$hide=/p/valores.html

Tudo sobre a usina de Belo Monte

Indicar:

Brasileiros, é hora de sair de cima do muro e defender Belo Monte. Devemos tentar monitorar cada condicionante ambiental mas realizar o proj...

Brasileiros, é hora de sair de cima do muro e defender Belo Monte. Devemos tentar monitorar cada condicionante ambiental mas realizar o projeto. É a convicção de que um bem maior sustentável do nosso interesse patriótico e nacional é que está em jogo.


Durante a Semana de Ciência e Tecnologia desse ano visitei o stand da Eletronorte e conversei com um funcionário da empresa que estava lá para explicar as maquetes expostas. Havia duas de Tucuruí (uma visão aérea e outra mostrando um corte lateral que exibia a turbina e o caminho da água) e outa mostrando cômodos de uma casa com o consumo de cada eletrodoméstico etc.


NúmerosLinha do tempo

Sem aviso prévio, pedi para que o expositor, um engenheiro que não identificarei, opinasse sobre a questão da Usina Belo Monte. Ele desenhou uma alça representando o caminho do Rio Xingu na região a ser alagada e disse que inicialmente aquela alça seria toda inundada com um potencial enorme de geração de energia elétrica. Depois, contemplando as mudanças para redução de impacto ambiental o potencial de produção se reduziu à metade mas que o projeto ainda era considerado viável (por enquanto). Um dos principais problemas é que a população indígena que vive naquela alça sobrevive da pesca, e eles estão preocupados com o futuro da atividade com razão.


Segundo o Wikileaks, Serra teria uma proximidade muito grande com o interesse estrangeiro, em particular na área energética (Petróleo). Aqui ele dá sua opinião sobre a UHE Belo Monte


Mas ele levantou uma outra questão mais estratégica. Os países do G7, durante os anos 1990, preocupados com o aumento do consumo e de poder econômico teriam decidido refrear o desenvolvimento dos chamados países emergentes.


Cacique Raoni fala sobre a construção de Belo Monte.


Isso traria como benefício uma redução na emissão de carbono pois se os países emergentes se aproximassem do nível de consumo dos países desenvolvidos isso teria consequências dramáticas para o equilíbrio ecológico do planeta.


Lula: "Se for preciso o governo vai construir sozinho."


Entendi! Ao invés de reduzir o consumo nos países desenvolvidos a solução seria atrasar os países pobres, né? No caso do Brasil parte dessa política obscurantista seria implementada por meio de ONGs estrangeiras que influenciariam as populações da floresta amazônica (especialmente as populações indígenas) causando enormes embaraços políticos para o governo (isso é especulação, não existe provas documentais desse acordo do G7. Talvez se o Julian Assange, do Wikileaks, não estivesse ameaçado de extradição para os EUA...)


Marina Silva fala sobre Belo Monte no Roda Viva.


Parece haver ONGs estrangeiras demais na amazônia. Relatos dão conta que há mais ONGs estrangeiras por lá (cerca de 350) do que em toda a África (onde populações passam fome, sofrem de epidemias de doenças como a AIDS, são exploradas por traficantes de diamantes, vivenciam guerra civil, etc.) e não há nenhuma no nordeste brasileiro.


Belo Monte - Parte 1/5


No caso de Belo Monte algumas projeções indicam que cerca de 18 mil ribeirinhos terão que ser deslocados de suas casas para residências urbanizadas construídas pelo governo a 2 quilômetros do local original (a maioria dessas pessoas vivem hoje em palafitas e frequentemente precisam mudar provisoriamente devido às cheias do rio).


Belo Monte - Parte 2/5


Muita gente, não é? Mas é bom lembrar que para a construção da maior usina do mundo, Três Gangantas na China, foram deslocadas 20 milhões de pessoas (segundo documentário no Discovery Channel), quase o dobro da população de São Paulo (e lá eles não deixaram ONGs estrangeiras darem pitaco). Ok. ok. A China não é nenhum exemplo de respeito à cidadania, mas nós teremos que competir com aquela economia (já viu o Faustão fazendo propaganda da JAC Motors?) e tem analista já duvidando da capacidade das democracias resolverem suas crises quando comparadas às ditaduras (as décadas de discussão do problema do projeto de Belo Monte, que inicialmente chamava-se Altamira nos anos 1970, é um bom exemplo disso).


Belo Monte - Parte 3/5


Belo Monte será a maior Usina Hidrelétrica 100% brasileira (Itaipu, o tal funcionário da Eletronorte lembrou, é uma binacional com 50% de participação do Paraguai).


Belo Monte - Parte 4/5


Não quero colocar aqui opiniões muito maniqueístas mas prometi não ficar em cima do muro. A despeito das denúncias de corrupção dos governos petistas (Lula/Dilma) é fato que a grande mídia nacional tem muito pouco boa vontade com o governo federal, ao menos é bem menor do que havia com o governo tucano. Não discuto aqui os méritos da estabilização, mas havia na época uma tese de que o tucanato paulista era melhor para projetos e gerenciamento da nação, mas o que marcou a gestão FHC quanto à política energética foram os apagões. E isso mesmo com alertas de engenheiros da área.


Belo Monte - Parte 5/5


Tenho uma lembrança pessoal para relatar sobre esse momento da vida nacional. Estava de mudança para uma nova residência e aproveitei para trocar todas as lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes (mais caras, mas na época achava que estaria sendo mais sustentável e economizando dinheiro a longo prazo). Não ligava minha máquina de lavar porque tinha uma funcionária que fazia questão de lavar as roupas na mão (nunca dei muito palpite sobre os serviços da casa, antes que alguém ache que eu a obriguei a agir dessa forma).


A Crise do Apagão de 2001


A comida era feita principalmente em fogão a gás (ligava pouco o microondas). Quando veio a Crise do Apagão, só para recordar, foi criado um plano que obrigava a todos economizar 20% da média dos últimos 3 meses sob pena de se cortar a energia e ser multado (exceto nos estados da região sul, com suas represas abarrotadas de água). Como eu poderia economizar esse montante se havia acabado de me mudar e já havia tomado muitas providências para poupar eletricidade? Resultado, sofri o corte. Você não faz ideia o que é ter a energia cortada para um profissional de informática que prepara aulas em casa (para qualquer um já é difícil). O trauma faz com que eu até hoje pense duas vezes antes de voltar a ser TÃO sustentável (e se vier outro apagão e eu tiver que cortar 20% do meu consumo médio?).

Uso minha experiência pessoal para ilustrar para quem não viveu o problema que o Brasil já está próximo de uma crise energética e que para crescer (tendo oferta de emprego e aumento de renda) precisará de novos portos, aeroportos, estradas, rodovias e sobretudo energia. O nome disso é infraestrutura. E talvez seja isso que interesses não declarados estão tentado impedir que tenhamos.
Não obstante, segundo os cálculos do ex-ministro Delfim Netto cada brasileiro perdeu R$ 320 com o apagão ocorrido no final do governo FHC. [Wikipedia]
Depois do Crise do Apagão, como ocorre nos acidentes aéreos, o governo tomou providências como integrar todas as grandes hidrelétricas em um sistema nacional (de forma que se chove no norte e tem seca no sul, por exemplo, pode-se transferir energia de um lugar para o outro). Além de investir em energia suja de termoelétricas movidas a carvão, óleo combustível, gás e que não dependam do ciclo das águas.


Belo Monte no Jornal Nacional - Parte 1/3


Para quem acha que energia eólica e solar é uma boa solução para o país, devo lembrar que não existem baterias eficientes e viáveis para armazenarmos a energia elétrica excedente. Assim se não fizer sol ou não ventar hoje não poderíamos aproveitar a energia eólica ou solar excedente de ontem. A melhor forma de armazenarmos energia elétrica é na forma de ÁGUA. Os tais lagos que inundam grande áreas de floresta funcionam como uma imensa bateria.


Fonte: Canal do Produtor - Código Florestal


Quando a produção elétrica é maior do que a demanda (situação cada vez menos frequente) fecha-se algumas comportas e o lago fica mais cheio, é como se estivéssemos enchendo uma bateria. Só que ao invés de cada um ter a sua em casa, essa bateria fica em uma região pouco habitada e distante (que temos sorte de possuir por sermos um país de dimensões continentais, ao contrário da imensa maioria dos demais países, com a população concentrada no litoral).


Belo Monte no Jornal Nacional - Parte 2/3


Sou a favor da ecologia e da preservação. Mas até as correntes de ecologistas mais modernas já aceitam que temos que explorar o meio ambiente de maneira sustentável. E não deixá-lo totalmente intocável. Também entendo que há interesses de econômicos menos nobres (e que no final das contas é o que move os empreendedores a se interessarem pelos empreendimentos), porém, para ilustrar a dificuldade de se implementar o projeto com tanta celeuma, o leilão de concessão para a construção da usina se mostrou tão pouco atraente para as empresas que o então presidente Lula chegou a declarar que se não houvesse empresas interessadas o governo bancaria a construção sozinho.


Belo Monte no Jornal Nacional - Parte 3/3


A concessão para a construção da hidrelétrica, no município de Vitória do Xingu, foi objeto de leilão realizado no dia 20 de abril de 2010. O consórcio Norte Energia, venceu a concessão, por um prazo de 35 anos, oferecendo o menor preço por megawatt-hora, de R$ 77,97, o que representa um deságio de 6,02% sobre o preço inicial, de R$ 83.

Composição acionária da Norte Energia:

• Grupo Eletrobras
Eletrobras - 15,00%
Chesf - 15,00%
Eletronorte - 19,98%

• Entidades de Previdência Complementar
Petros - 10,00%
Funcef - 5,00%

• Fundo de Investimento em Participações
Caixa FIP Cevix - 5,00%

• Sociedade de Propósito Específico
Belo Monte Participações S.A. (Neoenergia S.A.) - 10,00%

• Autoprodutoras
Amazônia (Cemig e Light) - 9,77%
Vale - 9,00%
Sinobras - 1,00%

• Outras Sociedades
J.Malucelli Energia - 0,25%

A concessionária recolherá à União, pelo uso de bem público, o valor anual de R$ 16,6 milhões, além de cerca de R$ 200 milhões que serão pagos à União, ao estado do Pará e aos municípios impactados, como compensação financeira pela utilização de recursos hídricos.


Reportagem no Fantástico - Parte 1/2


Cabe ressaltar que a Zona Franca de Manaus até hoje não está ligada ao Sistema Interligado Nacional - SIN (fazendo uso de termoelétricas poluidoras, por exemplo) e estados como Roraima e Rondônia chegam a importar eletricidade da Venezuela (já existem projetos para ligar Tucuruí a essas regiões, o que fará com que se passe cabos sobre o Rio Amazonas (!!!)).


Reportagem no Fantástico - Parte 2/2


Um vídeo produzido por globais contra a instalação da usina mostra o quanto essa guerra midiática está impregnada de ideologia e pode trazer mais desinformação.


Movimento Gota D´água com artistas globais faz campanha para recolher assinaturas virtuais por uma petição para impedir a construção de Belo Monte (Não entre nessa!!!)


Isso me lembra muito o argumento estilo "tô-com-medo" da Regina Duarte contra a eleição do Lula.

Estudantes da Universidade de Brasília (UnB) fizeram um vídeo amador rebatendo cada ponto levantado no vídeo dos artistas globais. Imagino que a Globo não deixaria que outros artistas da emissora fizessem um vídeo semelhante defendendo a construção do empreendimento. O que seria um indício do posicionamento da empresa quanto a questão.


Acadêmicos reagem ao vídeo dos globais sobre a UHE Belo Monte


Reproduzo aqui alguns dados colhidos no blog Luís Nassif Online sobre a Usina de Belo Monte para clarificar a polêmica:

(...)vamos aos fatos sobre Belo Monte, que estão longe do bicho-papão pintado por aí:


Vídeo produzido por alunos de engenharia civil e economia da Unicamp


* O lago de Belo Monte terá 503 km2, dos quais 228 km2 já são o leito do próprio rio Xingu. E boa parte da área restante já está desmatada por criadores de gado, agricultores e madeireiras ilegais. O desmatamento efetivo por conta da usina, portanto, é muito pequeno se comparado com o tamanho do empreendimento, a energia que fornecerá e os benefícios que trará à região. E o lago, uma vez criado, servirá para proteger o entorno de cerca de 28 mil hectares (280 km2), já que vira uma Área de Preservação Permanente (APP).

* É normal que empreendimentos hidrelétricos, e quase todas as fontes de geração de energia, tenham uma capacidade de geração e um fator de potência - ou seja quanto dessa capacidade será possível gerar em média em um ano. No caso de Belo Monte, que tem capacidade instalada de 11.233 MW, a geração média é de 4.571 MW, ou 41%. Esse número é o suficiente para abastecer 40% do consumo residencial de todo o Brasil. Ao longo de sua elaboração, o projeto Belo Monte foi modificado para restringir os impactos que poderia causar ao meio ambiente e à população da região, reduzindo-se a área de inundação prevista em 60% em relação ao projeto inicial. Isso diminuiu a geração média de energia, mas foi importante para a diminuição do seu impacto.

É pouco? Nem tanto. Dá uma olhada nos dados que este blog compilou sobre a média em outros países (na China é 36% e nos EUA, 46%) e mesmo no Brasil, em outras usinas já em operação, como Itaipu, Tucuruí.

* A média nacional de área alagada é de 0,49 km2 por MW instalado, em Belo Monte essa relação é de apenas 0,04 km2 por MW instalado.

* 70% da energia a ser produzida por Belo Monte destinam-se ao Sistema Interligado Nacional (SIN) e apresenta o segundo menor valor por MW / hora entre todos os empreendimentos elétricos dos últimos 10 anos (R$ 78 por MW/h). Aquele papo de que a energia de Belo Monte beneficiará apenas esta ou aquela empresa, é balela, lenda. A energia gerada pela usina será conectada ao SIN e, com isto, gera energia para todo o país. O mesmo acontece com TODAS as demais usinas construídas por aqui.

* Há duas maneiras de se construir uma usina hidrelétrica: basear-se exclusivamente no critério de eficiência, em que tería que dispor de um lago enorme, como era o projeto original de Belo Monte de 1980, alagando amplas regiões, ou um sistema energeticamente menos eficiente - o de geração de energia em cima da corretenza do rio, denominado fio d'água - justamente para privilegiar questões ambientais. Belo Monte é desse segundo tipo, não sendo tão eficiente como a média das hidrelétricas brasileiras (na faixa de 50%) justamente em respeito a questões sociais e ambientais.

* Nenhum índio terá que sair de suas terras por causa do projeto e os ribeirinhos que serão realocados vivem, em sua maioria (quase 7 mil famílias), em palafitas nos igarapés de Altamira, em condições sub-humanas. O governo pretende realocar essas famílias para condomínios habitacionais que ficam em torno de 2 quilômetros de distância de onde estão hoje. São cerca de 18 mil pessoas. A promessa do governo é que essas pessoas receberão casas em locais totalmente urbanizados, com saneamento básico, postos de saúde, escolas e locais de lazer, tudo antes do final de 2014. É anotar e cobrar.


Belo Monte é mesmo necessária?


* Substituir a energia de Belo Monte por eólicas e energia solar parece fácil, mas é praticamente impossível. Precisamos de 5 mil MW por ano de energia adicionada ao sistema para garantir o mínimo necessário para que o país continue se desenvolvendo e gerando emprego e renda, e garantindo a inclusão de milhões de brasileiros que hoje estão à margem de todo e qualquer consumo. Isso não é possível, no curto/médio prazo, com eólica e solar. O Brasil até tem investido bastante nessas duas formas de geração de energia, somos o país que mais tem atraído empresas do setor para cá, mas é coisa para médio-longo prazo. Enquanto isso, fazemos a transição - mas com energia de baixo impacto e limpa, como a hidrelétrica. Nenhum outro país do mundo consegue isso - EUA, China, Europa, Ìndia, todos estão fazendo investimentos em energia renovável (eólica, solar, etc) com base numa economia sustentada por energia suja - nuclear, térmicas a carvão ou óleo diesel.

Para se ter uma ideia, para ter o mesmo potencial energético de Belo Monte, seria necessário instalar mais de 6 mil aerogeradores, de 3MW cada, ocupando uma área de 470 km2 - ou quase o tamanho do lago de Belo Monte (503 km2).


Barca-cegonha para rebocar os barquinhos? Mais um comercial desses de globais e o projeto se inviabiliza de vez.



Fico pensando se o Japão tivesse a opção de fazer uma Belo Monte ao invés de ter construído a usina de Fukushima...

A Central Nuclear de Fukushima I (que explodiu fazendo vazar material radioativo para o meio ambiente) produzia 4,7 GW de eletricidade, sendo uma das 25 maiores do mundo. A usina de Belo Monte produzira 4,5 GW garantido com um pico de produção de 11 GW.


Sei que o título do post é pretencioso, não vamos realmente conseguir esgotar todo o assunto aqui. Mas queremos dar nossa cota de contribuição à essa importante questão mostrando vários pontos de vista para ajudar o leitor do Brasil Acadêmico a se posicionar. E sem esconder qual é nossa posição sobre o tema.


Rafinha Bastos (sem partido e sem emissora) criticou a iniciativa de seus colegas celebridades.


[Via BBA]

Comentários

BLOGGER: 13
Loading...

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Tudo sobre a usina de Belo Monte
Tudo sobre a usina de Belo Monte
http://2.bp.blogspot.com/-3vfXpqUOdO4/TtfAHhxiyNI/AAAAAAAAH2I/1vn6XI2m3K8/s400/SIMBM.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-3vfXpqUOdO4/TtfAHhxiyNI/AAAAAAAAH2I/1vn6XI2m3K8/s72-c/SIMBM.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2011/12/tudo-sobre-usina-de-belo-monte.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2011/12/tudo-sobre-usina-de-belo-monte.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy