$hide=/p/valores.html

O que estamos aprendendo com a educação online

Com o Coursera, a Ph.D apaixonada em educação, Daphne Koller e o co-fundador Andrew Ng, Diretor do Laboratório de Inteligência Artificial de...

Com o Coursera, a Ph.D apaixonada em educação, Daphne Koller e o co-fundador Andrew Ng, Diretor do Laboratório de Inteligência Artificial de Stanford, estão trazendo cursos online gratuitos das universidades de elite para quem quiser cursá-los. Mas eles também estão aprendendo lições valiosas com a experiência.

coursera

Daphne Koller está atraindo as melhores universidades para disponibilizarem online seus cursos mais intrigantes gratuitamente, e não apenas como um serviço, mas como forma de pesquisar como as pessoas aprendem. Cada toque, teste de compreensão, fórum de discussão entre alunos e tarefas de autoavaliação, criam um conjunto inédito de dados sobre como o conhecimento é processado e, o mais importante, absorvido. Assista a palestra completa (legendada em português e transcrita abaixo):



Como muitos aqui, sou uma pessoa de sorte. Nasci em uma família onde educação era prioridade. Sou de uma 3ª geração de PhDs, filha de acadêmicos. Brincava no laboratório do meu pai na universidade, quando criança. Era esperado que eu estudasse em universidades de elite, o que me abriu portas de um mundo de oportunidades.


Infelizmente, a maioria não têm tanta sorte. Em alguns lugares, na África do Sul, por exemplo, a educação não é prontamente acessível. Lá, o sistema educacional foi construído para a minoria branca, na época do apartheid. E como consequência, hoje não há vagas suficientes para os que querem e merecem uma educação de qualidade. Essa escassez levou a uma crise em janeiro deste ano na Universidade de Joanesburgo. Haviam sobrado algumas vagas do processo de admissão regular, e na noite anterior à abertura dessas matrículas, milhares de pessoas ficaram ao portão em uma fila de 1,6 Km, na esperança de conseguir uma vaga. Quando os portões foram abertos, houve tumulto, 20 pessoas ficaram feridas e uma mulher morreu.

Era uma mãe que deu a vida tentando conseguir um futuro melhor para o filho.

Mas mesmo em lugares, como os Estados Unidos, onde educação é acessível, ela pode não ser atingível. Tem sido muito discutido nos últimos anos o aumento no custo do sistema de saúde. O que pode não ser tão óbvio às pessoas é que durante esse mesmo período, o custo da educação superior vem subindo quase o dobro, a um total de 559% desde 1985. Isso torna a educação inacessível a muitos.


Finalmente, mesmo àqueles que almejam ter um curso superior, as portas da oportunidade podem não se abrir. Pouco mais da metade dos universitários recém-formados nos EUA estão realizando trabalhos que requerem tal formação. Isso, claro, não é assim para estudantes que se formam nas instituições de elite, mas para muitos outros, não há reconhecimento por seu tempo e dedicação.


Tom Friedman, em seu recente artigo no New York Times, captou, como ninguém, o espírito por trás do nosso empenho. Ele disse:

As grandes descobertas ocorrem quando o subitamente possível encontra o desesperadamente necessário.
Thomas Friedman

Já falei sobre o desesperadamente necessário. Vamos falar agora sobre o subitamente possível.

O subitamente possível foi demonstrado por três grandes turmas de Stanford, cada uma com uns 100.000 alunos inscritos. Para entender isso, vamos dar uma olhada em uma dessas turmas, a de Aprendizagem de Máquinas ministrada por meu colega e co-fundador Andrew Ng. Andrew leciona em uma das maiores turmas de Stanford. É a disciplina Aprendizagem de Máquinas, e há 400 inscritos sempre que ela é oferecida. Quando Andrew lecionou essa matéria ao público em geral, houve 100.000 inscritos. Então para dar uma perspectiva desse montante, para Andrew atingir esse número de alunos dando aulas em Stanford, teria que fazer isso por 250 anos. É claro, ficaria muito entediado. (Risos)

Então, ao ver o impacto disso, Andrew e eu decidimos que precisávamos fazer uma progressão, levar o ensino de qualidade ao máximo de pessoas possível. Então criamos Coursera, cujo objetivo é pegar os melhores cursos, dos melhores instrutores e universidades, e fornecê-los gratuitamente a todos no mundo. Temos atualmente 43 cursos na plataforma, de quatro universidades através de uma série de disciplinas, e darei uma visão geral de como é.

(Vídeo) Robert Ghrist: Bem-vindos a Cálculo.

Ezekiel Emanuel: 50 milhões de pessoas não têm seguros.

Scott Page: Modelos nos auxiliam a projetar instituições e políticas mais efetivas. Existe uma segregação inacreditável.

Scott Klemmer: Então Bush imaginou que no futuro, usaríamos uma câmera bem no meio da cabeça.

Mitchell Duneier: Mills quer que o estudante de sociologia desenvolva a capacidade de discernir ...

RG: Um cabo suspenso toma forma de um cosseno hiperbólico.

Nick Parlante: Para cada pixel na imagem, ajuste o vermelho no zero.

Paul Offit: ... A vacina permitiu a erradicação do vírus da pólio.

Dan Jurafsky: A Lufthansa serve café da manhã em San Jose? Bem, isso é estranho.

Daphne Koller: Assim você escolhe a moeda, e esses são os 2 lances.

Andrew Ng: Em aprendizagem de máquinas de grande escala, gostaríamos de chegar ao computacional...

(Aplausos)

DK: Talvez não seja surpresa que alunos gostem de obter o melhor conteúdo das melhores universidades gratuitamente. Desde que inauguramos o site em fevereiro, tivemos 640.000 alunos de 190 países. Temos 1.5 milhão de inscrições, 6 milhões de testes nas 15 turmas já lançadas foram aplicados, e 14 milhões de visualizações de vídeos.

Mas não se trata apenas de números, e sim de pessoas. Quer seja Akash, de uma pequena cidade na Índia que jamais teria acesso a um curso da qualidade em Stanford e nunca teria condições de pagar. Ou Jenny, uma mãe solteira com 2 filhos que quer aprimorar suas habilidades para voltar e concluir um mestrado. Ou Ryan, que não pode frequentar uma faculdade, porque sua filha imunodeficiente não pode arriscar-se a ter germes em casa, e por isso ele não sai. Fico muito contente em dizer -- recentemente, tivemos contato com Ryan -- que sua história teve um final feliz. Baby Shannon -- podem vê-la à esquerda -- está bem melhor agora, e Ryan conseguiu emprego por ter feito os cursos.

Então o que há de diferente nesses cursos? Até porque, cursos online existem a algum tempo. A diferença é que são experiências de um curso real. Começam em dia determinado, os alunos assistem aos vídeos semanalmente e fazem deveres de casa. São deveres de casa reais com avaliações e prazos reais. Podem ver os prazos e gráficos de uso. Esses são os picos mostrando que procrastinação é um fenômeno mundial.

(Risos)


Ao final do curso, os alunos recebem um certificado. Podem apresentar esse certificado a um provável empregador e obter um emprego melhor e sabemos de muitos alunos que o conseguiram. Alguns alunos pegaram seus certificados e os apresentaram a instituição educacional em que estudavam para obtenção de crédito. Assim eles conseguiram algo significativo por seu investimento de tempo e dedicação.

Vamos falar um pouco sobre alguns componentes desses cursos. O primeiro é que quando você se afasta das limitações do espaço físico da sala de aula e projeta o conteúdo explicitamente para um formato online, você pode fugir, por exemplo, do monolítico discurso de uma hora. Pode dividir o material, por exemplo, em curtas unidades modulares de 8 a 12 minutos, cada qual representando um conceito coerente. Alunos podem examinar o material de diferentes modos, dependendo de sua formação, habilidades ou interesses. Alguns alunos podem beneficiar-se de um pouco do material preparatório que outros alunos já tiveram. Outros alunos podem ter interesse em estudar mais profundamente um tópico em particular. Assim esse formato nos permite romper com o modelo único de educação para todos, e permite aos alunos um currículo mais personalizado.


Claro, sabemos, como educadores, que alunos não aprendem assistindo a vídeos passivamente. Talvez um dos maiores componentes desse empenho seja a necessidade de ter alunos que pratiquem o conteúdo para compreendê-lo bem. Há uma série de estudos demonstrando a importância disso.

Esse [estudo] que apareceu em Ciências, ano passado, demonstra que mesmo uma simples prática de revisão, quando alunos apenas repetem o que já foi ensinado, dá resultados mais satisfatórios em vários testes de desempenho do que muitas outras intervenções educacionais.

Tentamos criar exercícios de revisão na plataforma, assim como outras formas de prática de modos variados. Por exemplo, nossos vídeos não são apenas vídeos. A cada poucos minutos, o vídeo pausa e os alunos recebem uma pergunta.

(Vídeo) SP: ... Essas quatro coisas. Teoria do prospecto, redução hiperbólica, tendência do status quo e taxa básica. Estão todas bem documentadas. Então, todos são bem documentados desvios do comportamento racional.

DK: Aqui pausa-se o vídeo, e o aluno digita a resposta no espaço e a envia. Claro que não estão prestando atenção.

(Risos)

Então tentam novamente, e dessa vez acertam. Há uma explicação opcional, caso queiram. E agora o vídeo avança à parte seguinte da aula.

Essa é uma pergunta meio simples que eu como instrutora talvez faça em aula, mas quando pergunto em aula, 80 por cento dos alunos ainda estão anotando o que acabei de dizer, 15 por cento está no Facebook, e também há os sabichões da primeira fila que se apressam a responder antes que os outros tenham chance de pensar a respeito, e como instrutora fico muito grata por alguém saber a resposta.

E assim a aula segue antes que a maioria dos alunos percebam que a pergunta foi respondida. Aqui, cada aluno tem que se envolver com o assunto.

E claro essas simples questões de revisão não são o fim da história. É preciso criar exercícios bem mais significativos, e também prover aos alunos feeedback sobre as questões. Bem, como avaliar o trabalho de 100.000 alunos se não temos 10.000 tutores? A resposta é, precisamos usar tecnologia a nosso favor. Felizmente, a tecnologia avançou muito, e podemos avaliar muitos tipos interessantes de dever de casa. Além de múltipla escolha e os tipos de perguntas curtas que viram no vídeo, podemos dar notas tanto em matemática como em expressões e derivações matemáticas. Podemos avaliar modelos, tanto os financeiros em uma aula de negócios como os de física em uma aula de Ciências ou Engenharia e podemos avaliar trabalhos de programação bem sofisticados.

Mostrarei um modelo até bem simples mas um tanto visual. Este é da turma 101 de Ciências da Computação de Stanford, e os alunos devem corrigir as cores dessa imagem borrada de vermelho. Eles estão digitando o programa no navegador, e ainda não acertaram, a Dama da Liberdade ainda está enjoada. Então, tentam novamente, acertam, isso é dito, e assim podem ir para o próximo trabalho. Essa possibilidade de interagir ativamente com o conteúdo e saber quando acertou ou errou é essencial ao aprendizado do aluno.

Claro que não podemos ainda avaliar todas as tarefas necessárias a todos os cursos. Especificamente, falta o tipo de trabalho crítico que é tão essencial em disciplinas de Humanas, Ciências Sociais, Negócios e outras.

Tentamos convencer, algumas faculdades de Humanas de que múltipla escolha não era tão ruim. O que não deu muito certo.

Então tivemos que encontrar outra solução. E chegamos a 'avaliação entre alunos'. Estudos anteriores mostram, como este de Saddler e Good, que esse tipo de avaliação é bem eficaz como meta à atingir avaliações justas.

Só tentamos em turmas pequenas, mas ficou demonstrado, que essas notas dadas por alunos no eixo y estão bem correlacionadas às avaliações feitas por professores no eixo x.

O mais surpreendente é que as autoavaliações, quando alunos avaliam seus próprios trabalhos -- desde que incentivados da forma correta, para que não se autoavaliem com nota máxima -- estão ainda melhor correlacionadas às avaliações dos professores.


Então essa é uma estratégia eficaz que pode ser usada nas avaliações em larga escala, e também é uma estratégia de aprendizagem útil aos alunos, porque eles realmente aprendem com a experiência. Assim temos o maior canal de avaliação entre alunos já concebido, onde dezenas de milhares de alunos avaliam uns aos outros, com bastante sucesso.

Mas não se trata apenas de alunos sozinhos em casa solucionando questões. Em volta de cada curso, há uma comunidade de alunos formada, uma comunidade global em torno de um empenho intelectual compartilhado. Vemos aqui um mapa feito por estudantes da turma 101 de Sociologia em Princeton, que se colocaram em um mapa-mundi, e podemos ver o alcance global desse empenho.


Estudantes colaboraram nesses cursos de várias formas. Primeiro, houve um fórum de perguntas e respostas, em que uns alunos postavam perguntas, e outros as respondiam. E o mais incrível é que, por haver tantos alunos, isso significa que se um aluno postar uma pergunta as 3:00 da manhã, em algum lugar do mundo, haveria alguém acordado e trabalhando na mesma questão. Então, em muitos cursos, a média de tempo de resposta a uma pergunta no fórum era de 22 minutos. O que não é o nível de serviço que ofereço a meus alunos em Stanford.

(Risos)

E podemos ver pelos testemunhos dos alunos que eles realmente pensam isso por causa dessa imensa comunidade online, eles interagem entre si de várias maneiras mais profundas do que no contexto do espaço físico da sala de aula. Os Alunos também se reunem, sem nossa intervenção, em pequenos grupos de estudo. Alguns eram grupos de estudos físicos sobre restrições geográficas e encontravam-se semanalmente para resolver questões. Este é o grupo de estudo de San Francisco, e havia outros em todo o mundo. Outros eram grupos virtuais de estudo, às vezes junto a linhas culturais ou de linguagem, e embaixo à esquerda, vemos nosso grupo de estudo multicultural universal onde pessoas queriam se conectar com gente de outras culturas.

Há tremendas oportunidades a se extrair dessa estrutura. A primeira é o potencial de nos dar um olhar completamente novo sobre a compreensão do aprendizado humano. Porque os dados coletados aqui são inéditos.

Podemos colecionar cada clique, envio de dever de casa, comentário no fórum de dezenas de milhares de alunos.

Assim podemos tornar o estudo da aprendizagem humana, do modelo dirigido de hipóteses ao dirigido por dados, uma transformação que tem revolucionado a biologia. Podemos usar esses dados para entender questões fundamentais como, quais são as boas estratégias de aprendizagem eficazes e as que não são? E em relação a cursos específicos, podemos fazer perguntas como, quais são os conceitos equivocados mais comuns e como podemos ajudar os alunos a resolvê-los?


Então aqui está um exemplo, também da turma de Andrew sobre Aprendizagem de Máquinas. Essa é uma distribuição de respostas erradas a um dos trabalhos pedidos por Andrew. As respostas são pares de números, então podemos desenhá-los nesse gráfico bidimensional. Cada cruzinha é uma resposta errada diferente. A cruz grande no alto à esquerda marca o lugar em que 2.000 alunos deram a mesma resposta errada. Agora, se 2 alunos de uma turma de 100 derem a mesma resposta errada, vocês não notariam. Mas quando 2.000 dão a mesma resposta errada, difícil não notarmos. Então Andrew e seus alunos foram lá, olharam alguns dos trabalhos, entenderam a raiz do equívoco, e produziram uma mensagem de erro direcionada que seria disponibilizada a cada aluno cuja resposta incidisse naquele erro, significando que os que cometeram o mesmo erro poderiam ter feedback personalizado dizendo como corrigir o equívoco mais efetivamente.

Então essa personalização é algo que alguém pode construir tendo esses números. Personalização é talvez uma das grandes oportunidades aqui também, porque ela nos provê com o potencial de resolver um problema de 30 anos. O pesquisador educacional Benjamin Bloom, em 1984, expôs o chamado problema 2 sigma, das observações de estudo de 3 grupos. O primeiro é o que estudou numa turma de aulas expositivas. O segundo é o de alunos que estudaram numa sala de aula padrão, de aulas expositivas, mas com abordagem de domínio de conteúdo, assim os alunos só avançavam ao tópico seguinte quando demonstravam ter dominado o anterior. E finalmente, havia o grupo de alunos que aprendeu através de instrução um a um, com tutor. No grupo da abordagem de domínio de conteúdo, houve um desvio padrão total, ou sigma, e ele atinge melhor desempenho do que o grupo de aulas expositivas regulares, e o de tutorial individual atinge 2 sigma em melhor aproveitamento.


Para entender o significado disso, vamos dar uma olhada na turma de aulas expositivas, e vamos escolher o desempenho médio como limiar. Assim numa turma de aulas expositivas, metade dos alunos estão acima desse nível e metade abaixo. No método de instrução individual tutorial, 98 por cento dos alunos estão acima desse limiar. Imaginem se pudéssemos ensinar de modo que 98% de nossos alunos ficassem acima da média. Por isso, os problemas 2 sigma.

Porque não podemos, como sociedade, prover cada aluno com um tutor humano individual. Mas talvez possamos dispor a cada aluno um computador ou smartphone. Então como podemos usar tecnologia para mover o lado esquerdo do gráfico, da curva azul para o lado direito na curva verde? É fácil alcançar excelência através de um computador, porque ele não se cansa de mostrar-nos o mesmo vídeo cinco vezes. E ele não se cansa de avaliar um trabalho muitas vezes, vimos isso em vários exemplos. E mesmo personalização é algo que está apenas começando, seja via trajetória personalizada através do curriculum ou algum feedback personalizado que mostrei. Portanto, a meta aqui é tentar empurrar, e ver até onde podemos chegar na curva verde.

Então, se isso é tão incrível, as universidades agora estão obsoletas? Bem, Mark Twain não pensava assim. Ele disse que:

A Faculdade é um lugar onde as anotações de aula do professor vão direto para as anotações de aula dos alunos, sem passar pelos cérebros de ambos.
Mark Twain

(Risos)

No entanto, peço que discordem de Mark Twain. Penso que ele não fazia críticas às universidades e sim ao formato de aula a que muitas universidades se dedicam tanto. Então voltemos ainda mais fundo no tempo, a Plutarco, que disse:

A mente não deve ser enchida como a um vaso, e sim acesa como lenha ao fogo.
Plutarco

E talvez devêssemos gastar menos tempo nas universidades enchendo as mentes dos nossos alunos com discursos, e sim usar mais tempo estimulando criatividade, imaginação e habilidades de resolução de problemas, conversando, de fato, com eles.

Então como fazemos isso? Através de aprendizagem ativa em classe. Assim há muitos estudos, inclusive este, mostrando que se usamos aprendizagem ativa, interagindo com os alunos em classe, a performance avança em cada métrica -- na frequência, engajamento e no aprendizado como mensurado por um teste padrão. Podem ver que a taxa de desempenho quase dobra nesse experimento em particular. Então, talvez, seja assim que deveríamos gastar nosso tempo nas universidades.


Resumindo, se pudéssemos oferecer uma educação de alta qualidade a todos no mundo gratuitamente, o que ela faria? Três coisas: Primeiro, ela estabeleceria a educação como direito humano fundamental, em que qualquer um no mundo com capacidade e motivação poderia conseguir as habilidades necessárias para melhorar sua própria vida, de sua família e comunidade.

Segundo, ela possibitaria o aprendizado contínuo. É uma pena que para tanta gente, a aprendizado termina quando eles acabam o ensino médio ou a graduação. Mas tendo esse incrível conteúdo disponível, poderíamos aprender algo novo sempre que quiséssemos, para expandir nossas mentes ou mudar nossas vidas.

E finalmente, isso permitiria uma onda de inovação, porque talentos marvilhosos podem ser encontrados em qualquer lugar. Talvez o próximo Albert Einstein ou Steve Jobs esteja morando numa distante vila na África. E se pudéssemos oferecer a ele uma educação, ele poderia ter a próxima grande ideia e fazer do mundo um lugar melhor para todos.

Muito obrigada.

(Aplausos)

[Via BBA]

Comentários

BLOGGER: 3
Loading...

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

#existepesquisanobrasil A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: O que estamos aprendendo com a educação online
O que estamos aprendendo com a educação online
http://2.bp.blogspot.com/-CFZ6nDKeHo0/UIjSKrIvSUI/AAAAAAAAN-o/PgaUXF_Xv9o/s320/coursera.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-CFZ6nDKeHo0/UIjSKrIvSUI/AAAAAAAAN-o/PgaUXF_Xv9o/s72-c/coursera.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2012/10/o-que-estamos-aprendemos-com-educacao.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2012/10/o-que-estamos-aprendemos-com-educacao.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy