$hide=/p/valores.html

Por que nossos níveis de QI são mais elevados que dos nossos avós.

Chama-se Efeito Flynn — o fato de que cada geração atinge uma pontuação mais alta em testes de QI do que a geração anterior. Estamos realmen...

Chama-se Efeito Flynn — o fato de que cada geração atinge uma pontuação mais alta em testes de QI do que a geração anterior. Estamos realmente ficando mais inteligentes, ou apenas pensando diferente? Nessa rápida jornada pela história da cognição no século XX, o filósofo moral James Flynn sugere que mudanças em nossa maneira de pensar tiveram consequências surpreendentes (e nem sempre positivas).

Vamos fazer uma rápida viagem através da história da cognição no século XX, porque naquele século, nossas mentes mudaram radicalmente.



Como vocês sabem, os carros usados em 1900 mudaram porque as estradas são melhores e por causa da tecnologia.

E nossas mentes também mudaram.

Nós nos transformarmos de pessoas que encaravam um mundo concreto e que analisavam esse mundo principalmente em termos dos benefícios que lhes trazia em pessoas que se deparam com um mundo muito complexo, e é um mundo onde tivemos que desenvolver novos hábitos mentais, novos hábitos da mente.

E isso inclui coisas do tipo: cobrir aquele mundo concreto com classificações, introduzir abstrações que tentamos tornar logicamente consistentes, e também levar o hipotético a sério, ou seja, imaginar o que poderia ter sido em vez daquilo que é.

Então, essa mudança radical me chamou atenção devido ao enorme aumento do QI através dos tempos, e esse aumento foi realmente enorme.

Nós não apenas acertamos algumas perguntas a mais nos testes de QI.

Nós acertamos muito mais perguntas nos testes de QI do que cada geração sucessivamente desde que os testes foram inventados.

Na verdade, se medirmos os resultados de pessoas do século passado usando as normas modernas, eles teriam um QI médio de 70.

Se nos medirmos usando as normas deles, teríamos um QI de 130.

Isso levantou uma série de questões.

Será que os nossos ancestrais diretos estavam próximos do retardo mental? Porque 70 é normalmente a pontuação para o retardo mental. Ou estaríamos nós à beira de sermos todos superdotados? Porque 130 é a marca da genialidade.

Eu vou tentar argumentar por uma terceira alternativa que é bem mais esclarecedora do que as outras duas.

E só pra colocar em perspectiva, vamos imaginar que um marciano baixou aqui na Terra e encontrou uma civilização em ruínas, e que esse Marciano fosse um arqueólogo que encontrou alvos, alvos que as pessoas usavam como tiro-ao-alvo.

Primeiro ele olhou em 1865, e descobriu que em um minuto, as pessoas só acertaram uma vez na mosca.

Aí ele descobriu que em 1898 eles acertaram cerca de cinco balas na mosca em um minuto.

E então, em 1918, eles acertaram cem balas na mosca.

No princípio, aquele arqueólogo teria ficado perplexo.

E diria, veja, esses testes foram planejados para descobrir quão firme eram as mãos das pessoas quão aguçada era a sua visão, e se eles tinham controle sobre suas armas.

Como pode o desempenho ter aumentado a esse nível? Ora, nós agora sabemos a resposta, é claro.

Se aquele marciano olhasse os campos de batalha, saberia que as pessoas só tinham mosquetes no tempo da Guerra Civil e que eles tinham rifles no tempo da Guerra Hispano-Americana, e que então eles possuíam metralhadoras na época da Primeira Guerra Mundial.

Em outras palavras, era o equipamento nas mãos do soldado comum que era responsável, não um olho mais aguçado ou maior firmeza da mão.

O que precisamos imaginar é a artilharia mental que nós acumulamos nos últimos cem anos, e, novamente, acho que um outro pensador pode nos ajudar aqui, e é o Luria.

(Alexander Luria) Luria estudou as pessoas imediatamente antes de terem entrado na era científica, e descobriu que essas pessoas resistiam a classificar o mundo concreto.

Elas queriam dividi-lo em pequenas partes que pudessem ser usadas.

Ele descobriu que eles resistiam a deduzir o hipotético, a especular o que poderia ser, e, finalmente, ele descobriu que eles não lidavam bem com abstrações ou com o uso da lógica nas abstrações.

Deixe-me dar alguns exemplos de suas entrevistas.

Ele falou com um chefe de uma aldeia em uma área rural da Rússia.

Lá eles tinham apenas, como era comum em 1900, cerca de 4 anos de escolaridade.

E ele perguntou a essa pessoa: o que os corvos têm em comum com os peixes? e o cara disse:

"Absolutamente nada. Eu posso comer um peixe, e eu não posso comer um corvo. Um corvo pode bicar um peixe. Um peixe não pode fazer nada com um corvo."

E Luria disse: "Mas não seriam os dois animais?"

E o outro respondeu, "Claro que não. Um é peixe. O outro é pássaro."

Ele estava interessado, na verdade, no que ele podia fazer com esses objetos concretos.

Então Luria abordou outra pessoa, e disse:

"Não há camelos na Alemanha. Hamburgo é uma cidade na Alemanha. Existem camelos em Hamburgo?"

E o cara disse: "Bom, se (a cidade) for bastante grande, deve haver camelos lá."

E Luria disse, "Mas o que as minhas palavras sugerem?"

E ele disse, "Bom, talvez seja uma aldeia pequena, onde não há espaço para camelos."

Em outras palavras, ele não queria tratar isso de outra forma se não como um problema concreto, e ele estava acostumado a ver camelos em aldeias e não tinha capacidade de usar o hipotético, para se questionar se seria possível que não houvesse camelos na Alemanha.

Uma terceira entrevista foi feita com outra pessoa, sobre o Polo Norte.

E Luria disse:

"No Polo Norte, sempre há neve. onde quer que sempre haja neve, os ursos são brancos. Qual é a cor dos ursos no Polo Norte?"

E a resposta foi:

"Isso só pode ser resolvido através de testemunho. Se um sábio viesse do Polo Norte e me dissesse que os ursos são brancos, pode ser que eu acreditasse, mas todos os ursos que eu conheço são marrons."

Agora, veja novamente, essa pessoa rejeitou ir além do mundo concreto e analisar através da experiência comum, e para essa pessoa era importante qual a cor dos ursos - afinal, ele tinha que caçar ursos.

Eles não queriam se envolver nisso.

Um deles disse a Luria, "Como podemos solucionar problemas que não são reais? Nenhum desses problemas é real. Como podemos lidar com eles?"

Agora, essas três categorias - classificação, o uso da lógica em abstrações, e levar o hipotético a sério - que diferença elas fazem no mundo real além da sala de testes? Vou lhes dar algumas demonstrações.

Primeiro, hoje em dia quase todos nós recebemos um diploma secundário.

Ou seja, passamos de entre 4 a 8 anos de escolaridade para 12 anos de educação formal.

E 52% dos americanos receberam algum tipo de educação terciária.

Portanto, não apenas temos bem mais educação, e grande parte dessa educação é científica, e não há como se fazer ciência sem classificar o mundo.

Não dá pra se fazer ciência sem propor hipóteses.

Não dá pra se fazer ciência sem uma consistência lógica.

E mesmo na escola primária as coisas mudaram.

Em 1910, pesquisadores olharam os testes que o estado de Ohio aplicou a jovens de 14 anos, e descobriram que os testes eram todos sobre informações concretas de valor social.

Coisas do tipo: quais as capitais dos 44 ou 45 estados que existiam na época? Quando eles olharam os testes que o estado de Ohio aplicou em 1990, eles eram todos sobre abstrações.

Coisas do tipo: por que raramente a maior cidade de um estado é a sua capital? E você deveria pensar, bem, a legislatura estadual era controlada pelos ruralistas, e eles odiavam a cidade grande, portanto ao invés de colocar a capital em uma cidade grande, eles a colocavam em um condado.

Eles colocaram em Albany em vez de Nova York.

Em Harrisburg em vez da Filadélfia.

E assim por diante.

Portanto, o curso da educação mudou.

Estamos educando as pessoas para levar a sério o hipotético, para utilizar abstrações, e associá-las logicamente.

E o que dizer sobre o trabalho? Bem, em 1900, 3% dos americanos praticavam profissões que exigiam o uso de cognição. Apenas 3% eram advogados, médicos, ou professores.

Hoje, 35% dos americanos praticam uma profissão que exige o uso de cognição não apenas para profissões tais como advogados, ou médicos, ou cientistas ou palestrantes, mas várias outras sub-profissões que têm a ver com técnicos, programador de computação.

Uma vasta gama de profissões hoje exige o uso de cognição, E nós só podemos corresponder às exigências de trabalho do mundo moderno sendo cognitivamente bem mais flexíveis.

E não é só que temos mais gente em profissões que exigem o uso cognitivo.

As profissões se aprimoraram.

Compare o médico de 1900, que na verdade tinha apenas alguns truques debaixo da manga com o clínico geral ou o especialista modernos, com anos de treinamento científico.

Compare o banqueiro de 1900, que só precisava de um bom contador e de saber quem era de confiança na comunidade local para quitar a hipoteca.

Bom, os banqueiros que fizeram o mundo cair de quatro podem ter sido moralmente faltosos mas, cognitivamente, foram muito ágeis.

Eles foram muito além daquele banqueiro de 1900.

Eles tiveraram que examinar projeções computacionais para o mercado imobiliário.

Eles tiveram que entender as complicações das CDOs ao quadrado para re-empacotar as dívidas e fazê-las parecer com que fossem, na realidade, um ativo lucrativo.

Tiveram que criar argumentos para que as agências de crédito lhes dessem a classificação AAA, apesar de, em muitos casos, eles terem praticamente subornado as agências de crédito.

E tiveram, é claro, que fazer com que as pessoas aceitassem esses supostos ativos e que pagassem por eles mesmo eles sendo altamente vulneráveis.

Ou vejamos um fazendeiro de hoje em dia.

Eu diria que o administrador de uma fazenda hoje é muito diferente do fazendeiro de 1900.

Portanto, não é apenas a difusão de profissões que exigem o uso da cognição.

É também o aprimoramento de suas tarefas como no caso de advogados, médicos e outros mais que criou maiores demandas às nossas faculdades cognitivas.

Bem, falei sobre educação e sobre trabalho.

Alguns dos hábitos da mente que desenvolvemos durante o século XX nos deram resultados em áreas inesperadas. Eu sou acima de tudo um filósofo moral eu apenas tiro onda na psicologia e o que me interessa, em geral, é o debate moral.

Durante o último século, em países desenvolvidos como os Estados Unidos, o debate moral aumentou porque levamos o hipotético a sério, e também levamos o universal a sério e buscamos conexões lógicas.

Quando voltei para casa da universidade, em 1955, nos tempos de Martin Luther King, muita gente voltava para casa naquela época e começava a ter discussões com seus pais e avós.

Meu pai nasceu em 1885, e ele tinha um leve preconceito racial.

Ele era irlandês, e sendo assim ele odiava tanto os ingleses que não lhe sobrava muitas emoções para mais ninguém.

(Risos)

Mas ele tinha uma opinião de que os negros eram inferiores.

E quando dizíamos aos nossos pais e avós, "Como você se sentiria se amanhã acordasse um negro?" Eles diziam que essa era a coisa mais estúpida que você já tinha dito.

Quem você já conheceu que alguma vez acordou - (Risos) - e se havia transformado em um negro? Em outras palavras, eles estavam fixados nas convenções e atitudes concretas que eles haviam herdado.

Eles não levavam a sério o hipotético, e sem o hipotético, é muito difícil o argumento moral decolar.

Você precisa dizer, imagine se você estivesse no Irã, e imagine que seus parentes todos tivessem sofrido de danos colaterais apesar de eles não terem feito nada de errado.

Como você se sentiria a respeito disso? E se alguém da geração mais antiga disser, bem, nosso governo toma conta da gente e é da conta do governo deles cuidar deles, eles simplesmente não estão levando a sério o hipotético.

Ou então: um pai seguidor das leis Islâmicas, cuja filha foi estuprada e que sente que deve matá-la em nome da honra.

Bom, ele está lidando com seus costumes como se fossem pau e pedra que ele herdou e totalmente impassíveis de mudança pela lógica.

Eles são apenas costumes herdados.

Hoje em dia diríamos algo assim: Bom, imagine que você tivesse sido atacado e ficado inconsciente, e fosse sodomizado.

Você mereceria ser morto? E ele diria, ora isso não está no Corão.

Não é um dos meus princípios.

Bom, hoje em dia, você universaliza seus princípios.

Você os declara como abstrações e usa a lógica para analisá-los. Se você tem por princípio que as pessoas não deveriam sofrer a não ser que sejam culpadas de algo então para excluir os negros você deveria abrir exceções, não é mesmo? Você precisa dizer, bom, a pele negra... não se poderia sofrer apenas por isso.

Deve ser que negros são, de alguma forma, contaminados.

E aí podemos trazer evidências empíricas para apoiar, não é mesmo? E dizer, bom, como você pode considerar todos os negros contaminados quando Santo Agostinho era negro, e Thomas Sowell é negro? E você pode, então, levantar o argumento moral porque você não está tratando princípios morais como entidades concretas.

Você os está tratando como universais, que se tornam consistentes através da lógica.

Mas, ora, o que tudo isso tem a ver com os testes de QI? Foi isso que me iniciou na história da cognição.

Se você olhar os testes de QI, vai descobrir que os ganhos foram maiores em certas áreas.

Os subtestes de similaridade de Wechsler são sobre classificação, e tivemos enormes ganhos neste subteste de classificação.

Há outras partes na bateria de testes de QI que são sobre o uso da lógica em abstrações.

Alguns de vocês podem ter feito o teste de matrizes progressivas de Raven que é totalmente sobre analogias.

E em 1900, as pessoas podiam fazer analogias simples.

Ou seja, se você dissesse a elas: gatos são como gatos selvagens, Como são os cachorros? Eles diriam: lobos. Mas já em 1960, as pessoas podiam atacar o teste de Raven num nível bem mais sofisticado.

Se você dissesse: temos dois quadrados seguidos de um triângulo, o que temos após dois círculos? Eles poderiam dizer: um semicírculo.

Da mesma forma que um triângulo é metade de um quadrado, um semicírculo é a metade de um círculo.

Em 2010, graduados em universidades, se você dissesse dois círculos seguidos de um semicírculo, dois dezesseis são seguidos de quê? eles diriam oito, pois oito é a metade de 16.

Ou seja, eles se afastaram tanto do mundo concreto que eles podem até mesmo ignorar a aparência dos símbolos incluídos na pergunta.

Agora, eu preciso dizer algo muito desanimador...

Nós não progredimos em todas as frentes.

Uma das maneiras que gostaríamos de lidar com a sofisticação do mundo moderno é através da política.

E, infelizmente, você pode ter princípios morais humanos, você pode classificar, usar a lógica em abstrações, mas se você é ignorante sobre história e sobre outros países não há como fazer política.

Nós percebemos um padrão entre americanos jovens, que eles lêem menos história e literatura e menos material sobre países estrangeiros, e que são essencialmente a-históricos.

Eles vivem na bolha do presente.

Eles não sabem diferenciar a Guerra da Coreia da Guerra do Vietnã. Eles não sabem quem era aliado do EUA na Segunda Guerra Mundial.

Imaginem como os Estados Unidos seriam diferentes se cada americano soubesse que essa é a quinta vez que exércitos ocidentais foram ao Afeganistão colocar a casa em ordem, e se eles tivessem ideia do que realmente aconteceu nas últimas quatro ocasiões.

(Risos)

Ou seja, mal eles saíram e já não havia rastros na areia.

Ou imaginem quão diferente seriam as coisas se a maioria dos americanos soubesse que foram convencidos por uma mentira em quatro de nossas últimas seis guerras.

  • Os espanhóis não afundaram o navio de guerra Maine.
  • O Lusitania não era um transatlântico inocente mas estava carregado de munições.
  • Os vietnamitas do norte não atacaram a Sétima Frota.
  • E, é claro, Saddam Hussein odiava a Al-Qaeda e não tinha nada a ver com ela, mesmo assim o governo convenceu 45% das pessoas que eles eram irmãos de armas, quando ele teria enforcado um deles no poste mais próximo.

Mas eu não quero terminar num tom pessimista.

O século XX demonstrou enormes reservas cognitivas em pessoas comuns que agora nós percebemos, e a aristocracia estava convencida que a pessoa comum não compreendia, que eles jamais poderiam compartilhar sua mentalidade ou suas habilidades cognitivas.

Lord Curzon, em certa ocasião, viu pessoas se banhando no Mar do Norte, e disse, "Por que ninguém me contou como são brancos os corpos da classe baixa?" Como se eles fossem répteis.

Bem, Dickens estava correto e ele estava enganado.

[correção: Rudyard Kipling] [Kipling] disse, "A esposa do coronel e Judy O'Grady são irmãs sem suas roupas." (Aplausos)

Fonte: TED
[Visto no Brasil Acadêmico]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

#existepesquisanobrasil A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: Por que nossos níveis de QI são mais elevados que dos nossos avós.
Por que nossos níveis de QI são mais elevados que dos nossos avós.
https://2.bp.blogspot.com/-f4X9nTVMOnM/WBlWxs9DY8I/AAAAAAAAoT0/PMcc_hXJlkQXyqP3QqzSVJ1Ylyjm1kaHACLcB/s400/james-flynn-at-ted2013.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-f4X9nTVMOnM/WBlWxs9DY8I/AAAAAAAAoT0/PMcc_hXJlkQXyqP3QqzSVJ1Ylyjm1kaHACLcB/s72-c/james-flynn-at-ted2013.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2016/11/por-que-nossos-niveis-de-qi-sao-mais.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2016/11/por-que-nossos-niveis-de-qi-sao-mais.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy