$hide=/p/valores.html

O futuro da medicina? Existe um aplicativo para isso

Indicar:

Você quer saber para onde caminhará a medicina no futuro (próximo)? Daniel Kaft apresenta um olhar em ritmo acelerado das inovações da medic...

Você quer saber para onde caminhará a medicina no futuro (próximo)? Daniel Kaft apresenta um olhar em ritmo acelerado das inovações da medicina. Dietas, Tratamento para o câncer, próteses, exames e cirurgias menos invasivas, monitoramento e assistência remota (inclusive para os médicos), etc.

Daniel Kraft. TEDxMaastricht, Holanda.


Vejas as novas técnicas, ferramentas, testes e aplicativos que trazem a informação do diagnóstico direto para o leito do paciente. Pedimos que a audiência nem pisque durante a apresentação (não no sentido literal, por favor! :P).







Daniel Kraft é um médico-cientista, inventor e inovador. Ele preside o programa FutureMed na Singularity University, que explora o impacto e o potencial de rápido desenvolvimento de tecnologias aplicada à saúde e medicina.

Uns dois anos atrás quando eu estava na conferência do TED em Long Beach, eu encontrei Hamet. Na verdade tínhamos nos encontrado online antes - não da maneira que vocês estão pensando.

Nós fomos na verdade apresentandos porque ambos conhecíamos Linda Avey uma das fundadoras da primeira companhia de genoma pessoal online. E porque nós compartilhamos nossa informação genética com Linda, ela pode ver que Harriet e eu compartilhavamos um tipo muito raro de DNA mitocondrial - haplotipo K1a1b1a - o que significava que nós eramos parentes distantes.

Nós na verdade compartilhamos a mesma genealogia com Ozzie, o homem de gelo. Então Ozzie, Harriet e eu. E como aconteceu outro dia, sem dúvida, criamos nosso próprio grupo no Facebook. Vocês todos são bem vindos... E quando eu encontrei Harriet pessoalmente no ano seguinte na Conferência do TED, ela tinha encomendando online nossa própria camiseta com o haplotipo. (Risos)

Agora porque eu estou lhes contando esta história, e o que isto tem a ver com o futuro da saúde? Bem a maneira que eu encontrei Harriet é na verdade um exemplo de como alavancando a interdisciplinaridade, das tecnologia em crescimento exponencial esta afetando o futuro da nossa saúde e bem-estar - do baixo custo na análise dos genes para a habilidade de fazer poderosas bioinformáticas para a conexão da internet e das redes sociais. O que eu gostaria de falar hoje é sobre o entendimento dessas tecnologias exponenciais. Nós geralmente pensamos de forma linear. Mas se vocês pensarem sobre isto, se vocês tem uma almofada de lírios e ela se divide a cada dia - duas, quatro, oito, 16 - em 15 dias teremos 32.000. O que vocês acham que terão em um mês? Nós teremos um bilhão. Então se nós começarmos a pensar exponencialmente, nós podemos ver como isto está começando a afetar todas as tecnologias ao nosso redor.

E muitas dessas tecnologias - falando como um médico e inovador - nós podemos realmente começar a alavancar para impactar o futuro da nossa saúde e assistência médica, e para dirigir muitos dos maiores desafios que temos hoje na assistência médica que vão desde os custos exponenciais ao envelhecimento populacional, a maneira que nós verdadeiramente não usamos bem a informação hoje, a fragmentação da assistência e frequentemente o difícil curso da adoção da inovação. E uma das maiores coisas que nós podemos fazer que será falado um pouco aqui hoje é mover a curva para a esquerda. Nós gastamos a maior parte do nosso dinheiro nos últimos 20 por cento da vida. O que seria se nós pudéssemos gastar e incentivar posições no sistema de assistência médica e em nós mesmos para mover a curva para a esquerda e melhorar a nossa saúde, alavancando tecnologia ao mesmo tempo? Agora a minha tecnologia favorita, exemplo de tecnologia exponencial, nós todos temos em nosso bolso. Então se vocês pensarem a respeito, isto está na verdade melhorando dramaticamente. Eu quero dizer este é o iPhone 4. Imaginem o que o iPhone 8 será capaz de fazer.

Agora, eu tive alguns vislumbres disto. Eu tenho sido o pesquisador para o setor de medicina de uma nova instituição chamada Universidade da Singularidade sediada em Silicon Valley. E nós juntamos todos os verões cerca de 100 dos mais talentosos estudantes de todo o mundo. E nós olhamos estas tecnologias exponenciais da medicina, biotecnologia, inteligência artificial, robótica, nanotecnologia, espaço, e discursamos como nós podemos fazer um circuito e alavancar isto para impactar objetivos maiores ainda não alcançados. Nós também temos programas executivos de sete dias. E para os próximos meses virá o Futuro da Medicina, um programa para ajudar o treinamento de circuito e alavancar tecnologias para medicina.

Agora eu mencionei o telefone. Estes telefones móveis têm mais de 20 mil diferentes aplicativos disponíveis - ao ponto onde há um fora do Reino Unido onde você pode fazer xixi em um pequeno chip conectado ao seu iPhone e monitorar-se para doenças sexualmente transmissíveis. Eu não sei se eu tentaria isto, mas está disponível. Há todos os outros tipos de aplicações, unindo seu telefone e diagnósticos, por exemplo - medindo sua glicose sanguínea no seu iPhone e, potencialmente, enviando aquilo para o seu médico para que ele possa entender melhor e você possa entender melhor seu açúcar no sangue como uma diabete. Então vamos ver agora como tecnologias exponenciais estão levando a assistência médica. Vamos começar com as mais rápidas. Bem, não há segredo que computadores, através da lei de Moore, estão aumentando sua velocidade cada vez mais rapidamente.

Nós temos a habilidade de fazer coisas mais potentes com eles. Eles estão na verdade se aproximando, em muitos casos sobrepujando a habilidade da mente humana. Mas onde eu penso que a velocidade computacional é mais aplicada é naquela da imagem. A habilidade agora de olhar dentro do corpo em tempo real com uma alta resolução está realmente se tornando incrível. E nós estamos implantando múltiplas tecnologias - tomografias por emissão de pósitrons, tomografias computadorizadas e diagnóstico molecular - para encontrar e procurar coisas em níveis diferentes. Aqui vocês verão a mais alta resolução em exame de imagem por ressonância magnética feita hoje, reconstrução de Marc Hodosh, o curador do TEDMED. E agora nós podemos ver dentro do cérebro com uma resolução e habilidade que nunca foi possível antes e essencialmente aprender como reconstruir, e talvez mesmo fazer uma re-engenharia ou retro-engenharia, do cérebro para que possamos melhor entender patologias, doenças e terapias. Nós podemos olhar internamente em tempo real imagem por ressonância magnética - o cérebro em tempo real. E entendendo este tipo de processos e este tipo de conexões, nós poderemos entender os efeitos da medicação ou meditação e personalizar melhor e tornar mais eficiente, por exemplo, drogas psicoativas.

Os scanners para isto estão ficando menores, menos dispendiosos e mais portáteis. E este tipo de explosão de dados proveniente disso está na verdade se tornando um desafio. Os scanners atuais têm capacidade para 800 livros ou 20 gigabytes. Os scanners em mais dois anos terão um terabyte, ou 800 mil livros. Como vocês podem tirar vantagem desta informação? Vamos ao nível pessoal. Eu não vou perguntar aqui quem tem um colonoscópio, mas se vocês estão acima dos 50 anos, é tempo de usarem um colonoscópio. Como vocês gostariam de evitar a extremidade pontuda final do bastão? Bem agora existe um colonoscópio virtual. Comparem aquelas duas fotografias, e agora como um radiologista, vocês podem essencialmente examinar o cólon do seu paciente. e, aumentando aquilo com a inteligência artificial, identificar, potencialmente , como vocês podem ver aqui, a lesão. Oh, nós podemos tê-la perdido, mas usando inteligência artificial sobre a radiologia nos podemos achar lesões que não tinham sido vistas antes. E talvez isto possa encorajar as pessoas a terem colonoscópios que de outra maneira não teriam.

E isto é um exemplo desta mudança de paradigma. Nós estamos nos movendo para esta integração da biomedicina, tecnológica da informação, sem fio e, eu diria, móvel agora - esta era da medicina digital. Então até o meu estetoscópio é digital agora. E sem dúvida, há um aplicativo para isto. Nós estamos, obviamente, nos movendo, para a era do scanner manual. Então o ultrassom manual está basicamente passando e suplantando o estetoscópio. Estes estão agora a um nível de preço de - o que costumava ser 100 mil euros ou uns duzentos mil dólares - por cerca de $5.000, eu posso ter o poder de um equipamento capaz de um potente diagnóstico em minhas mãos. E combinando isto agora com o advento dos registros médicos eletrônicos nos Estados Unidos, nós ainda estamos menos que 20 por cento eletrônicos. Aqui nos Países Baixos, eu acho que é mais de 80 por cento.

Mas agora que nós estamos mudando para a integração de dados médicos, fazendo-os disponíveis eletronicamente, nós podemos ter a fonte daquela multidão de informações. E agora como um médico, eu posso acessar os dados dos meus pacientes de onde quer que eu esteja. Através do meu telefone móvel. E agora, sem dúvida, estamos na era do iPad, mesmo do iPad 2. E no mês passado a primeira aplicação aprovada pelo FDA foi aprovada para permitir aos radiologistas fazerem leituras reais nestes tipos de equipamentos. Então certamente, os médicos de hoje, incluindo eu mesmo, são completamente confiantes nestes dispositivos. E como vocês viram a cerca de um mês atrás Watson da IBM venceu os dois campeões do Jeopardy. Então eu quero que vocês imaginem quando nós estivermos em mais uns dois anos quando nós começarmos a aplicar esta base de informações quando nós realmente tivermos o médico de Inteligência Artificial e levarmos nossos cérebros para a conectividade para tomar decisões e diagnósticos a um nível nunca feito antes. Mesmo hoje, vocês não precisam ir ao seu médico em muitos casos. Em somente cerca de 20 por cento das atuais visitas nós temos que colocar as mãos no paciente. Nós estamos agora na era das visitas virtuais- um tipo de visita via Skype que vocês podem fazer com a American Well, já que a Cisco desenvolveu um complexo sistema de presença em saúde.

A habilidade de interagir com o seu provedor de assistência médica é diferente. E isto está sendo aumentado pelos nossos dispositivos de novo hoje. Aqui a minha amiga Jessica me mandou uma fotografia de uma laceração na sua cabeça então eu posso poupar a ela uma visita a sala de emergência - eu posso fazer um diagnóstico desta forma. Ou poderemos ser capazes hoje de implementar jogos tecnológicos como o Microsoft Kinect, e modificar aquilo para permitir diagnósticos, por exemplo, diagnosticando um ataque, usando um simples detector de movimento, usando um equipamento de cem dólares. Nós na verdade podemos agora visitar nossos pacientes roboticamente - este é o RP7, se eu for um hematologista, visitando outra clínica, visitando um hospital. Isto será aumentado por um completo conjunto de ferramentas que estão em casa agora. Então imaginem que já temos balanças sem fio. Vocês podem subir na balança. Vocês podem mandar o seu peso para seus amigos via Tweet, e eles podem te manter na linha.

Nós temos pulseiras sem fio de medir a pressão. Uma gama inteira dessas tecnologias está sendo colocada junta. Então ao invés de vestirmos estes desajeitados dispositivos, nós podemos usar um simples esparadrapo. Isto foi projetado por colegas de Stanford, chamado o IRhytm - suplanta completamente a tecnologia anterior a um preço muito mais baixo com muito mais eficiência. Agora nós estamos também numa era de auto quantificar-se. Consumidores hoje podem comprar basicamente equipamentos de cem dólares como este pequeno FitBit Eu posso medir meu passos, meu gasto de calorias. Eu posso ter um panorama disso em bases diárias. Eu posso compartilhar isto com meus amigos, com o meu médico. Existem relógios agora que medem sua frequência cardíaca, o monitor de sono Zeo, um conjunto completo de ferramentas que podem permitir a vocês explorar e terem uma introspecção de sua própria saúde.

E a medida que nós começamos a integrar estas informações, nós iremos saber melhor o que fazer com elas e como termos um melhor conhecimento de nossas patologias, saúde e bem-estar. Existem mesmo espelhos hoje que podem captar a sua pulsação. E eu me atreveria a argumentar, no futuro, nós teremos equipamentos em nossas roupas, nos monitorando 24 horas por dia, sete dias por semana. E assim como nós temos o sistema OnStar em carros, sua luz vermelha pode acender - ela não diria "olhe o motor" atenção Seria um sinal de "olhe o seu corpo" , e examine e cuide.dele. Provavelmente em poucos anos, vocês irão se olhar no espelho e eles estarão diagnosticando vocês. (Risos) Para aqueles que tem crianças em casa, como vocês gostariam de ter a fralda sem fio que interpretaria sua grande quantidade de informação, Eu acho que vocês poderiam precisar.. Mas será aqui.

Atualmente ouvimos muito sobre novas tecnologias e conexões. E eu acho que algumas dessas tecnologias nos possibilitarão estar mais conectados com nossos pacientes, e termos mais tempo e na verdade fazer o contato humano, importante elemento da medicina aumentado por estes conjuntos de tecnologias.


Agora nós temos conversado sobre o aumento do paciente, em algum grau. E sobre aumentar o médico? Nós estamos agora na era da super disponibilidade do cirurgião. que pode agora entrar no corpo e fazer coisas com cirurgia robótica, que está aqui hoje, a um nível que não era realmente possível há cinco anos atrás. Agora isto está sendo suplementado com mais camadas de tecnologia como a realidade aumentada. Então o cirurgião pode ver dentro do paciente, através das suas lentes, onde o está o tumor, onde estão os vasos sanguíneos. Isto pode ser integrado com o apoio de decisões. Um cirurgião em Nova York pode estar ajudando um cirurgião em Amsterdam, por exemplo. E nós estamos entrando em uma época de cirurgias realmente sem cicatrizes chamadas NOTAS, onde o endoscópio robô pode sair do estômago e puxar para fora aquela vesícula biliar tudo sem cicatriz e roboticamente. E isto é chamado NOTAS, e isto está vindo - basicamente como cirurgia sem cicatriz, sendo realizada por cirurgia robótica.


E agora o que há sobre o controle de outros elementos? Para aqueles que têm deficiências - os paraplégicos - esta é a era da interface cérebro-computador, ou ICC, onde chips serão colocados no córtex motor de pacientes completamente quadriplégicos e eles podem controlar o curso de uma cadeira de rodas ou, eventualmente, um braço mecânico. E estes dispositivos estáo ficando menores e sendo colocados em mais e mais desses pacientes. Ainda em ensaios clínicos, mas imaginem quando nós pudermos conectar estes por exemplo, com o surpreendente membro biônico, como o braço DEKA, construído por Dean Kamen e colegas, o qual tem 17 graus de movimento e liberdade e pode possibilitar a pessoa que perdeu um membro a ter um nível muito maior de destreza ou controle que ela teve no passado.


Então nós estamos realmente entrando na época das vestimentas robóticas se você não perdeu um membro - você teve um ataque do coração, por exemplo - você pode usar estes membros aumentados. ou se você é paraplégico - como eu visitei as pessoas na Berkley Bionics eles desenvolveram pernas eletrônicas. Eu vi este vídeo a semana passada. Aqui está um paciente paraplégico na verdade caminhando e usando um desses exoesqueletos. De outra maneira ele estaria completamente dependente da cadeira de rodas. E agora este é o início da era das vestimentas robóticas. E eu penso que aumentando este tipo de tecnologias nós iremos mudar a definição de deficiência para em alguns casos ser super habilidade, ou super possiilidade. Esta é Aimee Mullins, que perdeu seus membros inferiores ainda pequena e Hugh Herr, que é um professor no Instituto de Tecnologia de Massachussets que perdeu seus membros em um acidente de montanhismo. E agora estes dois podem escalar melhor, se mover mais rápido, nadar diferente com as suas próteses do que nós pessoas com capacidades normais.



E agora o que há sobre outros expoentes? Claramente a tendência da obesidade está exponencialmente indo na direção errada, incluída com enormes custos. Mas a tendência na medicina na verdade é se tornar exponencialmente pequena Então uns poucos exemplos, nós estamos agora na era da "Viagem Fantástica", a "iPílula". Vocês podem engolir este dispositivo completamente integrado Ele pode fotografar o nosso sistema gastrointestinal, ajudar a diagnosticar e tratar a medida que se move através do trato gastrointestinal. Nós estamos mesmo indo para menores micro-robôs que eventualmente iráo autonomamente se mover através do seus sistema de novo e serem capazes de fazerem coisas que os cirurgiões não podem e de uma maneira muito menos invasiva. Algumas vezes estes dispositivos poderão se automontar no seu sistema gastrointestinal e serem aumentados naquele ambiente.



No aspecto cardíaco, marca-passos estão ficando e se tornando muito mais fáceis de se colocar, então náo se precisa treinar um cardiologista intervencionista para colocá-los. E eles serão telemetrados via sem fio de volta para os seus celulares e vocês poderão ir a qualquer lugar e serem monitorados remotamente. Estes estão encolhendo cada vez mais. Aqui está um protótipo da Medtronic que é menor que uma moeda de centavo. Retinas artificiais, a habilidade de colocar estas membranas no globo ocular e possibilitar aos cegos a visão. De novo, nos primeiros experimentos, mas pensando no futuro. Isto será uma mudança no jogo. Ou para aqueles que podem ver que tal terem lentes de contato com outras aplicações? BlueTooth e WiFi disponíveis - fachos de luz mandam imagens para os seus olhos. Agora se você tem problemas em manter sua dieta poderia ajudar ter algumas imagens extras para lembrá-lo de quantas calorias você está ingerindo.

Que tal permitir que o patologista possa usar seu telefone celular de novo para ver a um nível de microscópio e mandar aqueles dados de volta para possibilitar um melhor diagnóstico? Na verdade, a época dos laboratórios de medicina está mudando completamente. Nós podemos agora implementar microfluídos como este chip feito por Steve Quake em Stanford. Microfluídos podem substituir um laboratório inteiro de técnicos Colocar um chip possibilita que milhares de testes sejam feitos ao ponto de atendimento, em qualquer lugar do mundo. E isto irá realmente ampliar a tecnologia para o campo e aos pouco assistidos e permitir testes que custavam milhares de dólares terem preços reduzidos ao ponto de atendimento. se nos aprofundarmos na miniaturização um pouco mais longe, nós estamos entrando na era da nanomedicina, a habilidade de construir equipamentos super pequenos ao ponto onde nós podemos projetar células sanguíneas vermelhas ou minirrobôs que poderão monitorar nosso sistema sanguíneo ou sistema imunológico, ou mesmo aqueles que poderão eliminar os coágulos das nossas artérias.



E agora o que há sobre a redução de preços? Não é alguma coisa que nós geralmente pensamos na era da medicina, mas discos rígidos costumavam custar $ 3.400,00 com 10 MB - exponencialmente baratos Na genômica agora, o custo do genoma era cerca de um bilhão de dólares há 10 anos quando os primeiros vieram a público. Agora nos estamos nos aproximando de um genoma custando um mil dólares. Provavelmente no próximo ano ou em dois anos, chegaremos a um genoma custando cem dólares. O que iremos fazer com genomas de cem dólares? E logo nós teremos milhões deste tipo de testes disponíveis. E é quando começa a ficar interessante, quando nós começarmos a entrar naquela multidão de informações. E entramos na era da verdadeira medicina personalizada - o remédio certo para a pessoa certa e no tempo certo - ao invés do que estamos fazendo hoje, que é o mesmo remédio para todo mundo, tipo de remédio para todo tipo de medicação, medicação que não funciona para você, o indivíduo. E muitas, muitas companhias diferentes estão trabalhando para ampliar esta possibilidade.



E eu também vou lhes mostrar um exemplo simples do "23eEU" de novo. Meus dados indicam que eu tenho um risco médio para desenvolver mácula degenerativa, um tipo de cegueira. Mas se eu pegar aqueles mesmos dados, carregá-los no "deCODIFIQUEme" eu posso ver o meu risco para o tipo 2 de diabetes, por exemplo. Eu tenho quase o dobro de rísco para o tipo 2 de diabetes. Eu posso querer observar quanta sobremesa eu como no café da manhã, por exemplo. Isto pode mudar o meu comportamento. Aumentando o meu conhecimento da minha farmacogenômica - como meus genes se modulam, o que os meus medicamentos fazem e que doses eu preciso irão se tornar muito importantes, e uma vez nas mãos da pessoa e do paciente, irão permitir melhores doses de medicamentos e seleção disponíveis..

Então novamente, não são somente os genes, são múltiplos detalhes - nossos hábitos, nossa exposição ao ambiente. Quando foi a última vez que o seu médico perguntou onde você tem vivido? Geomedicina, onde você tem vivido, ao que você tem sido exposto pode afetar dramaticamente sua saúde. Nós podemos colher esta informação. Então genômica, proteômica, o ambiente, todos estes dados fluindo para nós individualmente e como pobres médicos. Como nós os administramos? Bem nós estamos entrando agora na era dos sistemas de medicina, ou sistemas biológicos, onde nós podemos começar a integrar todas as informações. E ao olharmos os padrões, por exemplo, em nosso sangue de 10 mil biomarcadores em um simples teste nós podemos começar a olhar estes pequenos padrões e detectar doenças em estados iniciais. Isto foi chamado por Lee Hood, o pai deste tecnologia, medicina P4. Nós iremos ser previsores, nós iremos saber o que vocês poderão ter. Nós podemos ser preventivos, e a prevenção pode ser personalizada, e mais importante, irá se tornar cada vez mais participativa. Através de websites como "Pacientes Como Eu" ou administrando seus dados no Microsoft HealthVault ou Google Health aumentando isto juntos de maneira participativa irá se tornar cada vez mais importante.



Então, no final, estarei exponencialmente melhor. Nós gostaríamos de conseguir terapias melhores e mais eficientes. Hoje nós tratamos pressão alta principalmente com pílulas. E que tal se nós usamos um novo meio e suprimirmos os vasos de nervos que ajudam a mediar a pressão sanguinea e numa unica terapia curar a hipertensão. Este é um novo dispositivo que essencialmente está fazendo isso. Ele deverá estar no mercado dentro de um ano ou dois.. Que tal terapias mais focadas para o câncer? Certo, eu sou um oncologista e tenho que dizer a maioria do que damos hoje é na verdade veneno. Nós aprendemos em Stanford e outros lugares que nós podemos descobrir células embrionárias de câncer aquelas que parecem ser realmente responsáveis pela reincidência da doença. Então se vocês pensarem no câncer como uma erva daninha, nós podemos frequentemente extirpar a erva daninha. Ela parece encolher, mas frequentemente volta. Então nós estamos atacando o alvo errado. As células embrionárias de câncer permanecem, e o tumor pode voltar meses ou anos depois. Nós estamos agora aprendendo a identificar as células embrionárias de câncer e identificá-las como um alvo e seguir para uma cura de longo alcance. E nós estamos entrando na era da oncologia personalizada, a habilidade de alavancar todos estes dados juntos analisar o tumor e vir com um coquetel específico para o indivíduo paciente.


Agora eu vou encerrar com a medicina regenerativa. Tenho estudado muito sobre as células embrionárias - células embrionárias sáo particularmente poderosas. Nos também temos células embrionárias adultas através de todo o nosso corpo. Nós usamos estas na minha área de transplante de medula óssea. Geron, no ano passado, começou a primeira experiência usando células embrionárias humanas para o tratamento da coluna vertebral. Ainda a primeira fase da experiência, mas evoluindo. Nós estamos na verdade usando células embrionárias adultas em experimentos clínicos por quase 15 anos para nos aproximarmos de uma completa gama de tópicos, particularmente nas doenças cardiovasculares. Nós pegamos nossas próprias células da medula óssea e tratamos um paciente com um ataque cardíaco, nós podemos ver significativo aumento na função cardíaca e maior sobrevivência usando nossas próprias células da medula óssea depois de um ataque cardíaco.
Eu inventei um aparelho chamado Minerador da Medula, um meio menos invasivo para coletar a medula óssea. Ele esta agora sendo aprovado pela FDA, e estará esperançosamente no mercado no próximo ano. Esperançosamente vocês podem apreciar o equipamento lá se curvando através do corpo do paciente e removendo a medula óssea, ao invés de mais de 200 punções, com somente uma simples punção com anestesia local.

Mas para onde a terapia das células embrionárias realmente vai? Se vocês pensarem sobre isto, cada célula nos seus corpos tem o mesmo DNA que vocês tinham quando vocês ainda eram um embrião. Nós podemos agora reprogramar suas células da pele para na verdade agirem como uma células embrionária pluripotente e para utilizar aquele potencial para tratar múltiplos órgãos no mesmo paciente - fazendo suas próprias linhas de células embrionárias personalizadas. E eu penso que elas serão a nova era de um banco de células embrionárias personalizadas para cada um ter no freezer suas próprias células cardíacas, miócitos e células neurais para usá-las no futuro, se caso precisarem. E nós estamos integrando isto agora com a era da engenharia celular. E integrando tecnologias exponenciais para essencialmente a impressão de órgãos em 3D substituindo a tinta com células e essencialmente construindo e reconstruindo um órgão em 3D



É para onde as coisas estão se dirigndo, ainda nos estágios iniciais. Mas eu penso, como a integração das tecnologias exponenciais, isto é um exemplo. Então fechando, se pensarem sobre as tendências da tecnologia e como impactar a saúde e medicina, nós estamos entrando na era da miniaturização, descentralização e personalização. E eu penso que colocando estas coisas juntas se nós começarmos a pensar sobre como entender e implementar isto nós iremos melhorar o paciente permitindo ao médico, aumentar o bem-estar e começar a curar antes que a doenças apareça. Porque eu sei como um médico, se alguém vem a mim com uma doença no estágio um Eu fico animado - nós geralmente podemos curá-lo. Mas frequentemente é muito tarde e é um câncer de estágio três ou quatro, por exemplo. Então ampliando estas tecnologias juntas, Eu penso que entraremos em uma nova era que eu gosto de chamar estágio zero na medicina. E como um médico de câncer, eu estou ansioso para ficar fora do trabalho.

Muito obrigado

[Via BBA]

Comentários

BLOGGER: 1
Loading...

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: O futuro da medicina? Existe um aplicativo para isso
O futuro da medicina? Existe um aplicativo para isso
http://1.bp.blogspot.com/-nbyIrXVR7eM/TxFfXVG_RaI/AAAAAAAAIHQ/zrbPneXr7Ro/s320/tedMaastrich.jpg
http://1.bp.blogspot.com/-nbyIrXVR7eM/TxFfXVG_RaI/AAAAAAAAIHQ/zrbPneXr7Ro/s72-c/tedMaastrich.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2012/01/o-futuro-da-medicina-existe-um.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2012/01/o-futuro-da-medicina-existe-um.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy