$hide=/p/valores.html

A procura por dinossauros me mostrou o nosso lugar no universo

Indicar:

Junte-se a ele numa celebração da História Geológica da Terra e contemple o nosso lugar no tempo.

O que acontece quando descobrimos um dinossauro? O paleontólogo Kenneth Lacovara descreve como descobriu o Dreadnoughtus — um saurópode com 77 milhões de anos que era tão alto como um prédio de dois pisos e tão pesado como um jato Jumbo — e considera como é espantosamente improvável que um pequeno mamífero que vivia nas fendas do mundo dos dinossauros tivesse podido evoluir para um ser sensível capaz de compreender essas criaturas magníficas.

Como encontrar um dinossauro? Parece impossível, não parece? Não é. A resposta reside numa fórmula que todos os paleontólogos usam. E vou-vos dizer qual é o segredo.



Primeiro, encontrem rochas com a idade certa. Segundo, essas rochas devem ser rochas sedimentares. E terceiro, as camadas dessas rochas devem estar expostas naturalmente. É só isso. Encontrem estas três coisas e vão para o terreno, têm boas hipóteses de encontrar fósseis.

Agora vou explicar esta fórmula. Os organismos só existem em certos intervalos geológicos. Portanto, têm de encontrar rochas que tenham a idade certa, consoante os vossos interesses.

Se quiserem encontrar trilobites, têm de encontrar rochas muito antigas, do Paleozoico, rochas que tenham entre 500 milhões a 250 milhões de anos.

Mas, se quiserem encontrar dinossauros, não procurem no Paleozoico, não os vão achar aí. Ainda não tinham evoluído. Têm de encontrar rochas mais jovens do Mesozoico. No caso dos dinossauros, entre 235 e 66 milhões de anos.

Hoje em dia, é relativamente fácil encontrar rochas com a idade certa, pois a Terra, embora de modo grosseiro, está cartografada geologicamente. Esta é uma informação que foi difícil de obter. Os anais da história da Terra estão escritos nas rochas, capítulo atrás de capítulo. As páginas mais antigas estão por baixo e as mais novas estão por cima.

Se fosse tudo assim tão fácil, os geólogos ficariam felizes. Mas não é.
A biblioteca da Terra é muito antiga, não tem um bibliotecário para a arrumar. 
Ao longo de um enorme período de tempo, os múltiplos processos geológicos vão agredindo com frequência as rochas antigas. Há muitas páginas destruídas, logo após serem escritas. Há páginas com escritas sobrepostas, o que cria palimpsestos difíceis de decifrar de paisagens há muito desaparecidas. As páginas que encontram abrigo sob as areias do Tempo, nunca estão em segurança. Ao contrário da lua — a nossa companheira rochosa morta — a Terra está viva, palpitante de forças criadoras e destruidoras que alimentam o seu metabolismo geológico. As rochas lunares que os astronautas do Apollo trouxeram remontam todas à era do sistema solar. As rochas da lua são eternas. As rochas da Terra, por outro lado, enfrentam os perigos duma litosfera viva. Todas caminham para a ruína, através da combinação da mutilação, da compressão, do empilhamento, da destruição, da abrasão e da calcinação.

Por isso, os volumes da história da Terra estão incompletos e desordenados. A biblioteca é vasta e magnífica — mas está decrépita. Foi esta complexidade fragmentada do registo das rochas que obscureceu o seu sentido até há pouco tempo, relativamente. A Natureza não forneceu um catálogo aos geólogos — teve que ser inventado. Cinco mil anos depois de os sumérios terem aprendido a registar os seus pensamentos em tabuinhas de argila, os volumes da Terra mantiveram-se impenetráveis para os homens. Éramos geologicamente analfabetos, inconscientes da antiguidade do nosso planeta e ignorantes da nossa relação com o Tempo Profundo.

Foi só na viragem para o século XIX que caíram as nossas vendas, primeiro, com a publicação de "Theory of the Earth" de James Hutton, em que ele nos diz que a Terra não revela vestígios de um começo nem perspetiva de um fim. Depois, com a impressão do mapa da Grã-Bretanha, de William Smith, o primeiro mapa geológico, à escala de um país, que nos deu, pela primeira vez, uma previsão da localização de certos tipos de rochas.
Depois disso, podíamos dizer coisas como: "Se formos ali, devemos estar no Jurássico", ou "Se subirmos àquela colina, encontramos o Cretáceo".
Por isso, se quiserem encontrar trilobites, arranjem um bom mapa geológico e vão às rochas do Paleozoico. Se, como eu, quiserem encontrar dinossauros, encontrem as rochas do Mesozoico e vão até lá. Claro que só podem encontrar um fóssil numa rocha sedimentar, uma rocha formada por areia e argila. Não podem arranjar um fóssil numa rocha ígnea, formada por magma, como o granito, ou numa rocha metamórfica, que foi aquecida e comprimida. Têm que ir a um deserto. Não é que os dinossauros tenham vivido em desertos, viveram em todo o tipo de terreno e em todos os ambientes imagináveis. Mas têm que ir a um local que seja hoje um deserto, um local em que não haja demasiadas plantas a cobrir as rochas, um local em que a erosão esteja sempre a expor novos ossos à superfície.
Portanto, encontrem três coisas: rochas da idade certa, que sejam rochas sedimentares, num deserto e mantenham-se ao nível do terreno. 
Caminhem, caminhem, até verem um osso a sobressair duma rocha.

Esta é uma foto que tirei no sul da Patagônia. Cada seixo que aqui vemos no terreno é um bocado de osso de dinossauro. Quando estiverem no local certo, o problema não é encontrar fósseis ou não. Vão encontrar fósseis. O problema é: Irão encontrar alguma coisa que tenha significado científico? Para vos ajudar nisso, vou acrescentar uma quarta parte à formula, que é a seguinte: afastem-se dos outros paleontólogos o mais que puderem.

(Risos)

Não é que eu não goste dos outros paleontólogos. Quando vamos a um local relativamente pouco explorado, temos muito mais hipóteses de encontrar fósseis e, sobretudo, de encontrar qualquer coisa de novo para a ciência. Portanto, é esta a minha fórmula para encontrar dinossauros e tenho-a aplicado pelo mundo fora.

No verão austral de 2004, fui até à ponta sul da América do Sul, até ao sul da Patagônia, na Argentina, à procura de dinossauros, um sítio que tem rochas sedimentares terrestres da idade certa, num deserto, um sítio que pouco tinha sido visitado pelos paleontólogos. Encontramos isto. É um fémur, um osso da coxa, dum gigantesco dinossauro herbívoro. Este osso tem 2,2 metros de uma ponta à outra. São mais de sete pés de comprimento.

Infelizmente, este osso estava isolado. Escavamos e escavamos e não encontramos mais nenhum osso. Ficamos desejosos de voltar no ano seguinte, à procura de mais. No primeiro dia da estação seguinte, encontrei isto: outro fémur de dois metros, só que, desta vez, não estava isolado, desta vez, estava associado a mais 145 ossos dum gigantesco herbívoro. Ao fim de três estações no terreno, difíceis, brutais mesmo, a escavação tinha este aspecto. Vemos ali, à minha volta, a cauda desse grande animal. Chamamos Dreadnoughtus schrani ao gigante que jazia nesta sepultura, uma nova espécie de dinossauro. O Dreadnoughtus tinha 26 metros do focinho à ponta da cauda. Até aos ombros, tinha a altura de dois pisos e meio e, em carne e osso, pesaria 65 toneladas.
As pessoas perguntam-me, por vezes: "O Dreadnoughtus era maior do que um T-Rex?" É oito ou nove vezes um T-Rex.
Uma das coisas boas de ser paleontólogo é que, quando encontramos uma nova espécie, somos nós que lhe damos o nome. Sempre achei uma vergonha que estes gigantescos dinossauros herbívoros sejam retratados como desajeitadas travessas de carne passivas na paisagem.

(Risos)

Não são nada.
Os grandes herbívoros podem ser brutos e territoriais — ninguém quer meter-se com um búfalo, um hipopótamo ou um rinoceronte. 
O bisonte em Yellowstone é mais perigoso do que os ursos pardos. Agora imaginem um grande touro, um Dreadnoughtus de 65 toneladas na época da procriação, a defender o seu território. Esse animal devia ser terrivelmente perigoso, uma ameaça para tudo à sua volta, e não tinha nada a recear. Daí o nome de "Dreadnoughtus", ou seja, "o que não receia nada".

Para alcançar aquele tamanho, um animal como o Dreadnoughtus devia ter sido um modelo de eficácia. Aquele pescoço comprido e a longa cauda ajudavam-no a irradiar o calor no ambiente controlando passivamente a sua temperatura. O longo pescoço também era um meio de alimentação muito eficaz. O Dreadnoughtus podia encontrar-se num local e, com aquele pescoço, limpar uma área enorme de vegetação, ingerindo dezenas de milhares de calorias, enquanto gastava muito poucas. Estes animais desenvolveram uma marcha ampla, tipo buldogue. o que lhes dava uma enorme estabilidade, porque, quando pesamos 65 toneladas, quando somos do tamanho dum prédio, a punição para uma queda é a morte. Sim, estes animais são grandes e robustos, mas não resistiram a um golpe desses.
Se o Dreadnoughtus cair, parte as costelas e perfura os pulmões. Os órgãos rebentam. Um Dreadnoughtus de 65 toneladas não pode cair, nem sequer uma vez.
Depois de sepultada esta carcaça do Dreadnoughtus e de descarnada por uma multidão de bactérias, vermes e insetos, os ossos passaram por uma breve metamorfose, — uma troca de moléculas com a água subterrânea — confundindo-se cada vez mais com a rocha em que estava contido. À medida que se acumulavam as camadas de sedimentos, a pressão de todos os lados pesava como uma luva de pedra cujo peso firme e permanente manteve os ossos num abraço estabilizador.

E depois, ocorreu um longo... nada. Época após época, sempre a mesma coisa, não acontecimentos infindáveis. Todo esse tempo, o esqueleto manteve-se eterno e imutável em perfeito equilíbrio dentro da sua sepultura rochosa. Entretanto, desenrolava-se a história da Terra. Os dinossauros iriam reinar mais 12 milhões de anos, antes de a sua hegemonia ter sido aniquilada por um apocalipse abrasador. Os continentes andavam à deriva. Apareceram os mamíferos. Chegou a Idade do Gelo.

Depois, na África Oriental, uma espécie pouco promissora de macacos desenvolveu a estranha base do pensamento. Esses primatas inteligentes não eram especialmente rápidos nem fortes. Mas foram excelentes na cobertura do terreno e numa diáspora espantosa ultrapassaram o registro dos dinossauros na conquista territorial, dispersaram-se pelo planeta, apoderando-se de todos os ecossistemas que encontravam, e, entretanto, inventaram a cultura, a metalurgia e a pintura, a dança, a música, a ciência e os foguetões que acabaram por colocar 12 desses macacos excelentes na superfície da Lua.

Com sete mil milhões de Homo Sapiens peripatéticos no planeta, talvez fosse inevitável que um deles acabasse por tropeçar na sepultura do magnífico titã sepultado por baixo das terras do sul da Patagônia. Fui eu esse macaco. E ali de pé, sozinho no meio do deserto, pensei que a probabilidade de um indivíduo entrar no registro fóssil era praticamente nula. Mas a Terra é muito, muito velha. E durante grandes períodos de tempo, o improvável torna-se possível. É essa a magia do registro geológico. Essa multidão de criaturas que viveram e morreram num planeta velho deixam atrás de si inúmeros fósseis, cada um deles um pequeno milagre, mas, no seu conjunto, inevitável.

66 milhões de anos, um asteroide atingiu a Terra e os dinossauros extinguiram-se. Isto podia não ter acontecido. Mas só temos uma História e é esta que temos. Mas esta realidade não era inevitável. A mais pequena perturbação desse asteroide tão longe da Terra teria feito com que ele falhasse o nosso planeta por uma larga margem. Esse dia calamitoso, em que os dinossauros foram aniquilados, que preparou o cenário para o mundo moderno como o conhecemos, não precisava de ter acontecido. Podia ter sido apenas mais um dia — uma sexta-feira, talvez — entre os 63 mil milhões de dias já gozados pelos dinossauros. Mas, no decurso do Tempo Geológico, ocorrem acontecimentos improváveis, quase impossíveis. Desde os vermes cambrianos, nossos antepassados, até aos primatas, de fato completo, inúmeras bifurcações na estrada levaram-nos a esta realidade particular. Os ossos do Dreadnoughtus estiveram soterrados durante 77 milhões de anos. Quem teria imaginado que uma única espécie de mamíferos, tipo ratos, que viviam nas fendas do mundo dos dinossauros, iria evoluir em seres sensíveis capazes de caracterizar e compreender os dinossauros que teriam temido?

Estive uma vez na foz do Rio Missouri e atravessei-o. Não passa de um gorgolejo de água que brota por baixo duma rocha no meio do campo, no alto das montanhas Bitterroot. O ribeiro ao lado corre durante umas centenas de metros e acaba numa pequena lagoa. Essas duas correntes parecem idênticas, mas uma é um fio de água anônimo e a outra é o Rio Missouri. Agora desçamos até à foz do Missouri, perto de St. Louis. É óbvio que este rio mete respeito. Mas se subirmos até Bitterroots e olharmos para o Missouri, a perspectiva humana não nos permite vê-lo como nada de especial.

Voltemos ao Período Cretáceo e olhemos para os nossos pequenos e peludos antepassados. Nunca suporíamos que chegariam a alguma coisa de especial e, provavelmente, não teriam chegado, se não fosse aquele asteroide funesto.

Imaginemos mais mil mundos e mais mil sistemas solares e deixemo-los evoluir. Nunca obteriam o mesmo resultado. Sem dúvida, esses mundos seriam espantosos e espantosamente improváveis, mas não seriam o nosso mundo e não teriam a nossa História. Há um número infinito de histórias que podiam ter acontecido. Só tivemos uma e, felizmente, foi uma muito boa. Os dinossauros, como o Dreadnoughtus, foram reais. Os monstros marinhos, como o mosassauro, foram reais. As libelulinhas, com a envergadura duma águia e os tatuzinhos-de-jardim do tamanho de um carro existiram realmente.

Por que estudar o passado antigo? Porque nos dá perspectiva e humildade. Os dinossauros morreram na quinta extinção em massa mundial, aniquilados por um acidente cósmico sem terem qualquer culpa disso. Não o viram chegar, não tinham possibilidade de escolha. Nós, por outro lado, temos escolha. A natureza dos registros fósseis diz-nos que o nosso lugar neste planeta é precária e possivelmente fugaz. Neste momento, a nossa espécie está a propagar um desastre ambiental de proporções geológicas, tão amplo e tão grave que pode chamar-se, com razão, a sexta extinção. Só que, ao contrário dos dinossauros, podemos vê-lo aproximar-se. E, ao contrário dos dinossauros, podemos fazer qualquer coisa quanto a isso. Essa escolha é nossa.

Obrigado.

Fonte: TED
[Visto no Brasil Acadêmico]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: A procura por dinossauros me mostrou o nosso lugar no universo
A procura por dinossauros me mostrou o nosso lugar no universo
Junte-se a ele numa celebração da História Geológica da Terra e contemple o nosso lugar no tempo.
https://4.bp.blogspot.com/--6bMNi1aDD0/V3IhjsgOoKI/AAAAAAAAmO0/i7A9ioQUzp4p4NiHTuX5oYcCF_NPPUY9ACLcB/s320/dino00.jpg
https://4.bp.blogspot.com/--6bMNi1aDD0/V3IhjsgOoKI/AAAAAAAAmO0/i7A9ioQUzp4p4NiHTuX5oYcCF_NPPUY9ACLcB/s72-c/dino00.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2016/06/a-procura-por-dinossauros-me-mostrou-o.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2016/06/a-procura-por-dinossauros-me-mostrou-o.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy