O blog do acadêmico descolado

A divulgar Abelha acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adestramento Administração adulto Adágios Aerodinâmica Aeronáutica Agropecuária Agência Brasil AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia Anatomia Android Animais de Estimação Animal Animação Antropologia Análise Combinatória Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astronomia Ativismo Audio FX Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Celebridades celular Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Cinema Ciência Clip Cliparts Cloud computing Coaching competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Comédia Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja Cosmologia cosmética Criança Crime Crime Digital crise crise econômica Cronologia crônica crônicas CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Câmera lenta câncer Células-Tronco Cérebro Dança DAO Darwin Davos Decoração Demografia demência Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eletricidade eletrônica empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Epidemiologia Equador Escritório Escândalo Espanha Espanhol Espaço Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estatísticas Estação estrutura de dados Estágio EUA Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência Facebook Farmacologia Favo Feminismo Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Firefox Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonoaudiologia Fonética Fotografia Fotos em 360 graus Francês França frases Fraude Freeware Futebol Futurologia fábulas Férias Física Física Quântica gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Geriatria Gestão de Configuração Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusionismo ilusão Imagem 3D Imagens Imagine Cup Imprensa Impressora 3D Império Romano Inclusão digital Incêndio Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inteligência Artificial interativo intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Inundação Inventos Invenção iPad IPEA iphone Iraque Irã Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Logística Loterias Lua Lógica Malvinas Malware Malásia Mapa Mapas Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Maçonaria Mecatrônica Mecânica Mecânica dos Fluidos Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma memorização Memória Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica Microbiologia Microsoft Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu MVC Mário Sérgio Conti México Mídia Social Música Nanotecnologia Nasa Natal Natação Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Nutrição Números Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Otorrinolaringologia Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Paraguai parkinson Pará Passeio virtual Patinação Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Política Portugal português Poítica prazo médio primatologia privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeto Truco Promoção Propaganda Pré-sal Prêmio Nobel Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria publicidade Publieditorial Pós-graduação Pública Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referendo Referência Reforma Política Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina Savant Saúde Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Suécia São Paulo Tabagismo Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Tecnologia Tecnologia da Informação TED TedMed TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução transporte tributo Trigonometria Trânsito Tubarão Turismo Tutorial Twitter Técnicas de Estudo UFG ufologia UFRJ universidade Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Violência Visão Computacional Vulcanologia Vídeo Vídeos Vídeos 360 Vírus Vôlei Watergate Política Web 2.0 Web Application Web Seminar Web Semântica webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zoologia África Áudio Áustria Ética Índia Índios Óptica Ótica


Esta entrevista é um serviço de utilidade pública. Saiba tudo sobre a gripe suína e sua evolução no Brasil até o momento. Agora não se contam mais números de casos, já estamos na fase do body count. Mas nada de alarme, o vírus não é tão feio como aparenta.
Mortes pela gripe suína por estado até 28 de julho de 2009
Mortes pela gripe suína por estado até 28 de julho de 2009. Fonte: Estadão (Citando o Ministério da Saúde)

É só uma mistura de ave com porco e gente. :-P Uma verdadeira quimera.
O vírus H1N1 tem pedaços do DNA de ave, de porco e humano

José entrevistando José


A epidemia era preocupante. Ninguém sabia do que se tratava e como se tratava. Aí houve o acidente com o avião da Air France, Michael Jackson morreu (e não foi de gripe. Embora o maior número de casos fatais da Influenza A é dos EUA) e a gente se assustou quando a gripe voltou ao foco das atenções. Ela não está mais contida. A praga se espalhou. Cadê meu Tamiflu? Calma, também não é para tanto.
Um rezador é bom. Higiene é ainda melhor.

A falta de informação qualificada pode gerar pânico e até aumentar as mortes em uma situação de epidemia. A sensação de que "estão escondendo algo" leva a uma situação que o perigo pode ser qualquer coisa. O que leva ao terror e a ondas e mais ondas de boataria e informações desencontradas. Pois foi isso que aconteceu nos anos 1970, no governo Médici, em plena ditadura militar. Como podemos ver nesse trecho selecionado da entrevista do médico epidemiologista José Cássio de Moraes ao blog Vi o Mundo:

Viomundo – Em que ano as autoridades foram informadas de que havia epidemia de meningite no País?
José Cássio de Moraes – Em 1971 mesmo. Nós fizemos vários levantamentos e demonstramos cientificamente. As autoridades de saúde negaram a sua existência.

Viomundo – Por quê?
José Cássio de Moraes – O Brasil vivia a época do “milagre econômico”, e as autoridades consideravam a epidemia um fracasso. Logo, empanava o brilho do “milagre econômico”. Por isso, optaram por negá-la.

Viomundo – Essa informação era divulgada à população?
José Cássio de Moraes – Para nós, médicos de instituições públicas, já existia a lei da mordaça. Embora tecnicamente tivéssemos razão, não podíamos contradizer as autoridades. A palavra oficial era delas. Então, o que fazíamos? Dávamos entrevistas em off [o jornalista não cita a fonte] para jornalistas em quem confiávamos. Um deles era o Demócrito Moura, do Jornal da Tarde, já falecido, que fazia matérias de saúde. Assim, saíram algumas reportagens, mostrando que a versão oficial não era a única. Mas, claro, eram sempre e imediatamente negadas pelas autoridades.

Viomundo – E nos anos seguintes?
José Cássio de Moraes – Nós continuávamos a dizer que havia epidemia, as autoridades negando. É como se determinassem a inexistência da epidemia por decreto.

Viomundo – Enquanto isso o meningococo ...
José Cássio de Moraes -- Aí o x da questão. O meningococo é analfabeto – não sabe ler, muito menos decreto. O meningococo também não precisa de apresentação para conhecer outras pessoas nem de passaporte para viajar. Resultado: foi se espalhando. Na cidade de São Paulo, por exemplo, saiu das áreas pobres e invadiu as regiões mais ricas. Assim, a epidemia, inicialmente, restrita à cidade de São Paulo, avançou para outras regiões do Estado. Daí para o restante do Brasil. Aqui, ocorreram as taxas mais altas. Mas a doença se espalhou pelo Brasil inteiro.

Viomundo – Apesar do alastramento, as autoridades continuavam a negar?
José Cássio de Moraes – A palavra epidemia não chegava à população. Ela não existia no vocabulário das autoridades. Eles tratavam-na como ondas epidêmicas. Porém, ao atingir a população mais abastada financeiramente, a pressão cresceu. As reportagens – sempre em off – intensificaram-se à medida que a doença ia se aproximando da classe média e da elite. Ou seja, enquanto era doença de pobre, não tinha quase importância. Só ganhou mais espaço na mídia quando atingiu a população com maior poder de pressão.

Viomundo – A negação perdurou até quando?
José Cássio de Moraes – Junho de 1974. O Hospital Emílio Ribas – o único que tratava de meningite na cidade -- tinha 300 leitos, mas estava com 1.200 pacientes internados. Havia gente em corredores, em cima de pias, para tudo o que era canto. Aí, não foi possível mais se esconder. As autoridades, então, foram obrigadas a admitir publicamente que havia epidemia de meningite. Porém, como ela não existia oficialmente até aquele momento, faltava tudo: medicamentos, roupas de cama, funcionários em quantidade suficiente.

Viomundo – A população como reagiu?
José Cássio de Moraes – Entrou em pânico. Quando passava em frente ao Hospital Emílio Ribas, fechava o vidro do carro, do ônibus. Usava todo tipo de medicamento que se dizia que protegia contra a meningite. Por exemplo, a cânfora. Acabava sendo vítima até de charlatães. As pessoas não entendiam como as autoridades governamentais passaram anos dizendo que não havia epidemia e, de repente, ela acontecia com tamanha intensidade. As pessoas viviam dizendo “eu não acredito em mais nada”.
Trecho retirado do blog Vi o Mundo de Luiz Carlos Azenha


Parece que dessa vez as autoridades resolveram, ao invés de esconder as informações, informar massivamente. É no twitter, no Orkut, no Jô etc. E se o negócio é espalhar a informação para combater a epidemia. O Brasil Acadêmico também está nessa, assista ao vídeo e depois vá lavar a mão:

Apertando o Temporão


Nessa parte da entrevista o ministro responde perguntas da platéia.
Beijo na boca tá liberado.
José Gomes Temporão. Ministro da Saúde


A letalidade é muito parecida com a da gripe comum.
José Gomes Temporão. Ministro da Saúde

Mortes confirmadas pelo vírus H1N1 por estado em 29 de julho de 2009
A Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul confirmou nesta quarta-feira, 29, mais duas mortes causadas pela gripe suína. As vítimas são uma mulher, de 28 anos, portadora de Síndrome de Down, e um homem de 42 anos, auxiliar de escritório, que não apresentavam nenhuma outra doença que comprometesse o sistema imunológico. Ambos eram moradores de Passo Fundo e os óbitos ocorreram no dia 22 deste mês, no Hospital São Vicente de Paulo. Com esses casos, sobe para 60 o número de vítimas fatais no Brasil.
Brasil chega a 60 mortes confirmadas por gripe suína - Estadão

Maiores informações:
www.saude.gov.br
(0800-611997)

Postar um comentário

Deixe suas impressões digitais aqui...

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.