$hide=/p/valores.html

The Economist, o jornal mais influente do mundo

O que une o apoio à guerra do Iraque e à legalização das drogas, a condenação do WikiLeaks e do “Leviatã estatal”, a celebração do liberalis...

O que une o apoio à guerra do Iraque e à legalização das drogas, a condenação do WikiLeaks e do “Leviatã estatal”, a celebração do liberalismo e o chamado ao resgate dos bancos? Essas posições foram defendidas pela mesma publicação: The Economist. A qual, a cada semana, exibe um espelho lisonjeiro às classes dominantes


por Alexandre Zevin

Assolada pelo desmoronamento contínuo de suas vendas, de seus assinantes e de seus contratos publicitários, a imprensa escrita atravessa um período de crise no qual os lucros da internet não trouxeram o remédio esperado. The Economist é a exceção. Apesar de uma diminuição recente de suas vendas, o semanário britânico continua dando mostras de uma saúde esplêndida, principalmente nos Estados Unidos, onde se concentra agora a maior parte de seus leitores.

Tamanho sucesso intriga. A National Public Radio (NPR) norte-americana se perguntava em 2006 como um jornal dotado de um “título soporífero” e de um “conteúdo por vezes esotérico” tinha conseguido ganhar 13% de leitores em relação ao ano precedente. Mais recentemente, seus números de difusão em 2010 – 1,42 milhão de exemplares rodados por edição, dos quais 820 mil nos Estados Unidos, onde as vendas foram multiplicadas por dez desde 1982 – deram espaço para uma nova salva de comentários invejosos.

Para o New York Times, essas performances se explicariam por um senso afiado de marketing: a elegante austeridade do logo – letras brancas em um retângulo vermelho –, acrescida de um preço de venda relativamente elevado constituiriam uma espécie de marcador social, um meio para o leitor afortunado, ou que se pretende como tal, afirmar seu pertencimento à elite.1 O semanário busca alimentar essa identificação, como na campanha publicitária de 2007:

Estamos sozinhos no topo, mas pelo menos temos o que ler.

Por lisonjear o perfil do consumidor, The Economist já atraiu para si em 1991 os sarcasmos do Washington Post. O jornalista James Fallows acusava ali a revista londrina de buscar se adequar a um público de privilegiados, facilmente enganados pelo sotaque britânico e o “estilo pomposo de Oxbrigde [contração das palavras Oxford e Cambridge]”.2

A alusão a certo elitismo não era desmerecida. Segundo seus próprios números, The Economist dispõe dos leitores norte-americanos mais ricos (US$ 166.626 de salário anual em média, contra apenas US$ 156.162 para o leitor do Wall Street Journale US$ 45.800 do salário médio de uma família). The Economist age como signo distintivo de uma comunidade impressionantemente ampla. Sua aptidão para crescer até mesmo em tempos de crise repousa sobretudo em uma política editorial claramente assumida: promover a “sabedoria dos mercados” e combater toda e qualquer intervenção dos poderes públicos.

“Bom senso econômico”

As mídias norte-americanas tendem a dar crédito à imagem que The Economist dá de si mesmo, a de um partidário do “extremo centro” e do bom senso econômico. Num editorial recente, o semanário afirmava “nunca ter sido subserviente a nenhum partido”, ao mesmo tempo que reivindicava sua “ligação de longa data com o liberalismo” – uma posição nunca traída desde sua criação em 1843, quando a Grã-Bretanha ainda era a maior potência econômica mundial.

Os acionistas do jornal consolidam seu caráter institucional. Metade de suas ações é detida pelo The Financial Times Limited (a empresa editora do jornal diário britânico Financial Times, uma filial do grupo Pearson). O resto pertence a acionistas independentes: as famílias Cadbury, Rothschild e Schroder, assim como diversos membros (e antigos membros) da redação.

Em 169 anos, dezesseis homens apenas se sucederam na chefia da revista. Desde os anos 1900, quase todos são oriundos de Oxford ou de Cambridge. Uma característica contribui à coerência da linha editorial: os artigos não são assinados. Fora algumas contribuições externas, os setenta jornalistas (dos quais cerca de cinquenta estão instalados na sede londrina) trabalham no anonimato. O sucesso de seus blogs não alterou essa capa de invisibilidade. “O resultado é que nossas escolhas editoriais seguem um percurso excepcionalmente democrático”, explica-nos o diretor atual, John Micklethwait. “A ausência de assinatura também favorece a cooperação entre jornalistas”,3 salienta o chefe de redação Bill Emmott. A precisão não carece de uma alfinetada: devotado há um século e meio à promoção da concorrência universal, o semanário se apoia sobre o princípio inverso – a cooperação – para organizar sua própria produção.

Como demonstra a reação do semanário à crise financeira de 2008, o jornal não perdeu sua fleuma. Enquanto o ministro norte-americano da Economia Henry (“Hank”) Paulson implorava para seu presidente socorrer Wall Street, The Economist apontava com erudição suas soluções para remendar o mercado imobiliário, desencalhar os créditos e os investimentos, interromper o aumento do desemprego e acalmar o mercado das dívidas soberanas. O tom tranquilo com o qual administrava suas receitas valia um certificado de honra: ele tinha visto outras crises.

Ao longo de seu primeiro século de existência, o semanário foi testemunha de diversas depressões mundiais (de 1873 a 1890 e os anos 1930), de um pânico bancário (1907), de um desmoronamento dos mercados (1929) e de uma desvalorização histórica da libra esterlina (1931), para citar apenas os casos mais notórios de deslocamento econômico. O século seguinte também não foi dos mais calmos, com o fim do sistema monetário de Bretton Woods, os choques petroleiros e as diversas convulsões regionais que acompanharam a baixa do crescimento ao longo dos anos 1970. Diante da crise financeira, The Economistadotou então a postura soberana de quem já viveu de tudo. Suas recomendações, no entanto, não brilharam nem por sua clareza nem por sua constância.

Enquanto guardião do templo liberal, o jornal mostrou uma falta espantosa de firmeza doutrinária. Com apenas algumas reservas morais, ele primeiro aplaudiu os planos de salvação em favor dos bancos. “Chegou a hora de colocar de lado os dogmas e a política para se concentrar em respostas pragmáticas”, explicava. “Isso significa, a curto prazo, uma intervenção governamental mais firme do que a que os contribuintes, os políticos e os jornais partidários da livre-troca gostariam numa época normal.” Os eleitores podem encontrar algo a dizer diante das centenas de bilhões doados para especuladores sem escrúpulos; ainda assim, estima The Economist, o poder público agiu com sabedoria: sua intervenção poupou aos cidadãos o pesadelo dos anos 1930, com suas falências bancárias e filas de espera pela sopa popular. “Nenhum país, nenhuma indústria sairia incólume de uma crise cardíaca financeira”, afirmou em 11 de outubro de 2008.

Três meses depois, o semanário julgava que a intervenção pública já havia durado tempo demais. E lançou o aviso: nacionalizar os bancos “seria um atentado à propriedade privada”, encorajaria os favores políticos, desperdiçaria uma fortuna e puniria o setor privado (24 jan. 2009).

Sua única proposta realmente coerente – fora, é claro, os chamados rituais para um maior rigor orçamentário e salarial – concerne no agrupamento das dívidas europeias via os eurobonds, apresentados como uma solução milagrosa. Mas a ideia é tomada por empréstimo de Bruegel, um think tankde Bruxelas presidido até 2008 por Mario Monti, o atual primeiro-ministro italiano. O jornal tinha acostumado seus leitores a mais audácia.



Presunção liberal

No entanto, as causas da crise continuam amplamente impenetráveis. “São as pessoas que dirigem o sistema que devem ser culpadas, não o sistema em si”, proclamou o jornal em 20 de setembro de 2010. Alguns meses antes, comentando o impasse político norte-americano, ele convidava seus leitores a “culparem Obama, e não o sistema” (18 fev. 2010). A partir do momento em que as estruturas nunca são a causa e que apenas os indivíduos devem prestar contas, a distribuição dos bons e dos maus se torna assunto para análise: repreendemos o presidente do conselho italiano Silvio Berlusconi por sua corrupção e o chefe de Estado francês Nicolas Sarkozy por suas reformas tímidas demais, mas saudamos as competências carrancudas da chanceler alemã Angela Merkel.

Aprendemos muito lendo The Economist. James Wilson, seu fundador, estimava que a função de um jornal consistia em fornecer informações confiáveis e claras para permitir aos industriais e aos ministros agir com conhecimento de causa. Ele foi o primeiro título de imprensa a publicar listas de preços. Ainda hoje, o semanário consagra diversas páginas a todos os tipos de indicadores econômicos e financeiros: volume das transações internacionais, previsões de crescimento do PIB, emissões de gás de efeito estufa...

A revista londrina se distingue também pela envergadura de sua capa internacional. Talvez seja o único semanário no mundo capaz de se dedicar em um mesmo número ao comércio pela internet na China, à bomba de dólares de Las Vegas, às “negociações de paz” no Oriente Médio, à pesquisa sobre vida em Marte, a um novo museu de arte no Catar e a um obscuro explorador sul-africano devorado por um crocodilo. A abundância de assuntos anda junto, evidentemente, com um tratamento cursivo: com exceção de algumas pesquisas especiais, os artigos são impressionantemente curtos.

Econômica nas palavras, a prosa do jornal não deixa transparecer menor presunção, principalmente com relação àqueles que não partilham seu afeto pelo liberalismo nu e cru. O célebre economista Paul Krugman é um caso. Mesmo sendo pouco suspeito de uma cruzada anticapitalista, ele é frequentemente alvo de epítetos floridos: “keynesiano grosseiro”, “militante feroz”, “herói popular da esquerda norte-americana na sua torre de marfim”, “Michael Moore das pessoas que pensam” (13 nov. 2003).



Parênteses pluralista

The Economist encarna realmente essa mistura ideal de liberalismo econômico, social e político que seu diretor, John Micklethwait, não cessa de elogiar ao público norte-americano? O jornal não parece ter percebido que a liberdade do comércio vinha precedida das liberdades sociais e democráticas, pela conquista das quais os povos por vezes pagaram um alto preço. E a livre-troca, que ele prega, nem sempre tornou a economia mais eficaz e humana, longe disso.

A despeito de algumas torções no seu credo liberal, The Economist se manteve fiel ao longo do século XIX a três princípios-chave: impor o livre-comércio, aceitar algumas reformas sociais para conter a febre revolucionária e garantir a paz no continente.

A partir da Segunda Guerra Mundial, o semanário consentiu em reatualizar seu corpo ideológico. Em 1940, diversos artigos davam a entender que ele poderia aceitar um Estado de bem-estar social; uma maneira de admitir que o liberalismo à laWilson não funcionava mais. Em uma coletânea de ensaios publicada no centenário do jornal, em 1943, o diretor da época, Geoffrey Crowther, se mostrava conciliador: o laissez-faireeconômico, dizia, provoca desigualdades e uma insegurança que apenas a intervenção pública consegue corrigir. Mas The Economistrecusava, no entanto, se alinhar aos socialistas. Não “por causa de seus objetivos, mas em razão dos meios pelos quais eles esperam atingi-los”.4 Essa magnanimidade doutrinária permitiu que ele se enriquecesse com um amplo leque de talentos e opiniões. Diversos refugiados antinazistas se uniram à redação, entre os quais – o cúmulo – dois intelectuais marxistas: o historiador Isaac Deutscher e o escritor Daniel Singer. O parêntese pluralista se fechou nos anos 1960, e o jornal retomou seu curso direitista. Durante a campanha presidencial francesa deste ano, The Economistdescreveu o candidato François Hollande como um “homem perigoso”, movido por uma “hostilidade profunda contra o mundo empresarial”, enquanto o Partido Socialista, ainda “não reformado”, sonharia em conduzir o país a uma “ruptura” com a Alemanha (28 abr.).

Hoje, o modelo social herdado do pós-guerra é visto como um obstáculo ao crescimento e, portanto, como um inimigo a ser abatido. Os sindicatos são os primeiros visados. Em 2011, The Economist explicava que, para reduzir o déficit orçamentário do Reino Unido, não bastava aumentar a idade para a aposentadoria dos funcionários e reduzir suas pensões: a “guerra contra os sindicatos da função pública” impunha também ganhos de produtividade suplementares e a generalização dos contratos flexíveis ou temporários (6 jan. 2011). Há cinquenta anos, um discurso desse tipo era inconcebível.

A partir dos anos 1950, o alinhamento com Washington constituiu o novo fio condutor. Um após o outro, os responsáveis pelo jornal aclamaram cada operação militar empreendida pela Casa Branca, tanto no Vietnã como no Iraque, na ex-Iugoslávia e no Afeganistão. Mesmo com relação aos arquivos iranianos e norte-coreanos, ele se posicionou na linha dura da administração norte-americana, irritando-se contra uma ONU necessariamente pusilânime e burocrática.

A cobertura da América Latina sofre da mesma perspectiva de análise, principalmente nos países governados pela esquerda, mais particularmente na Venezuela. Desde 1998, seu presidente, Hugo Chávez, ganhou treze das catorze eleições nacionais em condições consideradas satisfatórias pelos observadores; no entanto, The Economistnão cansa de agitar o “medo de que a Venezuela caia cada vez mais em uma ditadura” (23 set. 2010 e 5 jan. 2012). Suas fontes? A mesma oposição e as mesmas mídias que, com o apoio dos Estados Unidos, fomentaram o golpe de Estado fracassado de 2002.

De certa maneira, o jornal renovou ligações com o liberalismo de sua juventude. No que diz respeito ao papel do Estado, à sabedoria infalível dos mercados e aos perigos da contestação, suas posições nunca diferiram realmente das que já martelavam seus grandes editorialistas vitorianos. Com a pequena diferença que, atualmente, elas são expressas mais indiretamente. Seu diretor atual, formado nas escolas norte-americanas, é puro produto dessa nova cultura editorial onde se misturam o liberalismo dos dias tranquilos e sua variante contemporânea. Com mais de um século e meio de existência, o porta-estandarte da economia dominante colhe as conquistas nos quatro cantos do globo - salvo na África. Um império infinitamente mais vasto do que o de seus ancestrais ingleses.

Alexandre Zevin

Historiador da Universidade da Califórnia

Ilustração: Daniel Kondo

1 “The Economist tends its sophisticated garden” [The Economist nos jardins mais sofisticados], Jeremy W. Peters, The New York Times, 8 ago. 2010. Na França, The Economist é vendido por 5,80 euros, contra 3,50 euros para as revistas semelhantes.
2 “The economics of the colonial cringe” [A economia do servilismo colonial], The Washington Post, 6 out. 1991.
3 Citado por Libération, Paris, 8 ago. 2003.
4 The Economist, 1843-1943: a centenary volume [The Economist, 1843-1943: um volume centenário], Oxford University Press, Londres, 1943, p.13-15.

A edição eletrônica de Le Monde Diplomatique é regida pelos princípios do conhecimento compartilhado (copyleft), que visam estimular a ampla circulação de idéias e produtos culturais. A leitura e reprodução dos textos é livre, no caso de publicações não-comerciais. A única exceção são os artigos da edição mensal mais recente. A citação da fonte é bem-vinda. Mais informações sobre as licenças de conhecimento compartilhado podem ser obtidas na página brasileira da Creative Commons
[Via BBA]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

#existepesquisanobrasil A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: The Economist, o jornal mais influente do mundo
The Economist, o jornal mais influente do mundo
http://3.bp.blogspot.com/--1YaWpSIiQE/UCu3bzeovoI/AAAAAAAALrI/j6Jb7o8Nr3Q/s320/casal_fashion.jpg
http://3.bp.blogspot.com/--1YaWpSIiQE/UCu3bzeovoI/AAAAAAAALrI/j6Jb7o8Nr3Q/s72-c/casal_fashion.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2012/08/the-economist-o-jornal-mais-influente.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2012/08/the-economist-o-jornal-mais-influente.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy