$hide=/p/valores.html

Rory Sutherland: Lições de vida de um publicitário

Pode a publicidade agregar valor a um produto tanto quanto alterar o próprio produto? Os vinhos mais caros são os melhores? Saiba mais sobre...

Pode a publicidade agregar valor a um produto tanto quanto alterar o próprio produto?
Os vinhos mais caros são os melhores? Saiba mais sobre o efeito placebo aplicado ao marketing. Neste vídeo bem humorado.


Clique em View subtitles para ver as opções de legenda



Esse é mais uma boa palestra apresentada no TEDGlobal 2009. A transcrição a seguir é feita por voluntários do TED: Eduardo Caraver traduziu e Belucio Haibara revisou:

É a minha primeira vez no TED. Como publicitário eu geralmente falo no "TED do Mal", que é a organização secreta irmã do TED que paga as contas. É a cada dois anos em Mianmar. Me lembro de um discurso muito bom de Kim Jong II sobre como fazer jovens voltarem a fumar. (Risos)

Mas, ocorreu-me após anos trabalhando no meio, que o que criamos na publicidade, que é o valor intangível -- podemos chamar de valor percebido, ou talvez valor emblemático, valor subjetivo, valor intangível de algum modo -- tem uma má reputação. Pensando nisso, se quisermos viver num mundo em que haja menos bens materiais, basicamente temos duas opções. Ou vivemos num mundo mais pobre, o que as pessoas em geral não gostam. Ou podemos viver num mundo onde o valor intangível constitui a maior parte do valor total, e o valor intangível, de muitas formas é um substituto muito bom de se dedicar trabalho ou recursos limitados na criação de coisas.

Um exemplo. Este é o trem que liga Londres e Paris. O problema foi entregue a um grupo de engenheiros, há cerca de 15 anos: "Como podemos melhorar a viagem para Paris?" E eles encontraram uma solução de engenharia muito boa, que foi gastar seis bilhões de libras construindo novas pistas de Londres até à costa, e cortando 40 minutos de uma viagem de três horas e meia.




Me chamem de detalhista, sou só um publicitário... ...mas me parece um tanto pouco criativo melhorar uma viagem de trem apenas tornando-a mais curta. Qual seria o custo de oportunidade hedonista de gastar seis bilhões de libras naqueles trilhos?

Esta é a minha sugestão ingênua de publicitário:

Deviam ter contratado os melhores supermodelos homens e mulheres, para andar distribuindo garrafas de Chateau Petrus de graça durante toda a viagem. Mesmo assim, sobraria três bilhões de libras de troco, e as pessoas ainda pediriam para demorar mais!


Outra pergunta ingênua de publicitário. E isto mostra que engenheiros, médicos, cientistas em geral, têm uma obsessão em resolver os problemas da realidade, quando na verdade, após um nível básico de riqueza, a maioria dos problemas acaba sendo de percepção. Então vou fazer outra pergunta.

O que há de errado com os placebos? Parecem-me fantásticos. Têm desenvolvimento barato. Funcionam extremamente bem. Não têm efeitos colaterais. ou então são imaginários e podemos ignorá-los com segurança.


Bom, estava discutindo isto e vi o blog Marginal Revolution da Tyler Cowen. Alguém lá sugeria estender este conceito, e criar uma educação placebo. A questão é que a educação não funciona nos ensinando coisas. Ela funciona na verdade nos dando a impressão de que tivemos uma educação muito boa, nos fazendo sentir uma autoconfiança insana, que nos torna muito bem sucedidos na vida futura. Portanto, bem-vindos a Oxford, senhoras e senhores. (Risos) (Aplausos)

Mas, na verdade, o ponto da educação placebo é interessante. Quantos problemas na vida podem ser resolvidos apenas consertando a nossa percepção, ao invés daquele negócio chato, trabalhoso e bagunçado de tentar mudar a realidade? Um grande exemplo da história. Ouvi isso atribuído a vários outros reis, mas depois de alguma pesquisa histórica parece que foi Frederico o Grande. Frederico o Grande da Prússia queria muito que os alemães adotassem e comessem batata. Porque ele percebeu que se tivesse duas fontes de carboidratos, trigo e batata, haveria menos volatilidade no preço do pão. E teria um risco muito menor de escassez, porque passaria a ter duas safras para recorrer.

O único problema era que a batata, se for pensar, é bem estranha. Além disso, os prussianos do século 18 comiam muito pouco vegetais -- bem parecido com os escoceses de hoje. (Risos) Por isso, ele tentou torná-la obrigatória. Os camponeses disseram, “Não podemos dar essa droga nem para os cachorros. São absolutamente repugnantes e não prestam." Há até registros de pessoas executadas por recusarem-se a plantar batata.

Ele tentou o plano B. Tentou a solução de marketing, ele declarou a batata como sendo um vegetal real. E que só a família real poderia comer. E ele plantou uma horta real de batatas, com guardas instruídos para vigiar a horta, dia e noite, mas com instruções secretas para não vigiarem tão bem.

No século XVIII, os camponeses conheciam uma regra muito clara na vida: se algo merece ser vigiado, então merece ser roubado.


Não demorou para ter uma grande plantação clandestina de batatas na Alemanha. O que ele efetivamente fez foi reformular a ideia de batata. Isso foi uma verdadeira obra prima.

Eu contei essa estória e um cavalheiro da Turquia veio e me disse, "Muito bom marqueteiro esse Frederico o Grande. Mas não comparado com Ataturk." Ataturk, assim como Nicolas Sarkozy, foi muito perspicaz ao desencorajar o uso do véu, para modernizar a Turquia.

Pessoas sem graça teriam simplesmente banido o véu. Mas isso resultaria em propinas horríveis e uma resistência infernal. Ataturk era um pensador lateral. Ele tornou obrigatório o uso do véu pelas prostitutas.


Não posso confirmar, mas não importa tanto. Aí está seu problema ambiental resolvido, a propósito pessoal: Molestadores de crianças condenados têm de dirigir um Porsche Cayenne. (Risos) O que Ataturk percebeu são duas coisas fundamentais. A primeira é que, na verdade, todo o valor é relativo. Todo o valor é valor percebido.



Para aqueles que não falam espanhol, “jugo de naranja” – é espanhol. Porque isso não é o dólar. É o peso em Buenos Aires. Muito espertos estes ambulantes resolveram praticar discriminação de preços para o prejuízo dos turistas gringos. Como um publicitário, tenho de admirar isso.

Mas a primeira coisa é que todo o valor é subjetivo. O segundo ponto é que a persuasão é ainda melhor que a compulsão. Estes sinais engraçados nos mostram a velocidade, alguns dos novos, embaixo à direita, agora mostram uma carinha sorrindo ou triste, para agir como um gatilho emocional. O que é fascinante é que estes sinais custam 10 vezes menos do que as cameras de velocidade convenvionais. Mas previnem o dobro de acidentes. A coisa bizarra que é desconsertante aos economistas convencionais, classicamente treinados, é que aquela carinha sorridente tem um efeito melhor em mudar seu comportamento do que uma multa de 60 libras e três pontos na carteira.

Pequeno detalhe de economia comportamental:

Na Itália, os pontos vão ao contrário. Você começa com 12 e eles vão sendo retirados. Porque descobriram que a aversão à perda tem uma influência maior no comportamento das pessoas. Na Grã-Bretanha tendemos a achar: "Boa! Ganhei mais três!"


Não na Itália.

Outro caso fantástico de criação de valor intangível para substituir valor real ou material que, lembrem-se, é aquilo que afinal, o movimento ambientalista precisa defender: Este caso passa-se também na Prússia, em 1812 ou 1813 eu acho, Os prussianos ricos eram encorajados a entregar todas suas jóias para ajudar na Guerra contra a França. E elas eram substituídas por réplicas feitas de ferro fundido. Aqui há exemplos: "Eu dei ouro por ferro, 1813." O interessante é que durante 50 anos depois, as jóias de maior status na Prússia não eram feitas de ouro ou diamantes. Eram feitas de ferro fundido. Porque na verdade, não importa o valor intrínseco real de ter uma jóia de ouro. Na verdade há um valor simbólico, emblemático. Ele dizia que sua família fez um grande sacrifício no passado.

O equivalente na nossa época seria isto:

Eu dei Hummer por híbrido.


Mas, assim como temos os produtos Veblen, onde valor do produto depende do quão raro e caro ele é -- existem coisas opostas aonde o valor depende no fato de serem universais, sem classe e minimalísticos.

Se pensarem nisso, o Shakerismo foi um movimento proto-ambiental. Adam Smith fala da América do século XVIII onde a proibição de ostentação de riqueza era tão forte, que quase bloqueou a economia da Nova Inglaterra, porque nem os agricultores ricos tinham como gastar seu dinheiro, sem que os vizinhos ficassem incomodados. É perfeitamente possível criar este tipo de pressão social que levariam à sociedades mais igualitárias.

Também é interessante, se olharmos estes produtos que têm uma grande componente daquilo que podemos chamar de mensagem de valor, um grande componente de valor intangível, versus valor intrínseco: Eles são muitas vezes bem igualitários.

Falando de roupas, o jeans talvez seja um bom exemplo de algo que substitui o valor material pelo valor simbólico. Coca-cola. Alguns aqui podem ser um bando de comunistas e podem não gostar da empresa Coca-Cola. Mas vale a pena lembrar o que Andy Warhol apontou.

O que Warhol falou sobre a Coca foi que "O que eu gosto mesmo na Coca-Cola é que o presidente dos Estados Unidos não pode arranjar uma Coca-Cola melhor que o mendigo da esquina."


Agora, quando pensamos nisso, não damos muito valor, foi realmente um feito notável produzir algo que é tão democrático.

Agora, mudaremos nosso ponto de vista um pouco. Existe uma visão de que o valor real envolve fazer coisas, envolve trabalho. Envolve engenharia. Envolve matérias primas limitadas. E o que adicionamos em volta é meio falso. É uma versão falsa. E há uma razão para desconfiança e incerteza sobre isto. Isso tem a ver com a propaganda.

Porém, o que nós temos agora é um ecossistema de diversas mídias propício para criar esse tipo de valor. E é muito mais justo.



Este era basicamente o ambiente de mídia da minha infância quando cresci traduzido em comida Você tinha um fornecedor monopolista. Temos Rupert Murdoch, ou a BBC na esquerda. (Risos) E na direita você tem um público dependente que é pateticamente grato por tudo que recebe. (Risos)

Atualmente o usuário está realmente envolvido. Isso é o chamamos de “conteúdo gerado pelo usuário" no mundo digital. Embora seja chamado de agricultura, no mundo dos alimentos. (Risos) Isto é chama-se "mash-up", onde você pega conteúdo que outro produziu e faz algo novo com ele. No mundo dos alimentos chamamos de cozinhar. Esta é a comida 2.0 Que é o alimento produzido para compartilhar com os outros. Esta é a comida móvel. Ingleses são muito bons nisso. Peixe e fritas no jornal, o Cornish Pastie, a torta, o sanduíche. Nós inventamos o pacote todo. Não somos muito bons com comida, os italianos fazem ótima comida, mas não são tão portáveis. (Risos)

Eu só aprendi outro dia que o Duque de Sandwich não inventou o sanduíche. Ele inventou a torrada, mas Duque da Torrada seria um nome ridículo. (Risos)

Finalmente, temos a comunicação contextual. A razão para eu mostrar o Pernod -- é só um exemplo. Todo país tem sua bedida alcólica contextual. Na França é o Pernod. Tem um sabor maravilhoso dentro deste país. Mas é horroroso se tomar em outro lugar. (Risos) Unicum é húngaro, por exemplo. Os gregos conseguiram produzir algo chamado Retsina, que mesmo na Grécia tem um gosto medonho. (Risos)

Há tanta comunicação contextual agora que a capacidade de influenciar pessoas, para dar-lhes melhor informação -- B. J. Fogg, na Universidade de Stanford, argumenta que o telefone celular é -- “tecnologia persuasiva”, ele cunhou a expressão. Ele acredita que o celular, por ser específico em localização, contextual, oportuno e imediato, é simplesmente a tecnologia mais persuasiva já inventada.

Agora, se temos todo esse ferramental disponível, simplesmente temos que nos perguntar, e Thaler e Sunstein perguntaram, como podemos usá-las com mais inteligência. Vou dar um exemplo. Se você tivesse um grande botão vermelho como este na parede da sua casa, e toda vez que você o apertasse, economizaria 50 dólares, e guardaria na sua poupança, você economizaria muito mais. A razão é que a interface fundamentalmente determina o comportamento. Ok?

Bom, o marketing fez um ótimo trabalho criando oportunidades para a compra impulsiva. Mas nunca criamos a oportunidade para economizar impulsivamente. Se fizéssemos, mais pessoas economizariam mais. É simplesmente uma questão de alterar a interface pela qual as pessoas decidem. E aí a própria natureza das decisões muda. Óbvio que eu não quero que as pessoas façam isso, porque como publicitário eu tendo a reconhecer poupanças como consumismo desnecessariamente adiado. (Risos) Mas se alguém quisesse fazer isso, esse é o tipo de coisas que deveríamos pensar na verdade: oportunidades fundamentais para mudar o comportamento humano.

Eu tenho um exemplo do Canadá, Tinha um jovem estagiário na Ogilvy Canada chamado Hunter Somerville, que trabalhava com improvisação em Toronto, e arrumou um emprego de meio período em publicidade, e recebeu a tarefa de anunciar Shreddies. Este é o mais perfeito exemplo de criação de valor agregado intangível, sem a mínima alteraração no produto. Shreddies é um cereal integral estranho, quadrado, Disponível apenas na Zova Zelândia, Canadá e Grã-Bretanha. Deve ser o modo da Kraft de recompensar lealdade à coroa. (Risos) Trabalhando em como relançar Shreddies, Ele apareceu com isso.



Video: (Alarme) Homem: Shreddies devia ser quadrado. (Risos)

Mulher
: Algum desses em forma de diamante saiu? (Risos)

Voz
: Novo cereal Diamond Shreddies. Os mesmos 100 por cento trigo integral em um delicioso formato diamante. (Aplausos)

Não estou certo que este não seja o exemplo mais perfeito de criação de valor intangível. Tudo que é preciso São fótons, neurônios, e uma ótima ideia para criar isso. Eu diria que isso é trabalho de gênio. Mas, naturalmente, você não pode fazer esse tipo de coisa sem um pouco de pesquisa de mercado.



Homem
: Então, Shreddies está elaborando um novo produto, Que é algo muito excitante para eles. Estão lançando o novo Diamond Shreddies. (Risos) Eu só quero ver suas primeiras impressões quando vocês verem isso, Quando você vê a caixa de Diamond Shreddies. (Risos)

Mulher: Não são quadrados?
Mulher 2: Estou um pouco confusa.
Mulher 3: Eles parecem os quadrados.

Homem: Eles – é, pura questão de aparência. Mas é tipo virar um seis ou um nove como um seis. Se você virar parece um nove. Mas um seis é muito diferente de um nove.

Mulher 3: Ou ou “M” e um “W”. Homem: Um “M” e um “W”, exatamente.

Homem 2: [inseguro] Parece que você só girou em volta das pontas. Mas quando você olha tem uma aparência mais interessante.

Homem: Só prove um deles. Pegue o quadrado primeiro, aqui. (Risos)
Homem: Qual você prefere?
Homem 2: O primeiro.

Homem: O primeiro? (Risos)

Agora, naturalmente um debate violento. Haviam (SIC) elementos conservadores no Canadá, sem surpresas, que realmente se ressentiram dessa mudança. Então, eventualmente, os fabricantes chegaram a uma concessão mútua, que foi um pacote combo. (Risos) (Aplausos) (Risos)



Se acham engraçado, saibam que há uma organização chamada "Associação Americana de Economia do Vinho", que pesquisa extensivamente a percepção das coisas, e descobre que exceto para entre talvez cinco ou dez por cento dos maiores conhecedores, não há correlação entre qualidade e prazer no vinho, exceto quando se fala quão caro ele é, nesse caso eles tendem a aproveitar mais os mais caros. Então tome vinho às cegas no futuro.

Isto é histericamente engraçado, mas penso numa questão filosófica importante, que é, daqui para frente, nós precisaremos mais deste tipo de valor. Precisamos gastar tempo apreciando aquilo que já existe, e menos tempo agonizando sobre o que mais poderemos fazer.

Duas citações para quase acabar.

Poesia é quando você faz coisas novas parecerem familiares e coisas familiares novas.


Que não é uma definição ruim sobre o que é nosso trabalho, ajudar as pessoas a apreciarem o que não é familiar, mas também apreciar mais, e colocar um valor muito mais alto em coisas que já existem. Existem algumas evidências, a propósito, que coisas como redes sociais ajudam nisto. Porque ajudam as pessoas a compartilharem notícias. Elas dão valor para as pequenas atividades triviais do dia a dia. Então, elas reduzem a necessidade de gastar muito dinheiro em exposição, e aumentam esta sensação de prazer que você pode ter com a menor e mais simples coisa da vida. O que é mágico.

A segunda frase é a segunda citação de G.K. Chesterton que faço nesta palestra, que é,

Estamos morrendo por falta de admiração, não por falta de maravilhas


o que acho que para qualquer um envolvido com tecnologia, é a maior verdade. Para finalizar: Quando colocamos valor em coisas como a saúde, amor, sexo e outras coisas, e aprendemos a colocar um valor significativo naquilo que desconsiderávamos por ser meramente intangível, invisível, percebemos que somos muito mais ricos do que imaginávamos. Muito obrigado!


Fonte: TED

Comentários

BLOGGER: 1
Loading...

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

#existepesquisanobrasil A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Rory Sutherland: Lições de vida de um publicitário
Rory Sutherland: Lições de vida de um publicitário
http://1.bp.blogspot.com/_cM2l6Y3Ulgg/TII8BcZjtBI/AAAAAAAAEk4/iNuedWGOQZM/s400/eurostar.jpg
http://1.bp.blogspot.com/_cM2l6Y3Ulgg/TII8BcZjtBI/AAAAAAAAEk4/iNuedWGOQZM/s72-c/eurostar.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2010/09/rory-sutherland-licoes-de-vida-de-um.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2010/09/rory-sutherland-licoes-de-vida-de-um.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy