O blog do acadêmico descolado

A divulgar Abelha acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adestramento Administração adulto Adágios Aerodinâmica Aeronáutica Agropecuária Agência Brasil AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia Anatomia Android Animais de Estimação Animal Animação Antropologia Análise Combinatória Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astronomia Ativismo Audio FX Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Celebridades celular Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Cinema Ciência Clip Cliparts Cloud computing Coaching competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Comédia Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja Cosmologia cosmética Criança Crime Crime Digital crise crise econômica Cronologia crônica crônicas CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Câmera lenta câncer Células-Tronco Cérebro Dança DAO Darwin Davos Decoração Demografia demência Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eletricidade eletrônica empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Epidemiologia Equador Escritório Escândalo Espanha Espanhol Espaço Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estatísticas Estação estrutura de dados Estágio EUA Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência Facebook Farmacologia Favo Feminismo Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Firefox Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonoaudiologia Fonética Fotografia Fotos em 360 graus Francês França frases Fraude Freeware Futebol Futurologia fábulas Férias Física Física Quântica gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Geriatria Gestão de Configuração Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusionismo ilusão Imagem 3D Imagens Imagine Cup Imprensa Impressora 3D Império Romano Inclusão digital Incêndio Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inteligência Artificial interativo intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Inundação Inventos Invenção iPad IPEA iphone Iraque Irã Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Logística Loterias Lua Lógica Malvinas Malware Malásia Mapa Mapas Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Maçonaria Mecatrônica Mecânica Mecânica dos Fluidos Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma memorização Memória Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica Microbiologia Microsoft Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu MVC Mário Sérgio Conti México Mídia Social Música Nanotecnologia Nasa Natal Natação Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Nutrição Números Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Otorrinolaringologia Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Paraguai parkinson Pará Passeio virtual Patinação Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Política Portugal português Poítica prazo médio primatologia privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeto Truco Promoção Propaganda Pré-sal Prêmio Nobel Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria publicidade Publieditorial Pós-graduação Pública Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referendo Referência Reforma Política Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina Savant Saúde Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Suécia São Paulo Tabagismo Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Tecnologia Tecnologia da Informação TED TedMed TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução transporte tributo Trigonometria Trânsito Tubarão Turismo Tutorial Twitter Técnicas de Estudo UFG ufologia UFRJ universidade Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Violência Visão Computacional Vulcanologia Vídeo Vídeos Vídeos 360 Vírus Vôlei Watergate Política Web 2.0 Web Application Web Seminar Web Semântica webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zoologia África Áudio Áustria Ética Índia Índios Óptica Ótica


Já tratamos do tema aqui no post Quer vencer? Use Vermelho. Contudo, outros indícios e explicações parecem dar mais corpo para a afirmação de uma cor sobre a outra.
O vermelho deixa as mulheres mais desejáveis
Russell Hill e Robert Barton, do Grupo de Pesquisas sobre Antropologia Evolutiva da Universidade de Durham já haviam levantado esta hipótese ao confrontar resultado de esportes de combate nas olimpíadas, onde um atleta usava azul e o outro vermelho de modo aleatório. Os lutadores de vermelho ganharam 60% das lutas.
Mas o que outros estudos revelam é que além de abichornar os adversários o vermelho também auxiliaria na concentração.
Pesquisadores canadenses submeteram 600 voluntários a testes de laboratório (envolvendo palavras, objetos ou imagens) a fim de determinar se a cor afetaria o desempenho cognitivo. O termos ou objetos eram colocados na tela de um computador ou sobre uma com o fundo ora vermelho, ora azul.
O resultado? Quando o vermelho foi predominante, os voluntários foram bem nos testes de memorização e quando foi exigido atenção aos detalhes (lembraram mais facilmente palavras na tela do computador e detectaram melhor erros de ortografia e pontuação).
Porém, quando o teste exigia criatividade e imaginação, aí foi a vez do azul se destacar. Os voluntários criaram brinquedos partindo de formas geométricas e inventaram novos usos para objetos como um tijolo.
"Talvez exista algumpapel desempanhado pela evolução e pela genética, mas isso não ficou evidenciado. O que nosso levantamento indica é que somos guiados por uma associação cultural." Afirma Juliet Zhu, professora de marketing e líder do estudo.
Ou seja, os testes diagnosticaram o fato, mas não foi possível determinar as causas.
Culturalmente, o vermelho estaria associado ao perigo. Como nos carros de bombeiro e as placas de "pare", por exemplo. Isso tornaria as pessoas mais vigilantes e cuidadosas na sua presença. O azul daria a idéia de liberdade, espaços abertos e à segurança. O que encorajaria as pessoas a serem mais exploradoras e aumentaria a criatividade. "Acredito tanto nisso que, quando me vejo obrigada a ter idéias criativas e originais para minhas pesquisas, mudo o fundo de tela do meu computador para azul."
Ela recomenda que as empresas tenham salas separadas que em uma predomine o vermelho, um santuário para concentração, e na outra o azul, um ambiente gerador de idéias criativas, tamanho é o resultado que medidas como estas podem apresentar, segundo Juliet.
Desta forma, mudanças na decoração desta salas poderia adequá-las para serviços de concentração máxima (como uma sala de revisores de publicações), no caso da sala rubra, ou para brainstorming para publicitários, por exemplo, no caso do aposento azul.
Estudos feitos pelo chefe do departamento de Antropologia da Universidade de Durham, Inglaterra, Robert Barton e seu parceiro Russell Hill já haviam detectado que vestir um costume vermelho pode ajudar nos combates corpo a corpo (vide Quer vencer? Use Vermelho), porém, Barton afirma, isso funcionaria até quando o combate não é físico: "estudos posteriores ao nosso mostraram que o vermelho ajuda até enxadristas, pois estimula o comportamento esquivo e diminui a performance cognitiva do adversário".
E nos esportes coletivos? Pois os pesquisadores de Durham fizeram essa mesma pergunta e analisaram os resultados da Euro-04, um torneio entre seleções da Europa.
Nele seis equipe usaram uniformes vermelhos e de outra cor alternadamente (Inglaterra, Dinamarca, Rússia, Letônia, Suíça e República Tcheca).
Os pesquisadores notaram que as seleções ganharam mais quando usaram camisa vermelha.
O caso mais emblemático foi o da Rússia, que disputara três partidas. Em duas usou camisa branca e azul, respectivamente, foi derrotada pela Espanha e Portugal. Já com o uniforme vermelho derrotou a seleção que foi campeã daquele torneio, a Grécia.
"Nós constatamos que uniformes vermelhos aumentam a chance de sucesso a longo prazo na Liga Inglesa de futebol, por exemplo", destacam os pesquisadores.
Em agosto do ano passado, porém, um estudo da Universidade de Münster, Alemanha, conduzido por Norbert Haggemann e equipe, foi publicado com uma conclusão alarmante:
a cor usada por um competidor pode afeta as decisões dos árbitros. E para comprovar a teoria os pesquisadores submeteram 42 profissionais do apito a uma experiência. Colocados em uma sala onde eram mostrados vídeos de lutas de tae kwon do. Neles os lutadores usavam cada um uma cor: vermelho e azul.
Cada árbitro assistia separadamente aos vídeos e dando pontos para os lutadores. Depois os vídeos eram reexibidos em ordem inversa com as cores dos uniformes trocadas digitalmente, isto é, quem usava vermelho passou a usar azul.
Resultado: os árbitros deram 13% a mais de pontuação para os atletas que usavam vermelho.

Contraponto: a camisa vermelha não ajudou o internacional em um dos piores erros de arbitragem do futebol brasileiro. O árbitro, que depois reconheceu o erro, além de não dar o penalty na voadora que o goleiro Fábio Subzero Costa do Corinthians deu em Tinga. Acabou por expulsar o jogador colorado, invertendo a falta e mudando a história do jogo e do campeonato.

"Basicamente, nós argumentamos que os árbitros são os principais responsáveis pela supremacia dos atletas de vermelho", relata Hagemann.

Cor do Pecado
Outro estudo, feito pela Universidade de Rochester, EUA, chefiada pelo psicólogoAndrew Elliot, parece confirmar o que muitos intuitivamente já descofiavam.
O vermelho deixa as mulheres mais atraentes.
No estudo foram exibidas fotos de moças cujo o fundo ou as roupas foram colorizadas em várias matizes.
Enquanto exibia a imagem o pesquisador indagava: "quão bonita você acha essa pessoa?" ou "Quanto você gastaria em uma noite com ela?". Resultado: comparado com as moças de preto, azul, verde amarelo ou cinza, as moças de vermelho, ou contra um fundo vermelho, ficam mais sexualmente desejáveis e teriam um maior desembolso em um encontro romântico.

Lady in red, o eterno hino às damas de vermelho. Os artista já captavam o que a ciência agora comprova.

A questão que fica é se essas reações cromáticas são advindas de nossa evolução ou são aprendidas como uma herança cultural.
Cada pesquisador tem sua teoria e não se tem ainda uma prova definitiva que explique todos os efeitos constatados nas pesquisas.
Mas o resultado das pesquisas acabaram alterando a vida doméstica do pesquisador Elliot: "não, não mudei o jeito com que abordo as mulheres nem a cor dos aventais. Apenas bani o vermelho do guarda-roupa de minha filha de 16 anos", afirma o cromático pai e psicólogo.
Para as moças, se estiverem a fim de cantadas mais qualificadas prefira o azul ao invés do vermelho. Agora, se quantidade é o que importa, força no batom rouge.



Vitórias no festival de ParintinsBoi Garantido (26)Boi Caprichoso (16)
Vitórias em clássicos grenaisInternacional (140)Grêmio (118)



Fonte: Vá de vermelho - Revista Galileu Núm. 213 abril 2009.

Postar um comentário

Deixe suas impressões digitais aqui...

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.