$hide=/p/valores.html

Já podemos editar o nosso DNA. Mas vamos fazer isso com sabedoria.

Indicar:

Drª Jennifer Doudna mostra as questões éticas que permeiam as técnicas de edição de DNA.

A geneticista Jennifer Doudna coinventou uma tecnologia inovadora para editar os genes, chamada CRISPR-Cas9. A ferramenta permite que cientistas façam edições precisas nas fitas do DNA, o que pode levar à descoberta de tratamentos para doenças genéticas… mas que poderiam também ser usadas para criar os chamados "bebês projetados". Doudna examina como a tecnologia CRISPR-Cas9 funciona, e pede à comunidade científica que faça uma pausa e discuta a ética dessa nova ferramenta.

Alguns anos atrás, com minha colega Emmanuelle Charpentier, inventei uma nova tecnologia para editar o genoma. Chama-se CRISPR-Cas9.



A tecnologia CRISPR permite que os cientistas façam alterações nas células do DNA, o que poderia nos levar à cura de doenças genéticas.

Acho que vale a pena explicar que a tecnologia CRISPR surgiu de um projeto de pesquisa básico destinado a descobrir como as bactérias atacam as infecções virais. As bactérias têm de lidar com vírus em seu ambiente, e pode-se pensar na infecção viral como uma bomba-relógio: a bactéria dispõe de apenas alguns minutos para desativar a bomba antes que seja destruída por ela. Por isso, muitas bactérias têm nas células um sistema imunológico adaptativo chamado CRISPR, que lhes permite detectar o DNA viral e destruí-lo. Faz parte do sistema CRISPR uma proteína chamada Cas9, que é capaz de procurar, clivar e, por fim, degradar o DNA do vírus de uma maneira específica. E foi por meio da nossa pesquisa para entender a atividade da proteína Cas9 que descobrimos que poderíamos utilizá-la como tecnologia de engenharia genética, uma ferramenta para cientistas apagarem ou inserirem partes específicas do DNA dentro das células, com incrível precisão, o que poderia criar oportunidades de fazermos coisas que realmente não foram possíveis no passado.

A tecnologia CRISPR já foi utilizada para alterar o DNA em células de camundongos e macacos, assim como de outros organismos.

Cientistas chineses mostraram recentemente ser possível usar a tecnologia CRISPR até para alterar os genes de embriões humanos.

Cientistas da Filadélfia mostraram ser possível usar CRISPR para remover o DNA de um vírus HIV integrado de dentro de células humanas infectadas. A oportunidade de se fazer esse tipo de edição genética também levanta várias questões éticas a serem consideradas, pois essa tecnologia pode ser empregada não apenas em células adultas, mas também em embriões de organismos, incluindo os da nossa própria espécie. Então, juntamente com meus colegas, solicitei um debate global sobre essa tecnologia que coinventei, para que possamos avaliar todas as implicações éticas e sociais de uma tecnologia assim. Então, gostaria de lhes explicar o que é a tecnologia CRISPR, o que ela pode fazer, em que ponto estamos hoje e por que penso que temos de avançar com cautela na forma como empregamos essa tecnologia.

Quando os vírus infectam uma célula, eles injetam nela seu DNA. E, numa bactéria, o sistema CRISPR permite que o DNA seja arrancado do vírus e inserido em pequenos fragmentos dentro do cromossomo, o DNA da bactéria. E esses pedaços integrados do DNA viral são inseridos num local chamado CRISPR.

CRISPR significa Repetições Palindrômicas Curtas Agrupadas e Regularmente Interespaçadas.

(Risos)

Complicado assim, dá pra ver por que usamos a sigla CRISPR. É um mecanismo que permite às células se lembrarem, ao longo do tempo, dos vírus aos quais estiveram expostas. E, mais importante, esses pedaços de DNA são passados à descendência das células, fazendo com que elas fiquem protegidas desses vírus não apenas por uma, mas por muitas gerações de células. Isso permite que as células mantenham um registro das infecções e, como minha colega Blake Wiedenheft gosta de dizer, o lócus do CRISPR é efetivamente um cartão de vacina genético das células. Uma vez inseridos esses fragmentos do DNA no cromossomo da bactéria, a célula então faz uma pequena cópia de uma molécula chamada RNA, que aparece em laranja nesta foto, que é uma réplica exata do DNA do vírus.

O RNA é um primo químico do DNA, o que permite uma interação com as moléculas do DNA que tenham uma sequência correspondente. Portanto, esses pequenos fragmentos de RNA do lócus do CRISPR se associam, se ligam, à proteína Cas9, que aparece em branco na foto, e formam um complexo que funciona como uma sentinela da célula. Ele vasculha todo o DNA da célula para encontrar locais que correspondam às sequências dos RNAs atuando como guias.

E, quando tais locais são encontrados, como veem aqui, a molécula azul é o DNA, esse complexo associado ao DNA permite que o Cas9 corte o DNA viral. Ele faz uma ruptura muito precisa. Portanto, podemos pensar na sentinela, o complexo RNA-Cas9, como uma tesoura que pode cortar o DNA. Ele faz uma ruptura na fita dupla da hélice do DNA. E é importante ressaltar que esse complexo é programável, podendo ser programado para reconhecer sequências específicas do DNA e fazer uma ruptura naquele local do DNA. Como vou lhes explicar agora, reconhecemos que essa atividade poderia ser aproveitada na engenharia genética para permitir às células fazerem uma mudança muito precisa no DNA, no local onde essa ruptura fosse introduzida.

Isso lembra muito a forma como usamos um processador de texto para corrigir um erro de digitação num documento. O motivo de imaginamos o uso do sistema CRISPR na engenharia genética é que as células têm a habilidade de detectar o DNA avariado e consertá-lo. Então, quando a célula vegetal ou animal detecta a ruptura na fita dupla do DNA, ela consegue reparar essa ruptura, seja colando as extremidades do DNA danificado, com uma pequena mudança na sequência daquela posição, seja integrando um novo pedaço de DNA no local da clivagem. Daí, se tivermos uma maneira de efetuar uma ruptura da fita dupla dentro do DNA nos lugares certos, podemos estimular as células para reparar esses falhas, seja pela ruptura ou pela incorporação de nova informação genética. Então, se formos capazes de programar a tecnologia CRISPR para fazer uma ruptura no DNA, no local ou perto de uma mutação que cause a fibrose cística, por exemplo, poderemos programar células para reparar essa mutação.

A engenharia genética não é nova e vem se desenvolvendo desde os anos 1970. 

Tínhamos tecnologia para sequenciar o DNA, para copiar o DNA e até para manipular o DNA. E eram tecnologias muito promissoras, porém, ou eram ineficientes, ou eram tão difíceis de usar que muitos cientistas não as adotaram em seus laboratórios, e elas certamente não tiveram muitos usos clínicos. A oportunidade de utilizar uma tecnologia como CRISPR tem seu apelo pela sua relativa simplicidade. Fazendo uma analogia, as tecnologias de engenharia genética mais antigas eram como se trocássemos todo o circuito elétrico do computador toda vez que quiséssemos rodar um software novo, enquanto a tecnologia CRISPR é como um software para o genoma, que pode ser facilmente programado usando pequenos fragmentos de RNA. Portanto, quando uma ruptura na fita dupla do DNA é feita, podemos induzir a reparação e, assim, teoricamente, conseguir feitos surpreendentes, como corrigir as mutações que causam a anemia falciforme ou a doença de Huntington.

Na verdade, penso que as primeiras aplicações da tecnologia CRISPR vão acontecer no sangue, onde é relativamente mais fácil introduzir essa ferramenta dentro das células, em comparação com os tecidos sólidos. Hoje, muitos trabalhos que estão sendo feitos se aplicam a modelos animais de doenças humanas, como os camundongos. A tecnologia está sendo usada para mudanças muito precisas, que nos permitem estudar a maneira como essas mudanças no DNA das células afetam um tecido ou, nesse caso, um organismo inteiro. Aqui, neste exemplo, a tecnologia CRISPR foi usada para destruir um gene, fazendo uma pequena mudança no DNA do gene responsável pela cor preta do pelo desses camundongos. Esses camundongos brancos têm uma cor diferente do resto da ninhada devido apenas a uma pequena mudança em um gene do genoma inteiro e, aliás, eles são completamente normais. E, ao sequenciarmos o DNA desses animais, descobrimos que a mudança no DNA ocorreu no local exato onde induzimos a mudança usando a tecnologia CRISPR.

Estudos adicionais estão sendo feitos em outros animais, que serão úteis para criarmos modelos para doenças humanas, como em macacos. E aqui verificamos que podemos usar esses sistemas para testar a aplicação dessa tecnologia em tecidos específicos, por exemplo, descobrindo como colocar a ferramenta CRISPR dentro das células. Também queremos entender melhor como controlar a forma como o DNA é reparado após a ruptura, e também como controlar e limitar qualquer tipo de desvio do alvo ou efeitos indesejados no uso dessa tecnologia. Acho que vamos ver a aplicação clínica dessa tecnologia, pelo menos em adultos, dentro dos próximos dez anos.

É possível que tenhamos testes clínicos, e provavelmente até terapias, aprovados nesse período, algo bem emocionante de se imaginar. E, por causa da empolgação acerca dessa tecnologia, existe muito interesse nas empresas "start-ups" criadas para comercializar a tecnologia CRISPR, e diversos investidores estão apostando nessas empresas. Mas também temos de considerar que a tecnologia CRISPR pode ser usada para coisas como o melhoramento. Imaginem que poderíamos tentar projetar humanos para que tenham características melhoradas, como ossos mais fortes, ou menor susceptibilidade a doenças cardiovasculares, ou mesmo para ter atributos que considerássemos desejáveis, como uma cor diferente dos olhos, ou uma altura maior, coisas assim. "Humanos projetados", se preferirem. Neste momento, a informação genética para entender que tipos de genes dariam origem a essas características é ainda bem desconhecida.

Mas é importante saber que a tecnologia CRISPR nos dá uma ferramenta para fazer tais mudanças, quando esse conhecimento se tornar disponível. Isso levanta uma série de questões éticas que temos de considerar com cuidado, e esse é o motivo pelo qual eu e meus colegas pedimos uma pausa global em qualquer aplicação clínica da tecnologia CRISPR em embriões humanos, para termos tempo de realmente considerar todas as implicações de se fazer isso. E, na verdade, há um precedente importante para tal pausa, ocorrido nos anos 1970, quando cientistas se reuniram para convocar uma suspensão do uso da clonagem molecular, até que a segurança de tal tecnologia fosse cuidadosamente testada e validada. Humanos criados geneticamente ainda não estão entre nós, mas isso não é mais ficção científica. Animais e plantas criados geneticamente já existem. E isso coloca para nós todos uma enorme responsabilidade, de modo a considerar tanto as consequências involuntárias, quanto os impactos intencionais de uma descoberta científica. Obrigada.

(Aplausos)

Bruno Giussani: Jennifer, essa é uma tecnologia com enormes consequências, como você ressaltou. Sua atitude de pedir uma pausa ou uma suspensão, ou uma quarentena, é incrivelmente responsável. Existem, é claro, os resultados terapêuticos disso, mas também há os não terapêuticos, e estes parecem ser os mais atraentes, particularmente na mídia. Esse é um dos últimos números da revista "The Economist", "Editando a humanidade". É sobre melhoramento genético, não é sobre terapêuticas. Que tipo de reação você obteve em março passado de seus colegas do mundo científico, quando pediu ou sugeriu que na verdade deveríamos pausar isso por um momento e pensar a respeito?

Jennifer Doudna: Penso que meus colegas ficaram, na verdade, encantados de ter a oportunidade de discutir isso abertamente. É interessante que, quando converso com as pessoas, meus colegas cientistas, assim como com outros, há uma enorme variedade de pontos de vista sobre isso. Claramente é um tópico que precisa de cuidadosa consideração e discussão.

BG: Vai acontecer uma grande reunião em dezembro que você e seus colegas estão convocando, juntamente com a Academia Nacional de Ciências e outros. O que você espera que saia dessa reunião, em termos práticos?

JD: Bem, espero que possamos arejar as ideias de muitos indivíduos diferentes e interessados que queiram pensar sobre como usar essa tecnologia de forma responsável. Talvez não seja possível se chegar a um consenso, mas penso que deveríamos, pelo menos, entender quais são os problemas quando avançarmos.

BG: Agora, seus colegas, como George Church, de Harvard, dizem: "É, questões éticas basicamente são apenas uma questão de segurança. Testamos repetidas vezes nos animais e nos laboratórios, e, uma vez seguros o suficiente, vamos passar para os humanos." Então é um outro tipo de escola de pensamento de que deveríamos usar essa oportunidade e agarrá-la. Há um possível racha acontecendo na comunidade científica sobre isso? Quero dizer, vamos ver alguns se contendo por causa de preocupações éticas, e outros simplesmente avançando, porque alguns países quase não regulam ou não regulam de jeito nenhum?

JD: Bem, como com qualquer tecnologia nova, especialmente algo assim, vai haver uma variedade de pontos de vista, e acho isso perfeitamente compreensível. Acho que no fim essa tecnologia vai ser usada para a engenharia do genoma humano, mas penso que fazer isso sem cuidadosa consideração e discussão dos riscos e potenciais complicações não seria uma atitude responsável.

BG: Há uma porção de tecnologias e outros campos da ciência que estão se desenvolvendo exponencialmente, assim como o seu. Estou pensando sobre inteligência artificial, robôs autônomos, etc. Ninguém parece, exceto quanto ao caso dos robôs de guerra autônomos, ter lançado uma discussão semelhante nesses campos, convocando uma pausa. Você acha que seu debate pode servir de modelo para outras áreas?

JD: Bem, penso que é difícil para os cientistas saírem do laboratório. Falando por mim mesma, é um pouco desconfortável fazer isso. Mas acho que estar envolvida na gênese disso realmente coloca a mim e meus colegas numa posição de responsabilidade. E eu diria que certamente espero que outras tecnologias sejam consideradas da mesma forma, da mesma forma que consideraríamos algo que poderia ter implicações em outros campos além da biologia.

BG: Jennifer, obrigada por vir ao TED.

JD: Obrigada. (Aplausos)

Edição do genoma com CRISPR-Cas9

Vídeo Bônus (legendado em português)


Fonte: TED
[Visto no Brasil Acadêmico]

Comentários

BLOGGER: 2
Loading...

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Já podemos editar o nosso DNA. Mas vamos fazer isso com sabedoria.
Já podemos editar o nosso DNA. Mas vamos fazer isso com sabedoria.
Drª Jennifer Doudna mostra as questões éticas que permeiam as técnicas de edição de DNA.
http://2.bp.blogspot.com/-Lvqy5yI0dtw/VqpoA7hH9hI/AAAAAAAAjeE/ERtIMMr2z3s/s400/doudna.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-Lvqy5yI0dtw/VqpoA7hH9hI/AAAAAAAAjeE/ERtIMMr2z3s/s72-c/doudna.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2016/01/ja-podemos-editar-o-nosso-dna-mas-vamos.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2016/01/ja-podemos-editar-o-nosso-dna-mas-vamos.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy