$hide=/p/valores.html

Jornalismo também está sendo julgado no desfecho do caso Manning

Indicar:

Muitas das questões centrais tratadas durante o julgamento militar não serão abordadas publicamente até a sentença – e imprensa e público p...

Muitas das questões centrais tratadas durante o julgamento militar não serão abordadas publicamente até a sentença – e imprensa e público podem ser ignorados, diz Alexa O’Brien, jornalista que acompanha o caso em Maryland, Virginia.


Fort Mead, Maryland – No momento em que defesa e promotoria davam por encerradas as apresentações de seus argumentos no julgamento do maior caso de vazamento de informações da história norte-americana, a defesa argumentou, na segunda-feira, que a juíza que preside a corte militar, Coronel Denise Lind, deveria recusar a acusação de “ajuda ao inimigo” e outras acusações sérias feitas a Bradley Manning, soldado que disponibilizou centenas de milhares de documentos diplomáticos e relatórios do Exército dos EUA ao WikiLeaks, publicados integralmente no site da organização em 2010.

O advogado de defesa civil, David Coombs, também argumentou, na mesma segunda, que os promotores não conseguiram apresentar provas de que Manning tinha conhecimento de que a Al Qaeda – ou o inimigo – teria usado o WikiLeaks a seu favor. Qualquer coisa que se pareça com essa acusação abriria um precedente perigoso à imprensa livre, ele disse, porque os promotores militares já afirmaram que condenariam Manning da mesma forma, independentemente de a organização receptora dos documentos ser o The New York Times ou o WikiLeaks.

Lind, juiza-chefe do Primeiro Circuito Judicial do Exército dos EUA, declarou, também na segunda, que ela permitiria que a promotoria refutasse o argumento da defesa de que o WikiLeaks era uma organização jornalística respeitável à época dos acontecimentos envolvendo Manning, e que o soldado tinha um “motivo nobre” ao informar o público, como afirmou a defesa. A intenção da promotoria era convocar novamente o perito forense principal do caso, para discutir os e-mails enviados a membros da imprensa bem como os tweets do WikiLeaks encontrados em mídias digitais pertencentes a Manning. Além disso, os promotores tinham a intenção de chamar outro membro da brigada de Manning para testemunhar que o acusado teria dito a ele, em maio de 2010, que “ficaria chocado se você não falasse de mim para seus filhos daqui a dez ou quinze anos”.

Manning, que foi preso em maio de 2010 e passou 1101 dias em confinamento antes do julgamento começar no mês passado, é acusado de ter cometido 22 crimes. Apesar da apelação a crimes mais brandos, que somam uma sentença de 20 anos, o governo insiste nas 21 acusações, que incluem ajuda ao inimigo, espionagem, roubo à propriedade do governo e “publicação devassa” (divulgação de material sensível sem avaliar as consequências e riscos recorrentes da revelação), que pode levar o soldado de 25 anos à prisão perpétua e uma pena de 149 anos em prisão militar, caso seja condenado.

Manning optou por ser julgado por apenas um juiz militar e não por um júri composto por oficiais e praças. Após os argumentos finais, que virão em seguida à refutação da promotoria, a juíza Lind irá deliberar e anunciar suas conclusões. Diferentemente de uma corte federal, em que o pronunciamento da sentença vem após a conclusão de um relatório pré-sentença, no julgamento de Manning a sentença será dada imediatamente.

No processo de decisão até a sentença final, tanto a defesa como a promotoria irão apresentar provas, convocar testemunhas e argumentar sobre a punição apropriada. O número máximo de sentenças (dadas por cada crime) está descrito no Manual para Corte Marcial e segue regras previamente estipuladas pela corte.

Já que a condicional não é concedida em casos onde o réu é julgado por uma corte militar, a autoridade máxima citada, o Major-general Jeffrey Buchanan, comandante do Distrito Militar de Washington, pode revogar a decisão da juíza Lind e reduzir a sentença de Manning. Contudo, o major-general não pode reverter a absolvição ou aumentar a pena do réu, contrariando a decisão da juíza.

Na segunda, Coombs citou o depoimento de uma testemunha do Centro de Contra-inteligência do Exército dos EUA, que publicou um relatório sobre o WikiLeaks intitulado “Wikileaks.org – uma referência online para serviços de inteligência estrangeiros, insurgentes ou grupos terroristas?”, para argumentar: “O Exército dos EUA não sabia se o inimigo havia acessado o WikiLeaks… mas eles querem atribuir esse conhecimento a um analista-júnior”.

Num testemunho histórico na audiência de semana passada, o Prof. Yochai Benkler, co-diretor do Centro Berkman para Internet e Sociedade, da Faculdade de Direito de Harvard, disse à juíza que “o custo de considerar Manning culpado por ajudar o inimigo implicaria” num fardo muito grande à “boa vontade de pessoas bem-intencionadas, mas que não possuem uma coragem infinitas, de fazerem revelações” e “iria prejudicar gravemente a maneira pela qual o jornalismo investigativo baseado em vazamentos tem contribuído com a tradição da imprensa livre nos Estados Unidos”.

“Se a entrega de materiais a uma organização, feita por qualquer pessoa com conexão a internet, pode ser considerada como uma colaboração feita a um inimigo – isso necessariamente significa que qualquer vazamento destinado a uma organização de mídia pode ser acessada por qualquer inimigo, em qualquer lugar do mundo, o que torna o vazamento, automaticamente, uma ajuda ao inimigo”, disse Benkler. “Essa pode ser a acusação”, acrescentou.

Benkler testemunhou que o WikiLeaks era uma nova forma de jornalismo digital que cabia num modelo de distribuição típico da era da internet, pautado no compartilhamento de informações e agregação de conteúdo, que ele batizou como “rede do Quarto Poder”. Quando questionado pela promotoria se “vazamentos em massa de documentos são inconsistentes enquanto jornalismo”, Benkler respondeu que a análise do volume de conjunto de dados como os logs da Guerra do Iraque fornece um conhecimento que não havia sido encontrado em um ou outro documento contendo evidências conclusivas. Os logs da Guerra no Iraque, segundo ele, se tornaram uma fonte alternativa e independente para a contagem de mortos “baseada em documentos formais que possibilitaram uma análise que não era correlacionada àquela que levava em conta suas consequências políticas”.

Manning foi acusado de posse ilegal e comunicação intencional de vídeo não-confidencial de um bombardeio norte-americano à província de Farah, no Afeganistão, que matou pelo menos 140 mulheres e crianças em 2009. Era a única violação do Ato de Espionagem que ele não apelou pelo abrandamento da pena. Ele se declarou inocente e o WikiLeaks nunca publicou esse vídeo.

O vídeo contendo o ataque aéreo a Granai faz parte da teoria central da promotoria, que liga Manning à investigação criminal federal em andamento sobre o WikiLeaks e seu fundador, Julian Assange. (Assange, que está há mais de um ano na Embaixada do Equador em Londres para evitar sua provável extradição aos EUA, apareceu nas últimas semanas como um aliado crucial de Edward Snowden, o ex-analista da CIA que deixou os EUA antes de compartilhar documentos secretos com jornalistas do The Guardian e do Washington Post sobre a vasta coleta de dados de americanos e outros). Mas na segunda semana de julgamento, o perito forense principal da Unidade de Investigação de Crimes Digitais do Exército (CCIU) testemunhou que ele não encontrou conexões entre Manning e um indivíduo investigado pelo FBI por supostamente tentar descriptografar o vídeo em questão.

Boa parte do julgamento e das audiências preliminares foram conduzidas sem transparência, de maneira obscura. A juíza Lind e o Exército dos EUA negaram o acesso público a mais de 30 mil páginas dos documentos pré-julgamento durante os 18 meses que antecederam as audiências, antes mesmo do Exército divulgar quase 500 relatórios pré-julgamento no terceiro dia de audiência do caso Manning.

As transcrições não-oficiais das sessões abertas, disponibilizadas e publicadas pela Freedom of the Press Foundation, não contêm as informações ocultadas pelo governo sob a tarja preta confidencial das estipulações de oito testemunhas do Departamento de Estado a respeito de 117 documentos.

Quando o diretor da divisão de contra-espionagem da Agência de Inteligência da Defesa, Dan Lewis, testemunhou numa sessão fechada, longe do público, no início do mês, as janelas da sala de audiência foram cobertas com folhas de alumínio revestidas de carpete, para prevenir que fossem captadas vibrações sonoras do depoimento na superfície dos vidros.

Uma vez que a corte determinou que motivo e dano real (ou “falta de dano”) não eram evidências relevantes no julgamento (exceto para provar circunstancialmente que Manning estava ciente do fato de que o inimigo usou o site do WikiLeaks), a prova da intenção de Manning e do impacto dos vazamentos finalmente vão ser apresentadas à corte durante o processo de decisão da sentença. Resta esperar para ver, contudo, quanto dessa parte do julgamento será aberta ao público, já que o governo espera fazer as oitivas de 13 testemunhas secretas em sessões fechadas ou com acordos de confidencialidade.

No final de maio, a promotoria tomou conhecimento de que três avaliações confidenciais de danos seriam utilizadas como provas durante o julgamento. Sabe-se que duas das avaliações da Agência de Inteligência da Defesa (DIA), da Força-tarefa de Análise da Informação (IRTF), e do Gabinete Executivo de Contra-inteligência (ONCIX) estão no formato de resumos confidenciais.

Apesar de um acusado ter o direito de acesso às provas utilizadas contra ele num julgamento, os promotores não querem que Manning tenha acesso às avaliações originais. O formato da terceira avaliação é desconhecido, mas a defesa especula que se estiver sua forma original, apenas o advogado de defesa teria acesso ao documento original. Manning, não.

A terceira avaliação de danos é, provavelmente, do Departamento de Estado, embora os promotores tenham apresentado, em defesa, uma declaração de impacto do FBI e duas avaliações de danos da CIA (incluindo uma da Força-Tarefa do WikiLeaks) durante o pré-julgamento.

Um mês após a prisão de Manning, no Iraque, em 2010, o então Secretário de Defesa Robert Gates solicitou ao diretor do DIA, Ronald Burgess, que convocasse o IRTF para conduzir uma revisão completa dos documentos supostamente vazados ao WikiLeaks para “determinar se qualquer TTP (táticas, técnicas e procedimentos) foram expostos e se qualquer ajuste precisa ser feito tendo em vista a exposição”, de acordo com o Assessor de Imprensa do Pentágono à época, Geoff Morrell.

A força-tarefa, liderada pelo especialista em contra-inteligência, o Brigadeiro-General Robert Carr, era composta por cerca de 80 pessoas, incluindo analistas de inteligência e especialistas de contra-inteligência do DIA, Comando do Pacífico, Comando Central e Sub-secretaria de Defesa para a Inteligência, é a responsável por coordenar a investigação sobre o Wikileaks em andamento no Departamento de Defesa. Outras parcerias incluem o FBI e o Comando de Investigação Criminal do Exército. Carr vai testemunhar à promotoria numa sessão fechada ou sob acordo de confidencialidade, assim como dois outros indivíduos do DIA: Julian Chestnut e John Kirchhofer, que ocupa a posição civil de nível sênior de inteligência de defesa e contra-inteligência e inteligência humana.

Em meados de 2010, o Departamento de Estado começou a trabalhar com o IRTF para “revisar todo o material do Estado supostamente vazado e avaliar e resumir o efeito global que a liberação dos documentos pelo WikiLeaks teve sobre o país-anfitrião”, disse o embaixador Patrick Kenedy, o sub-secretário de administração do Departamento de Estado, quando testemunhou diante do Comitê do Senado para Segurança Interna e Assuntos Governamentais, em março de 2011.

No final de 2010, o IRTF já havia analisado quase 70 mil documentos liberados pelo WikiLeaks. De acordo com um registro de defesa pré-julgamento, o IRTF concluiu que “toda a informação supostamente vazada estava ultrapassada, apresentava pareceres de nível baixo ou já era de conhecimento e entendimento comum devido a publicações anteriores.”

À época, Gates escreveu uma carta para o líder do Comitê Senado para Serviços Armados, senador Carl Levin, atestando que a avaliação inicial do IRTF “de forma alguma subtraiu o risco à segurança nacional, contudo, a revisão até agora não revelou nenhuma fonte ou método sensível nessas exposições”.

Na última semana, a defesa tentou estabelecer, através do depoimento de Benkler, que a retórica “exagerada” e “insistente” do governo durante o lançamento do WikiLeaks foi responsável por atrair o inimigo para o site do WikiLeaks. A resposta do governo, disse Coombs, foi o que transformou o WikiLeaks de “organização jornalística legítima” para uma “organização terrorista”.
A ONCIX, que é parte do Departamento do Diretor de Inteligência Nacional, juntamente com o Departamento de Supervisão da Segurança de Informação, responsável pela supervisão do sistema de classificação de todo o governo, liderou uma revisão independente sobre os métodos das agências federais ao lidar com informações confidenciais, aproveitando o ensejo criado pelos vazamentos do WikiLeaks em 2010.
O relatório de avaliação de danos da ONCIX intitulado “O mau uso das informações confidenciais pelo WikiLeaks” foi resultado de memorando enviado por Jacob Lew, diretor do Departamento Executivo de Administração e Orçamento, em novembro de 2010. O memorando foi dirigido aos chefes das principais agências federais, requerendo que eles designassem equipes para conduzir revisões internas de “práticas de segurança a respeito da proteção de informações confidenciais” em suas agências.

Um questionário posterior solicitou a essas equipes para que auditassem, entre outros itens, se as agências “capturam provas de utilização de dados anterior e/ou posterior ou de participação em sites que garimpam dados como o WikiLeaks e Open Leaks”.

A Equipe de Mitigação do WikiLeaks no Departamento de Estado foi um dos grupos de trabalho formados a partir das diretivas do então diretor do OMB, Jack Lew, entre novembro de 2010 e janeiro de 2011. A equipe respondia ao embaixador Patrick Kennedy, que também deve depor para a promotoria numa sessão fechada ou com acordo de sigilo durante o processo de decisão de sentença de Manning. Kennedy é a autoridade responsável pelas classificações de 117 documentos diplomáticos vazados e dos Serviços de Segurança Diplomática, órgão em que trabalhou, em parceria com os Departamentos de Defesa e Justiça, nas investigações do caso de Julian Assange, Wikileaks e Bradley Manning, diretamente subordinadas a ele.

O diretor de Contra-inteligência e Apoio Consular do Departamento de Inteligência e Pesquisa (INR) foi responsável, em 2011, por um relatório de avaliação de danos feito para o Departamento de Estado. Em junho de 2012, a secretária-assistente do INR, Catherine Brown, declarou que ela editou esse relatório e encaminhou-o diretamente a Kennedy.

O autor do relatório para o Departamento de Estado é também o contato principal da agência com o FBI, um parceiro na investigação sobre o WikiLeaks, que envolve diferentes agências.
Foi Kennedy quem testemunhou diante da comissão do Senado para Segurança Interna e Assuntos Governamentais, em março de 2011, sobre as medidas tomadas pelo Departamento de Estado em resposta à publicação dos documentos diplomáticos pelo WikiLeaks. Kennedy também testemunhou ao Congresso no final de novembro e início de dezembro de 2010.

Um funcionário do Congresso, que foi brifado pelo Departamento de Estado à época, disse à Reuters que “a administração foi compelida a declarar publicamente que as revelações prejudicaram seriamente os interesses americanos, na tentativa de apoiar esforços legais para desativar o site WikiLeaks e incriminar os ‘vazadores’”.

Uma reportagem da Reuters mostrou que avaliações internas indicaram que o vazamento de documentos diplomáticos e “dezenas de milhares de relatórios de campo do Iraque e Afeganistão” teriam “causado danos limitados aos interesses dos EUA no cenário mundial, ao contrário do que a administração do Obama declarou publicamente”.

“Fomos informados de que [o impacto das revelações do WikiLeaks] foi embaraçoso, mas não danoso”, revelou um assessor do Congresso à Reuters.

Além de Kennedy, o embaixador Michael Kozak, chefe do departamento responsável por formar outro grupo de trabalho para investigar o WikiLeaks, também deve depor em sessão fechada ou sob acordo de sigilo, assim como a secretária-adjunta do Departamento de Relações com o Oriente Próximo, Elizabeth Dibble, e o secretário-adjunto do Departamento de Relações do Hemisfério Ocidental, John Feeley.

Desde janeiro de 2011, Alexa O’Brien já cobriu os vazamentos dos documentos do Departamento de Defesa dos EUA, o vazamento do arquivos de Guantánamo, revoluções no Egito, Bahrein, Irã e Iêmen, o processo de acusação a Bradley Manning e as investigações dos EUA em relação ao WikiLeaks. Ela também entrevistou um especialista americano em política externa sobre os documentos do Camboja, e publicou horas de entrevistas feitas em Guantánamo com guardas, detentos, advogados de defesa e ativistas de direitos humanos, além de entrevistas com parceiros do WikiLeaks, como Andy Worthington, um historiador e autor de livros sobre Guantánamo, e Atanas Tchobanov, o porta-voz do Balkanleaks e co-editor do Bivol.org.
Por sua cobertura da guerra ao terror, das revoluções de 2011 no Oriente Médio e Norte da África, e por ter colaborado com a organização da ocupação de Wall Street e em outras cinco cidades americanas em 17 de setembro de 2011, o governo dos EUA e empresas privadas de segurança tentaram falsamente ligá-la, assim como um grupo de reforma de financiamento de campanha que ajudou a fundar, à Al Qaeda e “cyber-terroristas”.
Ela é uma das partes num processo contra a administração Obama pela Seção 1021(b)(2) do Ato de Autorização de Defesa Nacional FY2012, com autoria de Chris Hedges e outros cinco reclamantes. A Seção 1021 (b)(2) permite a prisão por tempo indeterminado sem julgamento ou acusação formal – quem for meramente suspeito pode ser considerado pelo Executivo como simpatizante do terrorismo.
O depoimento e os pedidos formais feitos por ela foram fundamentais para que a juíza Katherine Forrest concedesse uma liminar permanente em relação à Seção 1021(b)(2). Em junho, espera-se o pronunciamento em segunda instância sobre o embargo solicitado pelo Departamento de Justiça em setembro de 2012.
Por um ano e meio, ela produziu a única transcrição disponível sobre as acusações preliminares no caso Manning. Alexa também disponibilizou uma das poucas análises sobre o caso, uma lista de provas forenses, perfis das testemunhas e um banco de dados com as gravações disponíveis das audiências.
Por conta da familiaridade com o tema, com os procedimentos e tarefas investigativas, ela foi capaz de “desredigir” uma seleção de documentos do tribunal.
Ela foi agraciada com uma financiamento do Freedom of the Press Foundation pelo seu trabalho de cobertura do julgamento de Bradley, e seu trabalho foi indicado para o Prêmio de Jornalismo Martha Gellhorn 2013.
Por Alexa O'Brien, do The Daily Beast.

Matéria publicada originalmente no The Daily Beast e traduzida por Luiza Bodenmüller.
Fonte: Agência Pública
[Via BBA]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Jornalismo também está sendo julgado no desfecho do caso Manning
Jornalismo também está sendo julgado no desfecho do caso Manning
http://4.bp.blogspot.com/-VF5CSl0Ou4U/UegcYG8MnNI/AAAAAAAAVg0/Xp0yLQTVN5I/s400/manning.jpg
http://4.bp.blogspot.com/-VF5CSl0Ou4U/UegcYG8MnNI/AAAAAAAAVg0/Xp0yLQTVN5I/s72-c/manning.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2013/07/jornalismo-tambem-esta-sendo-julgado-no.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2013/07/jornalismo-tambem-esta-sendo-julgado-no.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy