$hide=/p/valores.html

Monica Lewinsky: O preço da vergonha

Indicar:

Diz Monica Lewinsky: "Em 1998, fui a 'paciente zero' na perda da reputação pessoal quase instantaneamente, numa escala global”....

Diz Monica Lewinsky: "Em 1998, fui a 'paciente zero' na perda da reputação pessoal quase instantaneamente, numa escala global”. Hoje, o tipo de humilhação pública online vivida por ela tornou-se uma constante. Em uma palestra corajosa, ela fala da nossa “cultura da humilhação”, na qual a vergonha online equivale a dinheiro, e clama por um caminho diferente.





Vocês estão diante de uma mulher que ficou em silêncio publicamente por uma década. Obviamente, isso mudou. Mas apenas recentemente.



Foi há alguns meses que fiz meu primeiro discurso público importante na conferência da Forbes, "30 menores de 30": 1.500 pessoas brilhantes, todas com menos de 30 anos. Isso significa que, em 1998, o mais velho do grupo tinha apenas 14 anos, e o mais novo, apenas quatro. Brinquei com eles que talvez alguns só tenham ouvido falar de mim em músicas de rap. Sim, estou em músicas de rap. Quase 40 músicas de rap. (Risos)

Mas na noite da minha palestra, algo surpreendente aconteceu. Aos 41 anos de idade, fui cantada por um rapaz de 27. Que coisa, não? Ele era encantador, eu fiquei lisonjeada, mas recusei. Sabe qual foi a cantada infeliz? Que ele poderia me fazer sentir com 22 anos de novo.

(Risos)

(Aplausos)

Depois eu percebi que provavelmente sou a única pessoa acima dos 40 que não quer voltar aos 22 anos.

(Risos)

(Aplausos)

Aos 22 anos, me apaixonei pelo meu chefe, e aos 24 anos, aprendi as consequências devastadoras disso.

Pode levantar a mão quem nunca cometeu um erro aos 22 anos, ou fez algo de que se arrependeu? É. Foi o que pensei. Então, como eu, aos 22, alguns de vocês podem ter feito escolhas erradas e se apaixonado pela pessoa errada; talvez até mesmo seu chefe. Diferentemente de mim, no entanto, seu chefe provavelmente não era o presidente dos Estados Unidos. Claro, a vida é cheia de surpresas.

Não há um dia sequer em que eu não seja lembrada do meu erro, e lamento profundamente esse erro.

Em 1998, depois de estar envolvida num romance improvável, fiquei no centro de um turbilhão político, jurídico e midiático, como nunca visto antes. Lembrem-se, apenas alguns anos antes, as notícias eram consumidas de apenas três lugares: lendo um jornal ou revista, ouvindo o rádio, ou assistindo à televisão. Era assim. Mas esse não foi o meu destino. Em vez disso, esse escândalo chegou a vocês através da revolução digital. Isso significa que podíamos acessar toda a informação que quiséssemos, quando a quiséssemos, a qualquer hora, em qualquer lugar. Quando a história veio à tona em janeiro de 1998, ela surgiu online. Foi a primeira vez em que o noticiário tradicional foi usurpado pela internet com uma notícia importante, um clique que reverberou pelo mundo.

O significado disso para mim, pessoalmente, foi que, da noite para o dia, passei de uma figura completamente privada a uma publicamente humilhada, no mundo todo.

Fui a "paciente zero" em perder sua reputação pessoal numa escala global, quase instantaneamente.

A pressa do julgamento, ativada pela tecnologia, trouxe apedrejadores virtuais aos montes. Isso foi antes das redes sociais, mas as pessoas podiam, ainda assim, comentar online, enviar histórias por e-mail e, claro, mandar piadas cruéis por e-mail. As fontes de notícias espalharam fotos minhas por toda parte para vender jornais, banners de publicidade online, e para manter as pessoas ligadas na TV. Lembram-se de uma imagem minha em particular, digamos, usando uma boina?

Bem, eu admito que cometi erros, especialmente ao usar aquela boina. Mas a atenção e o julgamento que recebi - não a história, mas o que eu pessoalmente recebi - foram sem precedentes. Fui rotulada como vadia, puta, vagabunda, prostituta, interesseira e, claro, como "aquela mulher". Eu era vista por muitos, mas na verdade conhecida por poucos. E eu entendo: era fácil esquecer que aquela mulher tinha uma dimensão, tinha uma alma e que antes estava intacta.

Dezessete anos atrás, não havia um nome para o que aconteceu comigo. Agora chamamos isso de "cyberbullying" e de assédio virtual. Hoje, quero compartilhar algumas das minhas experiências com vocês, falar sobre como essa experiência ajudou a moldar minhas observações culturais e como espero que minha experiência possa levar a uma mudança que resulte em menos sofrimento para outras pessoas.

Em 1998, perdi minha reputação e dignidade. Perdi quase tudo, e quase perdi a vida.

Deixem-me pintar o quadro para vocês. É setembro de 1998. Estou sentada num escritório sem janelas, no gabinete do promotor independente, sob o zumbido de luzes fluorescentes. Ouço o som da minha voz, minha voz em ligações telefônicas clandestinamente gravadas que uma suposta amiga tinha feito um ano antes. Estou ali porque fui requisitada por lei para autenticar pessoalmente todas as 20 horas de conversas gravadas. Nos últimos oito meses, o conteúdo misterioso dessas fitas pendia como a espada de Dâmocles sobre a minha cabeça. Quem se lembra do que falou um ano atrás? Assustada e mortificada, eu escuto. Escuto minha voz tagarelar sobre as coisas do dia. Escuto eu confessar meu amor pelo presidente, e, claro, minha decepção amorosa. Escuto a mim mesma, às vezes maliciosa, às vezes indelicada, às vezes boba, sendo cruel, impiedosa, vulgar. Escuto profundamente, profundamente envergonhada, a pior versão de mim mesma, um "eu" que nem reconheço.

Alguns dias depois, o relatório Starr foi divulgado no Congresso e todas aquelas fitas e transcrições, palavras furtadas, são parte dele. O fato de as pessoas poderem ler as transcrições já é horrível, mas, algumas semanas depois, as fitas de áudio foram veiculadas na TV e partes significativas ficaram disponíveis online. A humilhação pública foi excruciante. A vida ficou quase insuportável.

Não era algo que acontecia com regularidade em 1998, e me refiro ao furto de palavras, ações, conversas ou fotos privadas para depois tornar tudo público - público sem consentimento, público sem contexto e público sem compaixão.

Doze anos depois, em 2010, as redes sociais já surgiram. O panorama infelizmente se tornou mais repleto de exemplos como o meu, independentemente de se ter de fato cometido um erro ou não, e agora engloba tanto pessoas públicas quanto privadas. As consequências para alguns se tornaram dramáticas, muito dramáticas.

Eu estava ao telefone com minha mãe em setembro de 2010, e falávamos da notícia sobre um jovem calouro da Rutgers University chamado Tyler Clementi. Doce, sensível e criativo, Tyler foi filmado secretamente pelo colega de quarto ao ter relações íntimas com outro homem. Quando o mundo online soube desse incidente, a ridicularização e o cyberbullying começaram. Alguns dias depois, Tyler pulou da ponte George Washington, suicidando-se. Ele tinha 18 anos.

Minha mãe ficou transtornada com o que aconteceu a Tyler e sua família, e ela sofreu muito, de um jeito que eu não conseguia entender. Depois me dei conta de que ela estava revivendo 1998, revivendo uma época em que se sentava na minha cama toda noite, revivendo uma época em que ela me fazia tomar banho com a porta aberta, e revivendo uma época em que meus pais temiam que eu pudesse morrer de tanta humilhação, literalmente.

Hoje, muitos pais não têm tido a chance de agir e resgatar seus entes queridos. Muitos sabem do sofrimento e humilhação de seus filhos quando já é tarde demais. A morte trágica e sem sentido de Tyler foi um momento decisivo para mim. Serviu para recontextualizar minhas experiências, e comecei a olhar o mundo da humilhação e do bullying ao meu redor e a ver algo diferente. Em 1998, não tínhamos como saber aonde essa nova tecnologia audaz chamada internet nos levaria. Desde então, ela tem conectado as pessoas de maneiras inimagináveis, unindo irmãos desaparecidos, salvando vidas, lançando revoluções, mas a escuridão, o cyberbullying e a vergonha que vivenciei se multiplicaram rapidamente. Todo dia na internet, as pessoas, especialmente jovens, que ainda não amadureceram para lidar com isso, são tão assediados e humilhados que não imaginam viver mais um dia, e alguns tragicamente não vivem, e não há nada de virtual nisso. ChildLine, uma organização beneficente que ajuda jovens no Reino Unido, divulgou uma estatística impressionante no ano passado: de 2012 a 2013, houve um aumento de 87% nas ligações e e-mails relacionados a cyberbullying. Uma meta-análise feita fora da Holanda mostrou, pela primeira vez, que o cyberbullying levava a ideações suicidas mais significativamente do que o bullying da vida real. E o que me chocou, ainda que não devesse, foi outra pesquisa do ano passado, mostrando que a humilhação é uma emoção sentida mais intensamente do que a felicidade, ou mesmo a raiva.

A crueldade com os outros não é novidade, mas online, a humilhação tecnologicamente melhorada, é amplificada, incontrolável e permanentemente acessível. O eco da vergonha costumava se estender apenas até a sua família, bairro, escola ou comunidade, mas agora é a comunidade online também. Milhões de pessoas, quase sempre anonimamente, podem apunhalá-lo com palavras e isso é muito doloroso, e não há limite para a quantidade de pessoas que podem observá-lo publicamente e execrá-lo em praça pública. Há um preço muito pessoal pela humilhação pública, e o crescimento da internet elevou esse preço.

Por quase duas décadas, temos lentamente plantado as sementes da vergonha e da humilhação pública em nosso solo cultural, tanto no ambiente virtual como fora dele. Sites de fofocas, "paparazzi", "reality shows", política, agências de notícias e às vezes hackers, todos trafegam na vergonha. Isso deu vez à dessensibilização e a um ambiente online permissivo que se presta ao "trolling", invasão de privacidade e cyberbullying. Essa mudança criou o que o professor Nicolaus Mills chama de cultura da humilhação. Considerem alguns exemplos proeminentes apenas dos últimos seis meses. Snapchat, o serviço usado principalmente pelas gerações mais jovens, afirma que suas mensagens têm vida útil de poucos segundos. Vocês podem imaginar a amplitude do conteúdo que passa por ele. Um aplicativo que os usuários do Snapchat usam para preservar a duração das mensagens foi "hackeado", e 100 mil conversas privadas, fotos e vídeos vazaram online para agora terem duração eterna. Jennifer Lawrence e muitos outros atores tiveram suas contas iCloud hackeadas, e fotos particulares, íntimas, de nudez, foram jogadas na internet sem permissão. Um site de fofocas teve mais de 5 milhões de cliques por essa única história. E o "cyberhacking" da Sony Pictures? Os documentos que receberam maior atenção foram os e-mails particulares que tinham valor máximo de humilhação pública.

Mas nessa cultura da humilhação, há um outro tipo de etiqueta de preço atrelada à vergonha pública. O preço não mensura o custo para a vítima. o qual Tyler e tantos outros, especialmente mulheres, minorias e membros da comunidade LGBT têm pago, mas o preço mensura o lucro daqueles que os exploram. Essa invasão de privacidade é uma matéria-prima eficiente e desumanamente minada, embrulhada e vendida por lucro. Um mercado emergiu onde a humilhação pública é um produto e a vergonha, uma indústria. Como se ganha esse dinheiro? Cliques. Quanto mais vergonha, mais cliques. Quanto mais cliques, mais dinheiro de publicidade. Estamos em um ciclo perigoso. Quanto mais clicamos nesse tipo de fofoca, mais insensíveis nos tornamos às vidas humanas por trás dele, e quanto mais insensíveis nos tornamos, mais clicamos. Toda hora, alguém está ganhando dinheiro às custas do sofrimento de outra pessoa. A cada clique, fazemos uma escolha. Quanto mais saturamos nossa cultura com a vergonha pública, mais aceitável ela é, mais veremos comportamentos como o cyberbullying, o trolling, algumas formas de hacking e assédio online. Por quê? Porque todos eles têm a humilhação em seu cerne. Esse comportamento é um sintoma da cultura que criamos. Pensem nisso.

A mudança de comportamento começa com a evolução das crenças. Vimos que isso é verdadeiro em relação ao racismo, à homofobia e muitos outros preconceitos atuais e do passado. Assim como mudamos sobre o casamento de pessoas do mesmo sexo, liberdades igualitárias são oferecidas a mais pessoas. Quando começamos a valorizar a sustentabilidade, mais pessoas começaram a se reciclar. Portanto, no que se refere a nossa cultura de humilhação, precisamos de uma revolução cultural. A humilhação pública como esporte sangrento precisa acabar, e é hora de uma intervenção na internet e em nossa cultura.

A mudança começa com algo simples, mas que não é fácil. Precisamos retornar a um antigo valor de compaixão – compaixão e empatia. Na internet, temos um déficit de compaixão, uma crise de empatia.

A pesquisadora Brené Brown disse, e eu a cito: “A vergonha não pode sobreviver à empatia.” "A vergonha não pode sobreviver à empatia." Passei dias de muita escuridão em minha vida, e foi a compaixão e empatia da minha família, amigos, profissionais, e até mesmo de estranhos que me salvou. Até a empatia de uma só pessoa pode fazer a diferença. A teoria da influência minoritária, proposta pelo psicólogo social Serge Moscovici, diz que, mesmo em números pequenos, quando há consistência por um tempo, a mudança pode ocorrer. No mundo online, podemos fomentar a influência minoritária nos tornando "agentes". Tornar-se "agente" significa que, em vez da apatia do observador, podemos postar um comentário positivo ou reportar uma situação de bullying. Acreditem, os comentários compassivos ajudam a abater a negatividade. Também podemos combater essa cultura apoiando organizações que lidam com essas questões, como a Fundação Tyler Clementi, nos Estados Unidos. No Reino Unido, há o Anti-Bullying Pro, e na Austrália há o Projeto Rockit.

Falamos muito sobre nosso direito à liberdade de expressão, mas precisamos falar mais sobre nossa responsabilidade com a liberdade de expressão. Todos nós queremos ser ouvidos, mas vamos admitir a diferença entre falar com intenção e falar para ganhar atenção. A internet é a autoestrada para o Id, mas online, demonstrar empatia pelos outros beneficia a todos nós e ajuda a criar um mundo mais seguro e melhor. Precisamos nos comunicar online com compaixão, consumir as notícias com compaixão e clicar com compaixão. Apenas imaginem caminhar um quilômetro na manchete de outra pessoa. Gostaria de finalizar com um comentário pessoal. Nos últimos nove meses, a pergunta que mais me fizeram é por quê. Por que agora? Por que tive a coragem de me pronunciar? Você pode ler nas entrelinhas dessas perguntas, e a resposta não tem nada a ver com política. A principal resposta foi e é: "Porque é hora: hora de parar de pisar em ovos sobre o meu passado; hora de parar de viver uma vida de opróbrio; e hora de resgatar minha narrativa."

Também não se trata apenas me salvar. Qualquer um que sofre de vergonha e humilhação pública precisa saber de uma coisa: você pode sobreviver a isso. Sei que é difícil. Talvez não seja indolor, rápido ou fácil, mas você pode insistir num final diferente para sua história. Tenha compaixão por você mesmo. Nós todos merecemos compaixão e viver num mundo mais compassivo, tanto online quanto offline.

Obrigada pela atenção.

(Aplausos)

Fonte: TED
[Visto no Brasil Acadêmico]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Monica Lewinsky: O preço da vergonha
Monica Lewinsky: O preço da vergonha
http://1.bp.blogspot.com/-KnREkYc5peo/VRYVcd62NAI/AAAAAAAAcxU/9xwkBHSFyRw/s1600/monica_lewinsky_ted2.jpg
http://1.bp.blogspot.com/-KnREkYc5peo/VRYVcd62NAI/AAAAAAAAcxU/9xwkBHSFyRw/s72-c/monica_lewinsky_ted2.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2015/03/monica-lewinsky-o-preco-da-vergonha.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2015/03/monica-lewinsky-o-preco-da-vergonha.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy