack e Fabienne Delfour, trabalhando no mar com esse teclado usando entre a gente para pedir brinquedos enquanto os golfinhos nos assistiam. E os golfinhos podiam entrar no jogo. Eles podiam apontar o objeto visual, ou podiam imitar o assobio.

Agora isto é um vídeo de uma sessão. O mergulhador tem um brinquedo de corda, e estou no teclado à esquerda, e acabei de apertar a tecla da corda, e isso é o pedido dos humanos pela corda. Então eu recebi a corda, estou mergulhando, e estou basicamente tentando chamar a atenção dos golfinhos, pois eles são meio que crianças. Você precisa prender sua atenção. Eu vou jogar a corda, e ver se eles se aproximam. Aí vem eles, e então eles pegam a corda e a levam como um brinquedo. Agora, estou no teclado à esquerda, e na verdade esta é a primeira vez que tentamos isso. Eu vou tentar pedir pelo brinquedo, a corda, dos golfinhos usando o som da corda. Vamos ver se eles podem entender o que isso significa. (Som) Este é o assobio da corda. Aí vem os golfinhos, e eles jogam a corda. Oba! Uau!

(Aplausos)

Isso foi só uma vez. Não sabemos com certeza se eles realmente entenderam a função dos assobios. Muito bem, aqui está o segundo brinquedo na água. Este é o brinquedo do lenço, e vou tentar levar o golfinho até o teclado para mostrar a ela o sinal visual e o sinal acústico. Agora esse golfinho, vamos chamá-la de "ladra do lenço", pois ao longo dos anos ela fugiu com uma dúzia de lenços. Na verdade, a gente acha que ela tem uma butique em algum lugar nas Bahamas. Então estou me aproximando. Ela pega o lenço pelo lado direito. E tentamos não tocar muito nos animais, não queremos habituá-los demais conosco. E estou tentando levá-la de volta ao teclado. Então o mergulhado ali vai ativar o som do lenço para pedir por ele. Então eu tento dar a ela o lenço. Opa. Quase o perdi. Mas este é o momento quando tudo se torna possível. O golfinho está no teclado. Temos sua atenção total. E às vezes isso levou horas. E eu quis compartilhar esse vídeo com vocês não para mostrar grandes descobertas, pois elas não aconteceram ainda, mas para mostrar a vocês o nível de intenção e foco que esses golfinhos têm, e seu interesse no sistema.

E por causa disso, decidimos que precisávamos de alguma tecnologia mais sofisticada. Então juntamos forças com a Georgia Tech, com o grupo de computação portátil de Thad Starner para nos construir um computador portátil aquático que chamamos de CHAT. [Cetacean Hearing and Telemetry: Telemetria e Audição de Cetáceos] Agora, ao invés de carregar um teclado dentro d'água, o mergulhador está vestindo o sistema completo, e é apenas acústico, então basicamente o mergulhador ativa o som num teclado em seu antebraço, o som é emitido por um fone aquático, se um golfinho imita o assobio ou um humano toca o assobio, o sons chegam e são localizados pelos dois hidrofones. O computador pode localizar quem pediu pelo brinquedo se houver correspondência de palavra. E o verdadeiro poder do sistema está nesse sistema de reconhecimento em tempo real, de forma que podemos responder aos golfinhos rapidamente e com precisão.

E estamos no estágio do protótipo, mas isso é como esperamos que funcione. O Mergulhador A e o Mergulhador B vestem um computador portátil e o golfinho escuta o assobio como um assobio, o mergulhador escuta o assobio como assobio na água, mas também como uma palavra pela condução óssea. Então o Mergulhador A toca o assobio do lenço ou o Mergulhador B toca o assobio do sargaço para pedir um brinquedo para quem tiver. O que esperamos que aconteça é que o golfinho imite o assobio, e se o Mergulhador A tiver o sargaço, se este for o som que foi tocado e pedido, então o mergulhador vai dar o sargaço para o golfinho que pediu e eles vão nadar alegremente para o pôr-do-sol brincando com o sargaço para sempre.

Agora, até que ponto essa comunicação pode ir? Bem, o CHAT é projetado especificamente para capacitar os golfinhos a pedir coisas de nós. É projetado para ser bimodal. Agora, eles vão aprender a imitar os assobios funcionalmente? Esperamos e pensamos que sim. Mas enquanto deciframos seus sons naturais, estamos planejando em colocá-los no sistema computadorizado. Por exemplo, agora mesmo podemos colocar seus próprios assobios de assinatura no computador e pedir para interagir com um golfinho específico. Da mesma forma, podemos criar nossos próprios assobios, nossos próprios assobios de nomes, e fazer os golfinhos chamar por mergulhadores específicos para interagir.

Agora, pode ser que toda nossa tecnologia portátil seja a mesma tecnologia que nos auxilie a nos comunicar com outras espécies no futuro. No caso de um golfinho, vocês sabem, é uma espécie que provavelmente está próxima de nossa inteligência de muitas formas, e pode ser que sejamos incapazes de admitir isso agora, mas eles vivem num ambiente diferente, e ainda precisamos ligar os pontos entre sistemas sensoriais.

Quero dizer, imaginem como seria entender realmente a mente de outras espécies inteligentes no planeta.

Obrigada.

(Aplausos)
[Via BBA]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

#existepesquisanobrasil A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Podemos falar a língua dos golfinhos?
Podemos falar a língua dos golfinhos?
http://4.bp.blogspot.com/-J08Qxs7w31E/Uc2qQxbfqNI/AAAAAAAAVMQ/9JzIjgpoq8M/s400/golfinho2.jpg
http://4.bp.blogspot.com/-J08Qxs7w31E/Uc2qQxbfqNI/AAAAAAAAVMQ/9JzIjgpoq8M/s72-c/golfinho2.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2013/06/podemos-falar-lingua-dos-golfinhos.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2013/06/podemos-falar-lingua-dos-golfinhos.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy