$hide=/p/valores.html

Na Califórnia, médicos são acusados de coagir detentas à esterilização

Indicar:

Na Califórnia, médicos contratados pelo Departamento estadual de Correções e Reabilitação esterilizaram sem a aprovação do Estado necessária...

Na Califórnia, médicos contratados pelo Departamento estadual de Correções e Reabilitação esterilizaram sem a aprovação do Estado necessária cerca de 150 internas femininas entre 2006 e 2010. Ao menos 148 mulheres foram submetidas a cirurgias de ligação das trompas durante esses cinco anos, o que viola as regras carcerárias. Além disso, estima-se que haja mais 100 vítimas desde o fim dos anos 1990, de acordo com entrevistas e documentos obtidos pelo Center for Investigative Reporting.
A ex-detenta da prisão Valley State Prison Kimberly Jeffrey com o filho de 3 anos.
Ela conta ter sido pressionada a fazer a ligação de trompas durante o trabalho de parto 

Entre 1997 e 2010, o governo do estado da Califórnia pagou US$ 147.460 pelo procedimento médico, de acordo com dados oficiais. As cirurgias foram agendadas enquanto elas ainda estavam grávidas, na Instituição para Mulheres Corona, ou na Prisão Estadual para Mulheres Valley State Prison, em Chowchilla – que hoje é uma prisão para homens.

Instituição para mulheres em Corona, Califórnia.
Ex-detentas e defensores de prisioneiras acusam a equipe médica das prisões de coagir as mulheres, visando principalmente àquelas consideradas com maior chance de voltar novamente à prisão.
Crystal Nguyen, uma ex-detenta da Valley State Prison que trabalhou na enfermaria da prisão em 2007, disse que frequentemente ela ouvia a equipe médica perguntando para prisioneiras com várias detenções anteriores se elas aceitavam ser esterilizadas.

A ex-detenta, Crystal Nguyen, e seu filho de seis anos.
“Eu pensava ‘Meu Deus, isso não está certo’” Nguyen, 28, disse. “Eles pensam que elas são animais e não querem que elas continuem procriando?”
Outra ex-detenta da Valley State que deu a luz a um filho em outubro de 2006 disse que o obstetra e ginecologista da instituição, o doutor James Heinrich, a pressionava repetidamente para concordar em fazer a cirurgia de ligação das trompas.
“Assim que ele descobriu que eu tinha cinco filhos, ele sugeriu que eu considerasse fazer a cirurgia. Quanto mais perto eu chegava de dar à luz, mais ele falava sobre isso”, conta Christina Cordero, 34, que passou dois anos presa por roubo de carro. “Ele me fez sentir que se eu não fizesse seria uma mãe ruim.”
Cordero, que foi solta em 2008 e agora vive em Upland, California, concordou na época, mas diz “hoje eu queria que nunca tivesse feito”.
As alegações dão eco àquelas feitas quase meio século atrás, quando esterilizações forçadas de mulheres prisioneiras, doentes mentais e pobres eram comuns na California. Essas práticas foram banidas pelos deputados locais em 1979.
“Crianças indesejadas”
Em entrevista para o Center for Investigative Reporting, Heinrich disse que ele provia um importante serviço para mulheres pobres sujeitas a risco de saúde em alguma gravidez futura por conta de cesarianas feitas no passado. Com 69 anos, o médico da região de Bay Area negou que tenha pressionado as pacientes e se disse surpreso ao saber que os profissionais locais cobraram pelas cirurgias. Segundo ele, o valor de US$ 147.460 pago é pequeno.
“Em um período de 10 anos, esta não é uma enorme quantidade de dinheiro comparada com o que você economiza em bem-estar por essas crianças indesejadas, se as mulheres continuassem procriando”, disse Heirinch.
O chefe da equipe médica da Valley State Prison (entre 2005 e 2008) qualificou as cirurgias como um “empoderamento” para as mulheres detentas, oferecendo a elas as mesmas opções que outras têm fora das cadeias. Daun Martin, um psicólogo, também argumentou que algumas mulheres grávidas, especialmente aquelas viciadas em drogas ou que viviam nas ruas, cometiam crimes para voltar para prisões e receber melhores cuidados médicos.
“Eu critico essas mulheres por manipularem o sistema porque estão grávidas? É claro que não,” diz Martin, 73. “Mas eu não acho que isso deva acontecer. E eu gostaria de achar maneiras de diminuir isso.” Martin negou ter aprovado essas cirurgias, mas ao menos 60 laqueaduras foram feitas em Valley State enquanto ele era o responsável, de acordo com a base de dados de contratos do Estado.
A doutora Jacqueline Long, que ocupa o mesmo cargo que Martin na California Institution for Women, se recusou a discutir porque internas sob sua responsabilidade foram submetidas a cirurgias de ligação das trompas sem a devida autorização. Porém, um ex-oficial da prisão de Corona, William Kelsey, disse que havia desacordo sobre o procedimento entre os membros da equipe.
Em uma reunião no fim de 2005, alguns oficiais corregedores discordaram da equipe médica de Long a respeito da inclusão do procedimento de laqueadura a um contrato com um hospital local, segundo Kelsey. Os oficias consideraram que as cirurgias não eram essenciais para os cuidados médicos e questionaram se o estado deveria pagar por elas.
“Eles não achavam que criminosas e internas tinham o direito aos cuidados que estávamos proporcionando e deixaram suas opiniões pessoais prevalecerem”, disse Kelsey. No entanto, o serviço foi incluído e Kelsey diz que as reclamações diminuíram.
Leis estaduais e federais proíbem a esterilização de detentas com recursos federais, o que reflete a preocupação de que as prisioneiras se sintam pressionadas a se submeter ao procedimento. Em vez disso, a Califórnia usou verba estadual, mas desde 1994, o procedimento precisa ser aprovado caso a caso por médicos oficiais da cidade de Sacramento.
“Nos sentimos um pouco nauseados”
Até agora, nenhum pedido de ligação de trompas foi apresentado para o comitê de saúde responsável para aprovar cirurgias mais sensíveis, segundo o médico Ricki Barnett, que acompanha os serviços médicos e gastos para a Corporação de Recebimento de Saúde das Prisões da Califórnia. Barnett está à frente do comitê desde 2008.
“Quando ouvimos falar nas laqueaduras, nos sentimos um pouco nauseados,” disse Barnett. “A questão não era que as pessoas estavam conspirando, ou sendo coercitivas ou descuidadas. O que me preocupa é que as pessoas nunca deram um passo para trás para imaginar o que elas sentiriam se estivessem no lugar das detentas, e o que o futuro delas reservava caso realizassem o procedimento.”
Jeffrey Callison, porta-voz do departamento de correções do Estado da Califórnia, disse que o órgão não poderia comentar porque não tem mais acesso aos arquivos médicos das internas. “Todos os cuidados médicos para as detentas, do passado e do presente, estão sob controle do Escritório da Recebedoria,” Callison escreveu em um email.
O recebedor supervisionou os cuidados médicos em todas as 33 prisões estaduais desde 2006, quando o juiz Thelton Henderson, do distrito norte da Califórnia, decidiu que o sistema de saúde era tão precário que violava a proibição constitucional a punições cruéis e incomuns. Registros mostram que o Escritório da Recebedoria estava ciente de que as esterilizações estavam acontecendo.
Em setembro de 2008, o Justice Now, grupo de direitos prisionais, recebeu uma resposta sobre o tratamento dado a internas grávidas escrita por Tim Rougeux, recebedor-chefe na época. A carta dizia que as duas prisões ofereciam a cirurgia de esterilização para mulheres.
Mas nada mudou até 2010, quando a organização com sede em Oakland entrou com um pedido de acesso aos arquivos públicos e fez uma reclamação ao escritório da senadora Carol Liu, diretora do Comitê para Mulheres e Crianças no Sistema de Justiça Criminal do Senado americano.
Por telefone, Barnett disse que o Escritório do Recebedor pediu a ela para pesquisar sobre o tema. Depois de analisar arquivos médicos e financeiros, Barnett se encontrou em 2010 com funcionários em ambas as prisões femininas e contratou profissionais de saúde afiliados a hospitais na região.
Durante esses encontros, disse a eles para parar com as esterilizações das prisioneiras. Em resposta, segundo ela, eles lhe deram uma bronca.
Barnett relembra que a restrição de idade de 16 anos para fazer ligações das trompas parecia novidade para os administradores de saúde da prisão, médicos, enfermeiras e clínicos. Segundo ela, nenhum dos médicos pensou que precisasse de permissão para realizar as cirurgias nas internas. “Todos estavam agindo com base no fato de que era uma coisa perfeitamente normal de se fazer”, diz ela.
Fatores de risco
Martin, gerente médica da Prisão Estadual Valley, diz que ela e sua equipe descobriram que o procedimento era restrito cinco anos atrás. Alguém havia feito uma reclamação sobre a esterilização de uma interna que tinha pelo menos seis filhos, e isso a levou a pesquisar as regras médicas da prisão. Depois de descobrir sobre as restrições, Martin disse ao CIR que ela e Heinrich começaram a procurar jeitos de burlá-las. Segundo conta, os dois acreditavam que as regras eram injustas para as mulheres.
“Tenho certeza que em pelo menos duas ocasiões, (Heinrich) veio falar comigo dizendo ‘Mary Smith está passando por uma emergência médica e nós precisamos fazer uma ligação de trompas. Ela tem seis filhos. Podemos fazer?’”, diz Martin. “E eu disse, ‘Bem, se você documentar como emergência médica, talvez.’”
Heinrich diz que ofereceu ligações de trompa somente para internas grávidas que tinham histórico de pelo menos três cesarianas. Segundo ele, nesse caso uma nova gravidez poderia ser perigosa porque o tecido do útero poderia romper-se, resultando em uma grande perda de sangue e possibilidade de morte. “Era um problema médico que nós tínhamos que avisar,” diz Heinrich. “É responsabilidade do médico que está trabalhando no parto… fazer com que ela saiba o que está acontecendo. Até corremos risco se não dizemos a elas.”
Mas ex-internas contam uma história bem iferente.
Michelle Anderson, que teve um bebê em dezembro de 2006 enquanto estava na prisão de Valley, diz que ela tinha feito apenas uma cesariana. Anderson, 44, foi questionada várias vezes se concordava com a esterilização, mas jamais lhe disseram que havia fatores de risco envolvidos. Ela recusou.
Nikki Montano também tinha somente uma cesariana antes de aterrisar em Valley em 2008, grávida e batalhando contra o vício em drogas. Montano, 42, estava cumprindo pena por roubo, falsificação e recebimento de propriedade roubada. Mãe de sete crianças, ela disse que nem Heinrich, nem a equipe médica disseram a ela o porquê da necessidade de uma ligação de trompas.
“Eu pensei que era o que acontecia na prisão – eque esse era o melhor médico que iria conseguir”, diz Montano. “Ele nunca me disse nada sobre nada.” Montano concordou com a cirurgia e diz que ainda considera o procedimento como positivo em sua vida.
A Dra. Carolyn Sufrin, obstetra e ginecologista no Hospital Geral de São Francisco, que também é professora na Universidade de São Francisco, diz que não é uma prática comum oferecer ligações de trompas a mulheres que já realizaram cesarianas. Ela confirma que ter múltiplas cesarianas aumenta o risco de complicações, mas mesmo assim, segundo ela, é mais apropriado oferecer à mulher maneiras reversíveis de controle de natalidade, como aparelhos intrauterinos ou implantes.
“Cada cesariana, cada situação, é diferente”, diz Sufrin. “Algumas mulheres com cesarianas prévias não têm nenhum problema ou risco.”
Histórico de eugenia
As ligações de trompa representam uma pequena porção do tratamento médico fornecido a internas grávidas. Estatísticas e um relatório do Escritório de Acolhida na Prisão mostram que entre 2000 e 2010, 2.423 mulheres realizaram partos enquanto estavam presas, na Califórna, custando ao Estado americano US$ 2,7 milhões de dólares. Menos de uma em cada dez foram cirurgicamente esterilizadas.
Mas os números não contam a história inteira. A Califórnia ainda lida com um passado feio: sujeitos a leis de esterilização compulsória na Califórnia e em outros 31 estados dos Estados Unidos, minorias pobres, deficientes físicos, doentes mentais e criminosos foram apontados como inferiores e esterilizados como maneira de prevenir a propagação de seus genes.
Essa prática ficou conhecida como eugenia.
Entre 1909 e 1964, cerca de 20 mil mulheres e homens na Califórnia passaram por cirurgias para evitar a reprodução – fazendo do estado o mais prolífico em esterilização nos Estados Unidos. Historiadores dizem que, nos anos 1930, a Alemanha nazista chegou a buscar conselhos com líderes eugenistas do Estado.
Em 2003, o Senado realizou duas audiências para expor essa história, com os depoimentos de pesquisadores, acadêmicos e funcionários do governo. Em resposta, o então Procurador Geral Bill Lickyer e o governado Gray Davis apresentaram desculpas oficiais.
“Nossos corações estão pesados pela dor que a eugenia causou. Foi um capítulo triste e lamentável da história do nosso estado. Algo que nunca mais deve ser repetido”, diz Davis na declaração.
O que faltou nas audiências foi a perspectiva dos funcionários das prisões estaduais. O então diretor de correções, Edward Alameida Jr, informou o comitê do Senado que o sistema prisional não tinha registros sobre esterilizações.
“Enquanto obviamente esse foi um capítulo negro da história da Califórnia, o CDC (sigla em inglês para Departamento de Correções e Reabilitação da Califórnia) representou um papel minúsculo”, escreveu Alameida em uma carta datada de junho de 2003. “Nossa participação, portanto, em sua audiência não forneceria nenhuma informação substancial nessa questão e eu não acredito que nossa presença iria contribuir de alguma maneira para seus objetivos.”
Porém, Alexandra Minna Stern, professor da Universidade de Michigan e especialista no processo de esterilização da Califórnia, cita a atividade da prisão estadual entre as questões pendentes daquela era. Stern depôs durante as audiências, dizendo que ela encontrou em mãos privadas e em arquivos de universidade provas de 600 esterilizações realizadas na Prisão Estadual de San Quentin, anteriores a 1941, que não estavam incluídas nos números oficiais. Segundo disse ao comitê, os esterilizadores da Califórnia viam seu trabalho como humano e econômico.
“Um dos objetivos – e isso é crítico para entender a história da eugenia na Califórnia – era economizar dinheiro: como reduzir os gastos com bem-estar social,” disse Stern, de acordo com a transcrição de sua audiência. “E a esterilização está muito ligada a isso.”
Pressionada à esterilização durante o trabaho de parto
A Corte Suprema dos Estados Unidos, depois da indignação pública e dominante sobre a eugenia e abusos similares com esterilizações no Alabama e em Nova York, gerou novos requisitos nos anos 1970 para que médico informassem completamente os pacientes. Desde então, é ilegal pressionar qualquer pessoa para que ela seja esterilizada ou pedir seu consentimento durante o trabalho de parto ou o nascimento da criança.
Ainda assim, Kimberly Jeffrey diz que foi pressionada por um médico enquanto estava sedada e amarrada a uma mesa cirúrgica para uma cesárea em 2010, durante uma temporada em Valley por violação da condicional. Jeffrey, 43, estava horrorizada, conta, e resistiu.
“Ele disse, ‘Então, nós vamos fazer a ligação das trompas, certo?’”, conta Jeffrey. “Eu disse, ‘Ligação de trompas? Do que você está falando? Eu não quero que seja feito nenhum procedimento. Só quero ter o meu bebê’. Eu entrei em pânico.”
Jeffrey forneceu cópias dos arquivos oficiais hospitalares e de sua prisão ao CIR. Os arquivos mostram que Jeffrey rejeitou a ligação de trompas oferecida durante um check-up pré-natal em dezembro de 2009, no consultório de Heinrich. Um relatório médico da cesária de Jeffrey um mês depois aponta que ela novamente havia recusado a ligação de trompas depois que chegou ao Hospital Comunidade Madera. Segundo ela, em nenhum momento, ninguém deu qualquer justificativa médica para realizar a ligação de trompas.
Essa experiência ainda assombra Jeffrey, que vive em São Francisco com seu filho de três anos, Noel. Ela trabalha com grupos buscando melhorar as condições para prisioneiras e tem feito lobby com legisladores em Sacramento. Jeffrey recentemente realizou a prova do vestibular e espera lutar por um diploma na Universidade Federal de São Francisco.
“Ter sido tratada como se eu fosse menos que um ser humano gerou em mim um desespero”, diz.
Os funcionários das prisão estadual “são os verdadeiros ofensores”, acrescentou ela. “Eles repetidamente me ofenderam ao negar o meu direito à dignidade e humanidade.”
Dorothy Roberts, professor de direito na Universidade da Pensilvânia e especialista em esterilização, diz que tribunais concluíram que solicitar aprovação para o procedimento de esterilização durante o trabalho de parto é coercitivo, isso porque a dor e o desconforto podem comprometer a habilidade da mulher em tomar a decisão.
“Se isso acontecesse em uma prisão federal, seria ilegal”, diz Roberts. “Existem situações específicas em que não se pode dizer que houve consentimento, e uma delas é durante o nascimento da criança ou o trabalho de parto. Nenhuma mulher deve dar consentimento enquanto está em uma mesa de operação.”
Heinrich considera as questões levantadas sobre seu tratamento médico injustas e diz que suspeita dos motivos das mulheres. Ele insiste que trabalhou duro para dar às internas tratamento médico de alta qualidade, e acrescenta que centenas de prisioneiras poderiam confirmar isso.
“Todas queriam que fosse feito”, afirma ele sobre as esterilizações. “Se elas vem um ou dois anos depois dizendo ‘alguém me forçou a fazer isso’, isso é mentira. Isso é alguém procurando receber esmola do Estado”, diz. “Eu acho que o único motivo para elas fazerem isso não é porque se sentem injustiçadas, mas porque querem continuar com o subsídio do Estado, de algum jeito.”
Barnett se recusou a responder se as práticas de Heinrich foram revisadas pelo Escritório de Acolhida, citando leis de confidencialidade de empregados. Inicialmente, ela disse acreditar que Heinrich havia deixado o sistema prisional. Entretanto, logo depois de se aposentar em 2011, Heinrich retornou em outro cargo. Ele atualmente é um dos clínicos contratados pela prisão.
Barnett ressaltou que buscava apenas acabar com as esterilizações na prisão, não investigar funcionários ou entrevistar internas sobre os abusos que podem ter ocorrido. “Se o Dr. Heinrich disse coisas impróprias? Não posso dizer”, acrescentou ela. “Se o nosso processo é suficientemente draconiano para eliminar maus atores? Nós temos vários processos cvis contra eles. São 100% eficazes? É o melhor processo que inventamos? Não, claro que não.”
Com edição de Amy Pyle e co-edição de Nikki Frick e Christine Lee.

Por Corey G. Johnson, do Center for Investigative Reporting

Fonte: Agência Pública
[Via BBA]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Na Califórnia, médicos são acusados de coagir detentas à esterilização
Na Califórnia, médicos são acusados de coagir detentas à esterilização
http://1.bp.blogspot.com/-4ExC93i4Wl0/Ug5ocy0y8JI/AAAAAAAAV44/4UDTYPiZN4s/s400/detenta.png
http://1.bp.blogspot.com/-4ExC93i4Wl0/Ug5ocy0y8JI/AAAAAAAAV44/4UDTYPiZN4s/s72-c/detenta.png
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2013/08/na-california-medicos-sao-acusados-de.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2013/08/na-california-medicos-sao-acusados-de.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy