O blog do acadêmico descolado

A divulgar Abelha acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adestramento Administração adulto Adágios Aerodinâmica Aeronáutica Agropecuária Agência Brasil AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia Anatomia Android Animais de Estimação Animal Animação Antropologia Análise Combinatória Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astronomia Ativismo Audio FX Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Celebridades celular Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Cinema Ciência Clip Cliparts Cloud computing Coaching competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Comédia Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja Cosmologia cosmética Criança Crime Crime Digital crise crise econômica Cronologia crônica crônicas CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Câmera lenta câncer Células-Tronco Cérebro Dança DAO Darwin Davos Decoração Demografia demência Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eletricidade eletrônica empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Epidemiologia Equador Escritório Escândalo Espanha Espanhol Espaço Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estatísticas Estação estrutura de dados Estágio EUA Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência Facebook Farmacologia Favo Feminismo Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Firefox Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonoaudiologia Fonética Fotografia Fotos em 360 graus Francês França frases Fraude Freeware Futebol Futurologia fábulas Férias Física Física Quântica gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Geriatria Gestão de Configuração Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusionismo ilusão Imagem 3D Imagens Imagine Cup Imprensa Impressora 3D Império Romano Inclusão digital Incêndio Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inteligência Artificial interativo intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Inundação Inventos Invenção iPad IPEA iphone Iraque Irã Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Logística Loterias Lua Lógica Malvinas Malware Malásia Mapa Mapas Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Maçonaria Mecatrônica Mecânica Mecânica dos Fluidos Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma memorização Memória Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica Microbiologia Microsoft Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu MVC Mário Sérgio Conti México Mídia Social Música Nanotecnologia Nasa Natal Natação Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Nutrição Números Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Otorrinolaringologia Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Paraguai parkinson Pará Passeio virtual Patinação Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Política Portugal português Poítica prazo médio primatologia privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeto Truco Promoção Propaganda Pré-sal Prêmio Nobel Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria publicidade Publieditorial Pós-graduação Pública Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referendo Referência Reforma Política Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina Savant Saúde Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Suécia São Paulo Tabagismo Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Tecnologia Tecnologia da Informação TED TedMed TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução transporte tributo Trigonometria Trânsito Tubarão Turismo Tutorial Twitter Técnicas de Estudo UFG ufologia UFRJ universidade Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Violência Visão Computacional Vulcanologia Vídeo Vídeos Vídeos 360 Vírus Vôlei Watergate Política Web 2.0 Web Application Web Seminar Web Semântica webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zoologia África Áudio Áustria Ética Índia Índios Óptica Ótica

Já foi moda criticar os que usavam a expressão "risco de vida", o certo seria usar "risco de morte" conforme defendia o professor Pasquale Cipro Neto. Agora, reportagem da revista Veja chama de "gramáticos amadores" quem defendia essa tese.




E o pior é que o próprio professor Pasquale aparece como sendo uma fonte consultada para a matéria.

Como será que eles consultam os especialistas?

Olha professor, eu vou te lascar em uma matéria, como você não será citado diretamente, será que o senhor poderia emprestar seu nome? Dá um ar de profundidade...


A polêmica originou-se a cerca de uns 13 anos e eu tive contato com ela quando foi lançado o muito bem produzido CD-ROM Nossa Língua Portuguesa. Cujo conteúdo didático era de responsabilidade do professor supra citado.

Baseado no programa da TV Cultura de mesmo nome o software educativo mostrava com muita musicalidade conceitos e dificuldades da língua portuguesa.



E o professor Pasquale fazia o tipo liberal, que promovia a língua (especialmente a falada) como uma entidade viva, dinâmica e rica em regionalismos.

Pois foi quando ele resolveu incluir a expressão "risco de vida" como sendo um erro de falta de lógica dos falantes e, como consultor de redações jornalísticas como da TV Globo, converteu-se em fonte precípua de editores que baniram a expressão da mídia.



Até os médicos se sentiram desconfortáveis, afinal sempre ouviram a expressão inclusive dos mestres na academia e nunca ouviram dizer que tal expressão fosse considerada inculta.

Comecei a reparar que, da noite para o dia, no canal Band News (que eu via muito na época) só falavam em "risco de morte" ao se referirem ao estado de alguém que perigava morrer.

O tempo passou e vieram ao socorro dos falantes que estavam enrolados com a nova "regra", como quem larga o mouse para mexer com um trackball pela primeira vez, outros gramáticos e linguistas que argumentavam que a análise feita era superficial, pois escritores do porte de Machado de Assis usavam "risco de vida", que esse ou aquele dicionário consagravam o termo pelo uso etc.

Dessa forma, como ficam os concurseiros e vestibulandos diante dessa insegurança gramática? Como sempre ficaram. A mercê da vontade dessa ou daquela banca que provavelmente seguirá algum autor (e é esse que deve ser seguido, sob pena de ter que travar batalhas jurídicas homéricas para garantir uns pontinhos a mais para a aprovação).

Pois o professor Pasquale, talvez por não quererem atacar diretamente alguém que prestou bons serviços à popularização do assunto Língua Portuguesa, sendo até hoje uma espécie de "popstar" da gramática, ou por receio de terem que providenciar direito de resposta, raramente é diretamente citado.

Ele já lucrou com os CD-ROMs e agora vende seus livros à rodo e é vida que segue. Só que os ataques que a revista (e outros linguistas) fez aos seus ensinamentos, foi sim uma tabefe com luva de pelica. Vida de professor é dura, meus caros.

A minha posição? É claro que Machado de Assis estava certo quanto ao uso. Mas eu não sou o prof. Pasquale para dizer se ele estava ou não estava certo. Sou um professor de computação, bem afeito à lógica. E nem digo que o outro lado está errado em dizer "pois não" quando quer dizer "sim", piscina para "gente" nadar (ao invés de "peixes") e "eu NÃO quero NADA disso", ao invés de "eu quero NADA disso".

Por outro lado, não é porque finalmente a era Dunga acabou que podemos dizer adeus para a coerência (termo que está totalmente "out" nesse momento, mas com certeza é uma moda que passará).

Digo apenas que se usarmos as duas formas, "risco de morte" e "risco de vida", Para querermos dizer a mesma coisa teremos um sobrinho de 4 anos nos dizendo que isso é uma loucura.

E eu responderei que do ponto de vista da lógica ele está certo, e o prof. Pasquale também. Mas precisamos ter tolerância com as correntes contrárias. Quem sabe com essa pasqualada (seja lá o que for esse verbete no futuro) não passemos a usar mais "risco de morte" e com isso "consertamos" essa particularidade da língua?

Afinal, na mesma reportagem a Veja veio falar mal do gerundismo, de termos em inglês e em português "deselegantes". Ainda que saibamos que o deselegante hoje pode se tornar o familiar amanhã, e está longe de ser um conceito absoluto.

Assim, para alguém da área de exatas como eu, o português tem uma lógica muito "fuzzy". Talvez no futuro as máquinas de tradução, parsers e algoritmos de análise lexicais possam domar um pouco a fluidez formal de nossa língua. Ainda que não haja nada que indique que isso seja uma tendência.

Um educado leitor escreve para estranhar que este jornal utilize a expressão risco de vida, alegando que um professor de renome já corrigiu este equívoco de uma vez por todas: "É risco de morte, pois só pode correr risco de vida um morto que está em condições de ressuscitar". Sinto dizer-te, meu polido leitor, mas não é bem assim que funciona. A experiência me ensinou a suspeitar, de antemão, de tais "descobertas" adventícias, feitas por essas autoridades que aparecem para me anunciar, com aquele olhar esgazeado do homem que viu a bomba, que eu estive cego e surdo todo esse tempo. Talvez não saibas, mas o Brasil assiste agora a uma nova safra desses Antônios Conselheiros da gramática: volta e meia, aparece um maluco disposto a reinventar a roda e a encontrar "erros" no Português que já era falado pela avó da minha bisavó e pelos demais antepassados - incultos, cultos ou cultíssimos. O que esses fanáticos não sabem (até porque, em sua grande maioria, pouco estudo têm de Lingüística e de Gramática) é que, mesmo que a forma que eles defendem seja aceitável, a outra, que eles condenam, já existia muito antes do dia em que eles próprios vieram a este mundo para nos incomodar.
Cláudio Moreno. Porto Alegre, 27 de novembro de 2004 - Jornal Zero Hora,
Edição nº 14342


A questão tem cerca de dez anos, talvez quinze. O certo é que quando Cazuza cantou, em 1988, “o meu prazer agora é risco de vida” (na canção Ideologia), ainda não passava pela cabeça de ninguém corrigi-lo. Mais tarde, professores de português que exerciam o cargo de consultores em redações conseguiram convencer os chefes de determinados jornais e TVs de sua tese tolinha: “Como alguém pode correr o risco de viver?”, riam eles.

Era um equívoco. Julgavam ter descoberto uma agressão à lógica embutida no idioma, mas ficaram na superfície do problema, incapazes de fazer uma análise linguística mais sofisticada e compreender que risco de vida é risco para a vida, ou seja, risco de (perder a) vida. O que, convenhamos, nem teria sido tão difícil.

Muita gente engoliu desde então o risco de morte. De tanto ser martelada em certos meios de comunicação, inclusive na TV Globo, a nova forma vai sendo adotada por multidões de falantes desavisados. O que era previsível, mas não deixa de ser meio constrangedor.

Não se trata de dizer que risco de morte seja, como alegam seus defensores a respeito de risco de vida, uma expressão “errada”. Não é. De gabinete, sim, mas não errada. Pode-se usá-la sem risco para a adequada comunicação de uma mensagem. Se seus adeptos se contentassem em fazer tal escolha de forma discreta, sem apontar agressivamente o dedo para quem não concorda com ela, a convivência das duas formas poderia ser pacífica.
Sérgio Rodrigues. Risco de vida ou risco de morte? - Sobre Palavras.


Em artigo intitulado Revista Veja e suas concepções de Língua e Ensino Tânia Guimarães discorre sobre o caráter meio bipolar da revista em relação ao tema, como pode ser observado nos seguintes trechos do referido artigo:

A revista Veja não apresenta coluna semanal ou mensal sobre o tema LP [Língua Portuguesa]. Nota-se, um período relativamente grande entre uma reportagem e outra. Dentro do período de 1997 e 2002, foram encontradas treze reportagens sobre a LP. A baixa ocorrência pode ser explicada pelo fato de o tema não ser considerado notícia, por não figurar na agenda setting. Matérias encontradas:

1) Língua Enrolada → entrevista das Páginas Amarelas feita com o professor Pasquale, em 1997.
2) Nossa Língua Portuguesa → comenta um dicionário elaborado pela Academia Brasileira de Letras e suas incoerências.
3) Tupi or not tupi → reportagem que aborda a história, o ensino e a tentativa de resgate do Tupi.
4) Pequenos grampos, grandes negócios → sobre os destaques do ano de 98, entre eles, o professor Pasquale.
5) Fuja do "a nível de" → nota que se propõe a dar dicas ao leitor.
6) Errar é divino → análise da questão do erro sob a ótica literária.
7) Nobre como Camões → de curiosidade histórica, pois traz a informação de que o português da população rural é, na verdade, resultado do português arcaico.
8) O Fim do Português → entrevista das Páginas Amarelas feita com Steven Fischer .
9) O Bom senso está on sale →foi produzida no auge da polêmica do projeto de lei de Aldo Rebelo.
10) Todo mundo fala assim → reportagem sobre o lançamento da Gramática de Usos.
11) O poder da Palavra → matéria de capa sobre lançamento do dicionário Houaiss.
12) Falar e escrever, eis a questão → capa.
13) Todo apoio ao MST → de autoria de Diogo Mainardi com declarações reveladoras de sua concepção de língua.

O que foi encontrado nas matérias

No primeiro texto, Língua Enrolada, prevalece a visão do gramático, no caso, do professor Pasquale. Infelizmente, a imagem de falante criada por suas declarações é a pior possível: A nenhuma pessoa é atribuído um "bom uso" da língua, somos uma nação de maculadores da LP, desde os presidentes, passando pelos professores até chegar na população. Problemas de toda ordem são apontados.

(...)Todo apoio ao MST, lamentavelmente, é outra que constrói uma péssima imagem de falantes de LP, de professores e escola. De acordo com seu autor, "está tudo nivelado por baixo" e a prova são os encartes do professor Pasquale, que conferem a impressão de que nenhum brasileiro terminou a sétima série. Crítica, aliás, destoante da autoridade conferida pela Revista ao mesmo professor.

(...)Nas reportagens, percebe-se uma oscilação freqüente entre as concepções de língua/linguagem adotadas nas treze matérias, o que permite afirmar que o corpo editorial não tem uma postura objetiva sobre os fenômenos da linguagem e nem mesmo jornalistas especialistas para tratar do tema, a fim de manter uma mesma visão sobre os fenômenos idênticos. Quanto à autoria, convém atentar ao fato de que os jornalistas designados não se repetem, exceção para João Gabriel Lima, fato que pode explicar a oscilação de concepções.

(...)Eis, sucintamente, o resumo dos resultados:
1º) Veja sustenta que o brasileiro faz um péssimo uso do idioma;
2º) os parâmetros para estabelecer esta imagem são baseados na Gramática Tradicional;
3º) a escola falha por não proporcionar a competência comunicativa e a Revista sugere o mesmo velho caminho - ensino da Gramática Tradicional;
4º) oscilação entre as concepções de língua/linguagem nas matérias devido à sua autoria;
5º) são responsáveis pelas falhas do ensino ineficaz de Língua Portuguesa: professores, alunos, escola, metodologia de ensino;
6º) não esclarece ao leitor as diferentes concepções de língua de estudiosos de acordo com a área de atuação;
7º) não diferencia as peculiaridades da fala e da escrita;
8º) redundância em relação ao conteúdo dentro da própria Revista e em relação à mídia em geral, constituindo-se na auto-alimentação (Rossi);
9º) a revista cria, ora uma imagem de língua estática, petrificada, imutável, ora uma língua sujeita aos falantes e às mudanças; viva, enfim; 10) não pode ser considerada uma representante do prescritivismo e dos gramáticos tão pouco da inovação dos lingüistas.
Revista Veja e suas concepções de Língua e Ensino - Revista Espaço Acadêmico


Mas o português é assim mesmo, vem uma reforma para simplificar e temos que aprender tudo de novo. Aí um país lusófono grita que não abre mão de uma exceção e a simplificação complica.

Basta que todo mundo fale errado que o errado fica certo e o certo anterior caia em desuso. Assim, como o Direito, o a norma culta sempre serviu para discriminar e segregar. Facultando aos especialista o direito de "falar errado" e "agir errado", desde que saiba justificar. Para não se passar por ignorante.

Desta forma, a próxima vez que alguém corrigir o seu português diga que você está, na verdade, criando um neologismo, uma licença poética, que você foi alfabetizado em inglês, ou mesmo que você está exercendo seu poder transformador da língua. Que daqui a pouco o "vc q tc" vai figurar em algum dicionário, primeiro como jargão técnico, depois será incorporado na norma culta pois algum "imortal" vai escrever alguma crônica citando a inovação e o errado passará a ser o corretor.

E siga feliz com a democracia e a liberdade de expressão. Só não vá fazer isso em um concurso público ou no vestibular que você se enrosca. ;-D

Postar um comentário

  1. Eu lembro que de uma hora para outra, nesse período de tempo que você cita as tvs começaram a substituir o termo "risco de vida" por "risco de morte". Confesso que nunca, mas nunca mesmo consegui pronunciar o tal de "risco de morte". Sempre soou muito esquisito. Agora, lendo o teu texto vem aquele sorriso de quem sabia que estava certa.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Eu pergunto é: seria Machado de Assis um ignorante diante do Pasquale? Acredito mais que tenha sido um vacilo do professor, pois a língua portuguesa possui aspectos interessantes e estranhos ao mesmo tempo. Em inglês, por exemplo, se diz "I didn't call anybody" ou "I called nobody", enquanto em nosso português seria "Eu não chamei ninguém", utilizando a negativa duas vezes, quando no inglês se utiliza apenas uma.
    Há de se ter um discernimento em certas questões.

    ResponderExcluir
  3. A comunicação entre duas pessoas ou mais, é perfeita se for de fácil entendimento, não importando como foi escrita, falada ou como foram os gestos.

    ResponderExcluir
  4. Seria ótimo se o Prof. Pasquale tivesse a humildade em reconhecer que errou. Até porque ele já conseguiu legitimar a expressão "Risco de morte", mesmo sendo horrorosa. Acho que seria de bom tom ele vir a público a admitir que a expressão "Risco de vida" não só é aceitável como, SIM, é consagrada por grande autores do passado e contemporâneos. E que a Globo volte a usar o "Risco de Vida"!!!

    ResponderExcluir
  5. Risco de vida não seria ato sexual consumado, em período fértil, sem o uso de métodos contraceptivos?
    Ou seja, onde há possibilidade de ocorrer gravidez?

    ResponderExcluir
  6. Eu penso que o termo "risco de vida" refere à classificação, ao gênero, do risco. É um risco vital, um risco ligado à vida da pessoa. Assim como uma pessoa que joga na Megasena corre o risco de enriquecer, ou seja, utilizando a minha lógica da expressão, um risco monetário, um risco de dinheiro. Então, sintetizando, o "de vida" seria um gênero que poderia ser substituído por "vital" -risco de vida, risco vital. Morte e vida(no sentido de adquirir vida) seriam espécies do gênero.
    Como eu disse, essa é minha humilde opinião, a qual vem de uma pessoa de 18 anos que obviamente não possui estudos suficiente para ter um entendimento "correto" do tema.

    ResponderExcluir
  7. "A polêmica originou-se a cerca de uns 13 anos"

    pô, gente... não tá faltando nada nessa frase, não?

    desisti de ler o resto.

    ResponderExcluir
  8. Humm,... não sei não. Isso de "ah, já existia faz tempo, deixa aí" não quer dizer que o professor Pasquale errou. Ou que "risco de vida" seja uma expressão correta. Todo mundo conhece, ok, mas sei lá. As duas formas deveriam ser permitidas na linguagem informal, uma por ser gramaticalmente correta e a outra por ser uma expressão tradicional e bem compreendida. Mas na linguagem formal, acadêmica, usar "risco de morte" me parece bem mais adequado.

    ResponderExcluir
  9. A lingua serve para passar idéias, pensamentos, ordens, etc.
    Se ela passa a mensagem de forma correta, então está correta.

    Querer por lógica em tudo é querer mecanizar tudo. E se o seu sobrinho de poucos anos estiver tão preocuado com a lógica - e não com as peripécias criativas e inusitadas do homem, ele vai ser um idiota sem criatividade e que nunca entenderá uma mulher ;) Igual você, possivelmente.

    ResponderExcluir
  10. Autor, desculpe-me, mas, por motivos próprios, as folhas da Veja não me servem nem para limpar o ....

    Prefiro o Pasquale à Veja, mesmo ele sendo muito arrogante.

    ResponderExcluir
  11. O professor Pasquale já escreveu mais de um artigo (O Globo, Folha de S. Paulo etc.) a respeito do assunto, do qual tratou também no programa da TV Cultura. Em todas essas situações, ele deixou bem claro que as duas expressões ("risco de vida" e "risco de morte") são absolutamente legítimas. Parece que o "cientista" ou "pesquisador" em questão tem preguiça de fazer uma boa varredura.

    ResponderExcluir
  12. Tanto não tem, senhor anônimo, que a imagem de Nossa Língua Portuguesa está no post.
    Um programa que não roda nem no Windows 95. E que foi uma dificuldade razoável trazê-lo à vida e mostrar que o nosso "mestre" (que respeito e admiro) é que não teve o cuidado de pesquisar na ápoca os imortais, ou pelo menos de submeter a sua tese aos pares para que sofresse críticas, como a sua, para ser aperfeiçoada, e não impor sua verdade absoluta.
    Então foi bom você dizer que ele já se retratou, ainda que eu duvide que ele assuma que estava errado em fazer o que fez. Mas obrigado pela crítica e não precisa fazer como anônimo. Pode usar um pseudônimo pois aqui não temos verdades absolutas e sim muito debate.

    ResponderExcluir
  13. @ZuzoBem Gara, é isso que o professor defendia à época.

    ResponderExcluir
  14. Adorei o artigo. Perfeito.
    Quem quiser ver mais algumas informações sobre risco de vida e risco de morte acesse:
    http://www.migalhas.com.br/Gramatigalhas/10,MI115546,31047-Risco+de+morte+ou+Risco+de+vida?

    ResponderExcluir
  15. Alberto Lenine disse uma coisa interessante:
    "Em inglês, por exemplo, se diz "I didn't call anybody" ou "I called nobody", enquanto em nosso português seria "Eu não chamei ninguém", utilizando a negativa duas vezes, quando no inglês se utiliza apenas uma.
    Há de se ter um discernimento em certas questões."

    Em INGLÊS, duas negativas são consideradas erradas pela norma culta, mas são muito usadas informalmente. Mas, acho que o PORTUGUÊS, por ser uma língua neo-latina, segue um caminho semelhante ao do FRANCÊS: forma-se uma negativa simples em FR assim: "NE +VERBO+ PAS". São duas negativas em que, na língua falada informal, o "ne" desaparece ficando só o PAS (=passo). O PAS entrou na língua por gramaticalização, pois, sendo o NE (=não) uma partícula átona, confundia-se afirmação/negação. Para deixar claro o que se queria dizer complementava-se com um termo após o verbo. Imaginemos um diálogo: "A- eu (não) ando; B - Você anda?; A - eu não ando um passo. PAS é apenas um termo que dentre outros entrou na gramática (gramaticalização), há outros "VOIR + VERBO + POINT" (=não ver um ponto), "BOIRE +VERBO+ GOUT" (=não beber uma gota), que hoje são formas literárias.
    Para estender esse assunto veja: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-44502001000100001&script=sci_arttext)
    Para finalizar, o que quero dizer é o propósito em se negar duas vezes é simples: enfatizar a negativa, eliminando qualquer dúvida.
    Agora, se me permitem, uma dica minha a todos: estudem as línguas neo-latinas além do inglês. Estudo francês e hoje compreendo melhor alguns aspectos da língua portuguesa que antes pareciam estranhos...

    ResponderExcluir
  16. Bom,já vi,na web muitos comentários sobre o assunto.
    Mas não vi nenhuma explicação exata.
    Encontrei uma maneira bem simples de explicar:
    Por exemplo:
    Está acabando o combustível do avião!
    ele corre o "RISCO DE CAIR" ou "RISCO DE CAI"?

    O carro está sem freio! ele corre o "RISCO DE BATER"
    ou o "RISCO DE BATE"?

    Assim ficou fácil entender que "RISCO DE MORTE" ficou
    mal falado,pois a palavra morte está no tempo errado.
    "RISCO DE MORRER" E NÃO "RISCO DE MORTE".
    Na frase "RISCO DE VIDA" se subentende que a intenção
    é dizer "RISCO DE PERDER A VIDA" ou "POR A VIDA EM RISCO".

    Quando eu ouço alguém dizer "RISCO DE MORTE" me da até dor
    de cabeça. mas,o que esperar de um país em que ministros dizem:"BOA NOITE TODOS E TODAS"?

    ResponderExcluir
  17. Creio que o que pode ser subentendido no caso de "risco de morte" seria "risco de haver morte". Assim, analogamente, teríamos no caso do avião o "risco de queda".
    Mas hoje no rádio eu já ouvi o repóter falar "risco de morrer" pois acredito que as redações já estão fartas da polêmica.
    A bola da vez agora é o "logo menos". Algo como um futuro mais próximo que "logo mais". Mas acho que essa moda passa logo.

    ResponderExcluir
  18. Isso tudo é rídiculo!!!
    Todos os meus professores de língua portuguesa e norma culta, sempre ensinaram a expressão "risco de morte"!
    Faz todo o sentindo. Será que de uma hora para outra todo mundo resolveu ignorar a norma culta? Claro que não, é só uma questão de interpretação.

    ResponderExcluir
  19. Parece discussão religiosa, ninguém chega a conclusão alguma ou seria: todos não chegaram a lugar algum ou então ninguém chegará a conclusão alguma ou, ainda, ninguém nada sabe???

    ResponderExcluir
  20. ele não errou, muitos gramáticos afirmam que risco de vida está certo , pois tem o risco de perder a vida.

    ResponderExcluir
  21. Sou da área de Letras. Posso afirmar, esses professores que se vendem para a televisão, como o Pasquale, são comparados aos pastores evangélicos que fazem pregação na televisão. Isto é, são os mais populares e vivem na boca do povo, mas, para os profissionais sérios, não passam de aproveitadores.

    ResponderExcluir
  22. Isto é mesmo ridículo!
    Dizer que o professor Pasquale está errado, simplesmente porque hoje surgiu alguém que deu uma versão, seguindo uma lógica, é muito ridículo.
    É tudo uma questão de interpretação e versão. Será que os profissionais que bolaram a lógica "risco de perder a vida", não poderiam estar errados, também? Eu acredito que em breve surgirá outro "culto" dando lógica ao risco de morte.
    Entretanto, é por isso e outras coisas que eu adoro a Língua Portuguesa...

    ResponderExcluir
  23. Eu também sou da área de letras, sou mestre em educação, sou revisora e tradutora, falo três idiomas estrangeiros, leio muito, e digo mais: socooorrooo, tô confusaaaa!!! X D

    ResponderExcluir
  24. Na verdade, tenho uma dúvida: esse "risco" aí, é um traço? Se for, a expressão "risco de vida" trata-se, na verdade, de um esboço de um desenhista de animação. Ou, como disse o colega lá atrás, pode ser também o risco de engravidar, haushasuahsuahsua, com o qual concordo plenamente.
    É tudo uma grande palhaçada. Risco de vida é risco de vida e ninguém nunca parou para raciocinar diante de uma placa com uma caveira em vermelho dizendo "Risco de Vida", "Afaste-se". É uma expressão tão eficiente, tão direta, tão conhecida e compreendida, que sempre foi usada para EVITAR A MORTE! Então, vamos parar de palhaçada antes que eu comece a analisar expressões como "Semi-novo" e passe a provar que o correto é "Semi-usado". Afinal, não existe nada "um pouco novo", já um objeto um pouco usado, sim!

    ResponderExcluir
  25. Vou tentar novamente esclarecer, e ver se vocês tem coragem de publicar a verdade.
    Aonde canta o galo, já me perguntaram. Uma discussão, infrutífera, pois já se consagrou na língua. Até no estrangeiro, além mar,estou convencido que nunca antes neste (imitando o maior convencido Lula) existia tal expressão. Como dizem alguns críticos, nem na Bíblia, Constituição Federal. dicionários mais detalhistas da língua, foi encontrando, segundo meus críticos. Incluindo citação de Machado de Assis ou como da revista Veja e do "Observatório da Imprensa " no artigo "antes de morre pela palavra" para ser consultado. Só porque foi um brasileirinho, inculto, deu no que deu. Aí o pobre professor Pasquele, para quem enviei esta sugestão à dez anos mais ou menos,e também a rede globo, que resolveram divulgar a minha sugestão de mudança. Se fosse um grande literato, ou escritor, tudo seria pacífico, mas como não se conhecia o autor daquilo que se denominou "pérola" de um tal professor, assessor da alta cúpula da rede globo, e ignorante que não tinha o que fazer (este último foi correto), criou-se a polêmica. Uns defendendo, outros ...
    No resumo, é que todos, agora, já empregam normalmente, sem discutir, sendo matéria até de vestibular, e sugestão de se mudar a própria Constituição Federal. Brinco em dizer, a quem procurou muito sobre ela, que nem no livro dos mortos, egípcio inexistia a expressão. Abraços eduardo de sbc

    (acho que não vão deixar publicar novamente, e se ocorrer,não são nenhum um poco democrático, e se publicar, obrigado por poder esclarecer um pouco a curiosidade dos que lhe escrevem)

    ResponderExcluir
  26. Ninguém mais postou comentário? Vou atualizar o assunto se permitir! Obrigado pela reverencia, mas infelizmente como já citei, não o sou nem professor, nem ilustre e muito menos consultor televisivo. Apenas um ex-metalúrgico que trabalhou na mesma arena fabril do “Taturana” e semi analfabeto de passagem por este mundão guiado por Jesus Cristo. Mas lhe agradeço sua preocupação de não querer citar de Pasquale, o qual a dez anos mais ou menos lhe enviei esta sugestão para se acrescentar mais uma expressão idiomática na nossa linguagem universal. Foi a ele e a Rede Globo simultaneamente sugeri apenas uma forma mais direta de se expressar, sem precisar usar termo “escondido” a interpretar. Forma direta, simplesmente direta apenas como o necessário. Mas os créditos são todos do televisivo é claro, que lhe apreciaram. E hoje já se constata, que um simples obscuro ex-metalúrgico mudou no mundo esta forma de se expressar, que nunca antes existia. Não sabia mas nem no estrangeiro a existia. Mas soube que agora já lhe exportaram e foi um inventivo brasileirinho, legítimo “made in”, não é legal saber disso? Um brasileirinho analfabeto a criar uma maravilhosa nova forma expressiva de comunicação, e o importante, mais direta e fácil de entender, sem quase precisar interpretar sua oculta elipse para se comunicar! Mas há cousas mais importantes hoje na cena nacional como mensalão ou aos fanáticos islã, ou ambientalistas, onde em baixo de árvore só podemos colher macaquinho? É só macaco dá em baixo de árvore, e como não podemos matá-lo, teremos que virar índios para não morrer de fome. Como sou cretino, mas se pensar um pouco verá ser verdade, onde só índio pode matar macaco para comer. E mais alguém conhece a marchinha carnavalesca do Zezé cabeleira, será que é ou não é homofóbico? Ou a eleita para o carnaval de 2013 Globo, de Heraldo de Alá meu bom Alá, em plena guerra a defesa do Alcorão? Logo vão perceber e nos condenar a fogueira da ignomínia do seu fanatismo. Será a terceira guerra já anunciada pelos falsos profetas? Que horror os conflitos inventados na humanidade ignorante com certeza! Até meu próprio inventivo “Risco de Morte” tão criticado pela mídia nacional, que deveria ao menos prestigia-la por ser feito por um conterrâneo, e hoje já absorvida culturalmente e até exportada ao mundo, não a lhe admitem, mesmo sabendo que a língua é viva, e não sofre risco de morte graças a Deus. Então se fazem guerra até por uma nova expressão que veio para melhorar e realmente melhorou a comunicação mais direta, o que falar destes pobres fanáticos conflituosos, melindres criados só para justificar a prepotência egocêntrica humanas. Pelo menos agora poderemos falar-lhes de forma mais simples, direta e sem estar escondido seu entendimento em elipse, estamos em Risco de Morte pelo fanatismo islâmico! PS. Taturana era o apelido de Lula presidente, na Villares onde trabalhávamos em Santo Bernardo do Campo SP, hoje um mero supermercado. Taturana o foi dado pelo seu bigode e o andar tropicado meio tonto depois do almoço, o que sempre justificou pelo calor à telha tipo brasilite, cobertura fabril, com pé direito mais de nove metros de altura, e as suas portas rolantes, todas sempre abertas para os que a conheceu. Mas lhe achava sempre muito quente a exigir e necessitar todo dia com um pouco, doses apenas, de álcool refrescante, só umas goladas para refresca e lhe fazer andar tropicar (como taturana, característico ziguezague). Bons tempos, levei até uma pedrada na cabeça na primeira greve, pela cavalaria ditatorial. E graças a pedrada que temos hoje a redemocratização. História apenas e não falo de política. Época que se corria o risco da escondida vida, mas hoje a direta morte! E o que preferes a escondidinha vida ou a declarada límpida morte a atanazar nosso pobre Taturana (Lulinha hoje) daquela época a recordar! Abraços de Eduardo de SBC, onde chefe bom é chefe morto.

    ResponderExcluir
  27. Falou tanto, mas afinal, qual é o correto? Se analisarmos bem, o único que causa dúuvidas é o risco de vida, pois:
    Risco de vida - corre o risco de viver, ou corre o risco de perder a vida?
    Risco de morrer - corre o risco de morrer. ( e ponto final)
    E então?!

    ResponderExcluir
  28. É uma questão de elegância versus arrogância. Da pena suave de Machado de Assis contra as teclas rígidas do Prof. Pasquale. A propósito, acho que a questão pôs fim à carreira midiática do tal. Por onde andaria o professor?

    ResponderExcluir

Deixe suas impressões digitais aqui...

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.