$hide=/p/valores.html

TED: As escolas acabam com a criatividade

Indicar:

É o que defende Ken Robinson em palestra de 2006 no TED. Clique em View subtitles para ver legendas em portugus

É o que defende Ken Robinson em palestra de 2006 no TED.


Clique em View subtitles para ver legendas em portugus




Bom dia. Como estão? Tem sido ótimo, não tem? Fiquei maravilhado com a coisa toda. Na verdade, estou indo embora. (Risos) Existem três tópicos abordados ao longo da conferência que são relevantes para o que eu vou falar. O primeiro é a extraordinária evidência da criatividade humana em todas as apresentações que tivemos e em todas as pessoas presentes. Sua variedade e multiplicidade. O segundo é o fato de que não fazemos a menor idéia do que vai acontecer no futuro. Nenhuma ideia do que nos espera.

Eu me interesso por educação. Na verdade, eu descobri que todo mundo se interessa por educação. Vocês não? Eu acho isso muito interessante. Se você estiver numa festa e disser que trabalha com educação... Na verdade, você não vai a muitas festas se trabalha com educação. (Risos)

Não é convidado. E curiosamente ninguém te convida de novo. Acho isso estranho. Mas se você estiver, e contar para alguém... Quando perguntam "O que você faz?", e você responde que trabalha com educação, dá pra ver a pessoa ficar pálida na hora. Elas pensam:

"Ai meu Deus! Por que eu? Logo hoje que eu saí de casa." (Risos)

Mas se você perguntar sobre a educação deles, eles te põem contra a parede. Porque é uma dessas coisas arraigadas nas pessoas, estou certo? Como religião, dinheiro e outras coisas. Eu tenho um grande interesse em educação, e acho que todos temos. Nos interessamos tanto por ela em parte porque é da educação o papel de nos conduzir a esse futuro misterioso. Se formos pensar, as crianças entrando na escola esse ano estarão se aposentando em 2065. Ninguém tem noção, apesar de todo conhecimento que vimos nos últimos quatro dias, de como o mundo vai estar em cinco anos. E ainda assim devemos educá-los para esse mundo. A imprevisibilidade, pra mim, é extraordinária.

A terceira coisa é que nós todos concordamos, apesar de tudo, com a capacidade extraordinária que as crianças têm. Sua capacidade de inovação. Sirena ontem a noite foi uma maravilha, não foi? Ver do que ela é capaz. Ela é excepcional, mas não acho, por assim dizer, que seja uma exceção entre todas as crianças. O que vemos ali é uma pessoa de extrema dedicação que achou seu talento. Minha convicção é que todas as crianças têm um talento tremendo. E o desperdiçamos, implacavelmente. Por isso eu quero falar sobre educação e quero falar sobre criatividade.

Minha convicção é que a criatividade hoje é tão importante na educação como a alfabetização, e deve ser tratada com a mesma importância. (Aplausos)

Obrigado. Era isso, a propósito. Muito obrigado. (Risos)

Então... Quinze minutos sobrando. Eu nasci... Não. (Risos)

Ouvi uma história excelente há pouco. Adoro contá-la. É de uma menininha que estava numa aula de desenho. Ela tinha seis anos e estava lá no fundo, desenhando. A professora disse que essa menininha quase nunca prestava atenção na aula, e dessa vez ela prestou. A professora ficou fascinada, foi até ela e perguntou: "O que você está desenhando?" E a menina respondeu: "Estou desenhando Deus." E a professora disse: "Mas ninguém conhece a aparência de Deus." E a menina disse: "Vão conhecer num minuto." (Risos)

Vão conhecer num minuto.


Quando meu filho tinha quatro anos na Inglaterra... Na verdade ela tinha quatro anos em qualquer lugar, pra ser sincero. (Risos)

Para sermos exatos, onde quer que ele fosse, ele tinha quatro anos na ocasião. Ele estava numa peça de Natal. Se lembram da história? Sério, foi importante. Foi uma grande história. Mel Gibson fez a sequência. Talvez vocês tenham visto: "Natal 2". Mas o James ganhou o papel de José, o que nos deixou empolgados. A gente considerava ser um dos protagonistas. Lotamos o teatro com representantes usando camisetas: "James Robinson É José!" (Risos)

Ele não tinha nenhuma fala, mas vocês conhecem a parte onde chegam os Reis Magos. Eles carregam presentes, e trazem ouro, incenso e mirra. Isso aconteceu de verdade. Estávamos lá sentados e eu acho que eles não seguiram a ordem porque nós conversamos com o garotinho depois e perguntamos: "Tudo certo?" E ele disse: "Claro! Por quê? Estava errado?" Eles trocaram a ordem, só isso. Enfim, os três garotos entraram, crianças de quatro anos com toalhas na cabeça, e colocaram as caixas no chão. O primeiro garoto disse: "Eu trago ouro." O segundo garoto disse: "Eu trago mirra." E o terceiro garoto disse: "O Frank mandou isso." (Risos)

O que essas histórias tem em comum é que as crianças correm riscos. Se elas não sabem, elas chutam. Estou certo? Elas não tem medo de errar. Não estou dizendo que estar errado é o mesmo que ser criativo. O que sabemos é que se você não estiver preparado para errar, você nunca terá uma idéia original. Se não estiver preparado para errar. E quando chegam a fase adulta, a maioria das crianças perdeu essa capacidade. Elas têm pavor de estarem erradas. E as empresas são administradas assim, por sinal. Nós estigmatizamos os erros. E hoje administramos os sistemas educacionais de um jeito em que errar é a pior coisa que pode acontecer. O resultado disso é que estamos educando as pessoas para serem menos criativas. Picasso disse uma vez que todas as crianças nascem artistas. O problema é permanecer artista enquanto crescemos. Eu acredito apaixonadamente que não aumentamos nossa criatividade, a diminuímos. Ou melhor, somos educados a abandoná-la. Mas por quê?

O que sabemos é que se você não estiver preparado para errar, você nunca terá uma idéia original.


Eu morei em Stratford-on-Avon até cinco anos atrás. Na realidade, mudamos de Stratford para Los Angeles. Vocês podem imaginar a mudança suave que foi. (Risos)

Na verdade, nós moramos numa cidade chamada Snitterfield, na periferia de Stratford, que foi onde o pai do Shakespeare nasceu. Vocês tiveram um estalo? Eu tive. Você nunca pensou que Shakespeare teve um pai, pensou? Pensou? Porque você nunca pensou no Shakespeare criança, pensou? Shakespeare com sete anos? Eu nunca tinha pensado. Quero dizer, ele algum dia teve sete anos. E aprendeu inglês na aula de alguém, não aprendeu? Como isso seria irritante? (Risos)

"Se esforce mais." Ser mandado para cama com o pai dizendo "Para cama, agora!", para William Shakespeare. "Larga esse lápis. E para de falar desse jeito. Ninguém entende nada." (Risos)

Enfim, nos mudamos de Stratford para Los Angeles, e eu só quero dizer uma coisa sobre essa transição. Meu filho não queria vir. Eu tenho dois filhos. Ele agora tem 21 e minha filha 16. Ele não queria vir para Los Angeles. Ele adorava, mas tinha uma namorada na Inglaterra. Era o amor de sua vida, Sarah. Eles se conheciam por um mês. Vejam bem, eles já tinham celebrado seu quarto aniversário, porque isso é muito tempo aos 16. Em todo caso, ele estava chateado no avião e disse: "Eu nunca mais vou encontrar uma garota como a Sarah." E nós ficamos bastante contentes com isso, francamente. Porque ela era a principal razão de estarmos deixando o país. (Risos)

Uma coisa chama atenção quando se vem para os EUA e quando se viaja pelo mundo: todo sistema educacional do planeta tem a mesma hierarquia de disciplinas. Todos eles. Não importa aonde vamos. Você pensa que seria diferente, mas não é. No topo estão a matemática e as línguas, depois as humanas e por último as artes. Qualquer lugar do planeta. E praticamente em qualquer sistema existe uma hierarquia dentre as artes. Arte e música normalmente tem uma importância maior nas escolas do que drama e dança.

Não existe um sistema educacional no planeta que ensina dança diariamente às crianças da mesma forma que ensina matemática. Por quê? Por que não? Eu acho bastante importante. Eu acho que matemática é importante, mas dança também. As crianças dançam o tempo todo se deixarem. Nós todos dançamos. Nós todos temos corpos, não temos? Eu faltei uma reunião? (Risos)

Sério, o que acontece é que à medida que as crianças crescem, nós começamos a educá-las progressivamente da cintura para cima. E depois nos focamos na cabeça. E levemente para um lado.

Se você visitasse nossas escolas, como um ET, e se perguntasse: "Para que serve a educação pública?" Eu acho que a conclusão obrigatória seria, olhando para o resultado, que quem é bem sucedido, quem faz tudo o que deve, quem ganha as estrelinhas, quem são os vencedores, eu acho que a conclusão seria de que o objetivo da educação pública ao redor do mundo é produzir professores universitários. Não é?

À medida que as crianças crescem, nós começamos a educá-las progressivamente da cintura para cima. E depois nos focamos na cabeça. E levemente para um lado.


Eles que saem por cima. E eu costumava ser um, pra constar. Eu gosto de professores universitários, mas nós não devemos colocá-los no topo das realizações humanas. É só uma forma de vida, outra forma de vida. Mas eles são peculiares, e eu digo isso com todo carinho. Existe uma coisa curiosa com os professores, na minha experiência. Não todos, mas tipicamente, eles vivem em suas cabeças. Eles vivem lá em cima e levemente para um lado. Eles saíram do corpo, quase literalmente. Eles vêem o próprio corpo como uma forma de transporte para a cabeça. Não é assim? (Risos) É um jeito de levarem suas cabeças às conferências. Se você quiser evidências concretas de experiências extra-corpóreas, por sinal, é só participar de uma conferência de acadêmicos sênior, e aparecer na discoteca na noite final. (Risos) E lá você vai ver, homens e mulheres maduros, se contorcendo incontrolavelmente, fora do ritmo. Só esperando que o evento acabe e eles possam escrever um artigo a respeito.

O objetivo da educação pública ao redor do mundo é produzir professores universitários.


Nosso sistema educacional atual se baseia na ideia da habilidade acadêmica. E existe uma razão para isso. O sistema foi concebido, e no mundo todo, não existiam sistemas públicos de educação antes do Séc. XIX. Todos eles foram criados para atender a demanda da industrialização. Então a hierarquia está apoiada em duas idéias. A primeira é que as disciplinas mais úteis para o trabalho estão no topo. Então você era bondosamente afastado na escola quando era criança de certas coisas, coisas que gostava, com a premissa que você nunca iria conseguir um emprego fazendo aquilo. Correto? Não faça música, você não vai ser músico. Não faça arte, você não vai ser artista. Conselho benigno. Hoje, profundamente errado. O mundo inteiro está envolto numa revolução. A segunda é a aptidão acadêmica, que veio a dominar nossa visão de inteligência, porque as universidades planejaram o sistema à sua própria imagem. Se você for pensar, todo o sistema de educação pública ao redor do mundo é um extensão do processo de ingresso à universidade. A consequência disso é que muitas pessoas altamente talentosas brilhantes e criativas, pensam que não são, porque aquilo que elas eram boas na escola não era valorizado, ou era até estigmatizado. Eu acho que não podemos nos dar ao luxo de ir por esse caminho.

Nos próximos 30 anos, de acordo com a UNESCO, mais gente ao redor do mundo irá se formar através da educação do que desde o princípio da história. Mais gente. E isso é a combinação de tudo que já falamos. A tecnologia e seu efeito modificador no trabalho, e a demografia e a enorme explosão populacional. De repente, diplomas não valem mais nada. Não é verdade? Quando eu estudava, quem tinha um diploma, tinha um emprego. Quem não tinha um emprego, era porque não queria. E eu não queria, francamente. (Risos)

Mas agora garotos com diplomas estão voltando para casa para jogar video game porque pedem mestrado para o trabalho que necessitava bacharelado, e doutorado para o trabalho que necessitava mestrado. É um processo de inflação acadêmica. E é um indicativo de que toda a estrutura educacional está mudando na frente do nosso nariz. Precisamos repensar radicalmente nossa visão de inteligência.

Sabemos três coisas sobre inteligência. Um, é variada. Pensamos a respeito do mundo de todas as formas que o vivenciamos. Pensamos visualmente, pensamos auditivamente, pensamos cinestesicamente. Pensamos em termo abstratos, pensamos em movimento. Dois, inteligência é dinâmica. Se formos olhar as interações do cérebro humano, conforme ouvimos ontem em várias apresentações, a inteligência é maravilhosamente interativa. O cérebro não se divide em compartimentos. De fato, criatividade, que eu defino como o processo de ter idéias originais que possuem valor, com bastante frequência se manifesta através da interação de como as diferentes disciplinas vêem as coisas.

Agora garotos com diplomas estão voltando para casa para jogar video game porque pedem mestrado para o trabalho que necessitava bacharelado, e doutorado para o trabalho que necessitava mestrado. É um processo de inflação acadêmica.


O cérebro é intencionalmente... Por sinal, existe um feixe de filamentos nervosos que conecta os dois lados do cérebro chamado corpo caloso. É mais espesso nas mulheres. Completando o que a Helen falou ontem, eu acho que esta é a razão pela qual as mulheres são melhores em multitarefa. Porque vocês são, não são? As pesquisas são abundantes, mas eu sei por experiência própria. Quando minha esposa está cozinhando, o que acontece pouco, ainda bem. (Risos)

Mas enfim, ela está lá... Sério, ela é boa em algumas coisas. Mas quando ela está cozinhando, ela está falando no telefone, está falando com as crianças, está pintando o teto, está fazendo cirurgia cardíaca. Quando eu cozinho, a porta está fechada, as crianças saíram, o telefone está fora do gancho, se ela aparece eu me irrito. Eu digo: "Terry, por favor, estou tentando fritar um ovo aqui. Me deixa em paz." (Risos) Conhecem aquele velho postulado filosófico? Se uma árvore cai na floresta e ninguém ouve, será que aconteceu? Lembram dessa piada velha? Vi uma camiseta excelente esses dias que dizia: "Se um homem fala o que pensa numa floresta, e nenhuma mulher escuta, ele continua errado?" (Risos)

O terceiro ponto sobre a inteligência é que é distinta. Estou escrevendo um livro atualmente chamado "Epifania", que é baseado numa série de entrevistas que eu fiz sobre como as pessoas descobriram seus talentos. Sou fascinado por como elas chegaram onde estão. Fui motivado por uma conversa que tive com uma mulher maravilhosa que talvez muitas pessoas nunca tenham ouvido falar. Ela se chama Gillian Lynne, já ouviram falar dela? Alguns já. Ela é uma coreógrafa e todo mundo conhece seu trabalho. Ela trabalhou em "Cats", e "O Fantasma da Ópera". Ela é maravilhosa. Eu estava no conselho do Royal Ballet, na Inglaterra, como podem ver. Gillian e eu almoçamos um dia e eu perguntei: "Gillian, como você se tornou dançarina?" E ela respondeu que foi interessante, quando ela estava na escola, ela estava desanimada. E a escola, nos anos 30, escreveu para os pais dizendo: "Achamos que a Gillian tem dificuldade de aprendizado." Ela não conseguia se concentrar, era inquieta. Eu acho que hoje diriam que ela tinha TDAH. Não acham? Mas eram os anos 30, e TDAH não tinha sido inventado ainda. Não era uma doença disponível. (Risos) As pessoas não sabiam que podiam ter aquilo.

Então a mandaram para um especialista. A sala era toda em madeira. Ela estava com sua mãe, e a puseram numa cadeira no canto, e ela sentou sobre as mãos por 20 min enquanto um homem conversava com sua mãe sobre os problemas que a Gillian vinha tendo na escola. E no final.. Porque ela estava perturbando as pessoas, as tarefas estavam sempre atrasadas, e assim por diante, um criança de oito anos. No final o médico sentou ao lado da Gillian e disse: "Gillian, eu ouvi todas as coisas que sua mãe me disse, e eu preciso conversar a sós com ela." Ele disse: "Espere aqui, já voltamos. Não vai demorar.", e eles deixaram ela sozinha. Mas enquanto eles saiam da sala, ele ligou o rádio que estava sobre a mesa. E quando eles saíram da sala, ele disse para a mãe: "Só a escute e a observe." E assim que eles deixaram a sala, ela disse, ela estava de pé, se movendo com a música. Eles observaram por alguns minutos e ele se virou para a mãe e disse: "Sra. Lynne, a Gillian não está doente, ela é uma dançarina. Leve-a para uma escola de dança."

Outra pessoa poderia ter receitado um remédio e dito para ela se acalmar.


Eu perguntei: "O que aconteceu?" Ela respondeu: "Ela levou. Não consigo descrever como foi maravilhoso. Entramos numa sala cheia de pessoas como eu. Pessoas que não conseguiam ficar paradas. Pessoas que precisavam se mexer para pensar. Precisavam se mexer para pensar. Eles ensinavam ballet, sapateado, jazz, dança moderna, contemporânea. Ela eventualmente fez um teste para a Royal Ballet School, se tornou uma solista e teve uma carreira fantástica na Royal Ballet. Ela eventualmente se formou na Royal Ballet School, fundou sua própria empresa, a Companhia de Dança Gillian Lynne, e conheceu Andrew Lloyd Weber. Ela foi responsável por alguns dos musicais mais bem sucedidos na história, deu alegria para milhões, e é multimilionária. Outra pessoa poderia ter receitado um remédio e dito para ela se acalmar.

Gillian Lynne
Gillian Lynne em 1981


Hoje, eu acho... (Aplausos)

Eu acho que se resume a isso: Al Gore falou outra noite sobre ecologia, e a revolução desencadeada por Rachel Carson. Eu acredito que nossa única esperança para o futuro é a adoção de uma nova concepção de ecologia humana, uma em que começamos a reconstituir nossa concepção da riqueza da capacidade humana. Nosso sistema educacional explorou nossas mentes como exploramos a terra: em busca de um recurso específico. E para o futuro, isso não serve. Temos que repensar os princípios fundamentais que baseamos a educação de nossas crianças. Existe uma frase maravilhosa de Jonas Salk, que diz:

Se todos os insetos desaparecessem da terra, dentro de 50 anos, toda vida na Terra desapareceria Se todos os humanos desaparecessem da Terra, dentro de 50 anos todas as formas de vida floresceriam.


Ele está certo.

O que a TED celebra é a dádiva da imaginação humana. Temos que ser cuidadosos e usar essa dádiva com sabedoria, de modo e evitar alguns dos cenários que falamos a respeito. E a única maneira de fazer isso é encarando nossa capacidade criativa pela riqueza que ela representa e nossas crianças pela esperança que elas representam. Nossa tarefa é educá-las em sua totalidade, preparando-as para esse futuro. A propósito, talvez não vejamos esse futuro, mas elas verão. E o nosso trabalho é ajudá-las a tirar proveito dele. Muito obrigado.

[Via BBA]

Comentários

BLOGGER: 6
Loading...

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: TED: As escolas acabam com a criatividade
TED: As escolas acabam com a criatividade
http://3.bp.blogspot.com/--giy5_PTfAY/TYLbeJCmlPI/AAAAAAAAFwg/Iyw6FCC2Kek/s400/gl.jpg
http://3.bp.blogspot.com/--giy5_PTfAY/TYLbeJCmlPI/AAAAAAAAFwg/Iyw6FCC2Kek/s72-c/gl.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2011/03/ted-as-escolas-acabam-com-criatividade.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2011/03/ted-as-escolas-acabam-com-criatividade.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy