$hide=/p/valores.html

A separação do Brasil

Indicar:

E não teve jeito. Com o clima de Fla-Flu que imperou na campanha... O jeito foi separar. Serra: "Consenso de Serranos? Gostei!"...

E não teve jeito. Com o clima de Fla-Flu que imperou na campanha... O jeito foi separar.

Serra: "Consenso de Serranos? Gostei!"
Apesar da união nacional mantida a duras penas por D. João VI e mais recentemente por Getúlio Vargas, o que pode ter acelerado o fim de sua vida, dessa vez não teve como evitar a bissecção brasileira.

Depois de truculentas batalhas no Facebook, ácidas trocas de acusações no "Zapzap" e tuítes envenenados durante meses. Os dois lados chegaram a um acordo e resolveram separar as escovas. Anti-petistas e pró-bolsas sentaram-se à mesa de negociação para chegarem a um acordo e dividir os bens.

A divisão política apartou os brasileiros de tal monta que nem na mesma família houve acordo: O homem votou no homem e a mulher na mulher. O negro votou na búlgara e o branco no playboy. O rico votou no rico, e o pobre votou na esquerda. O norte votou em um e o sul no outro. E parece que quanto mais o povo conhecia profundamente o candidato, mais tendia a votar no outro.

Em quem votaria a mulher negra rica que mora no sul? São tantas as combinações que o eleitor tinha tudo para ficar indeciso. Talvez o mais fácil seria não votar em ninguém e deixar a eleição nas mãos dos convictos. Pois ninguém parecia bom o bastante e por mais que os marqueteiros os maquiassem, a real escolha recaia em selecionar o menos ruim.

Contudo o ódio de ambos os lados crescia em medida inversamente proporcional ao nível do debate e diretamente proporcional ao número de ataques pessoais.

Pois foi após muita troca de mensagem via SMS pré-pago, insultos pelo Skype e até usando o Tinder, que as partes envolvidas resolveram que não poderiam negociar em um município onde um dos lados prevalecesse. Uma vez que a cizânia estava muito acirrada (uma das poucas coisas que ambas concordavam). Ficou decidido então que o local para a discussão da partilha seria no município de Serranos, ao sul de Minas Gerais, palco para o que será conhecido no futuro como o Consenso de Serranos (conforme acertado pela mídia panfletária). Município onde Aécio teve apenas dois votos a mais que Dilma, no estado que Aécio foi governador bem avaliado, e mesmo assim perdeu para presidente da república, todavia cercado por municípios Dilmenses, exceto no Norte e Nordeste de seus limites, o que representa o oposto do ocorrido em Minas em relação ao Brasil como um todo. Entendeu? Não? Nem eu. Mas não se preocupe. Mas foi tudo meticulosamente estudado por cientistas políticos e analistas de marketing de ambos os lados.

Não. Não foi fácil acolher todos esses simbolismos. Principalmente porque simbolismos são muito mais favoráveis a Aécio, por ser de ordem maçônica, fraternidade a qual nem sequer aceita mulheres em suas tradicionais fileiras (o que impossibilitaria que a adversária tivesse a oportunidade de também tomar parte). Em contrapartida a Igreja Católica tradicional, que ainda tem certa apreensão contra certas fraternidades deísticas, e uma maior tolerância com neo-marxistas nessa era pós-Bento XVI, é muito forte no município. E essa nova fase progressista foi decisiva para houvesse acordo na escolha do local.

Quem dera fosse esse o maior dos problemas. Quem dera. Pois foi após muito debate e negociação - processo acusado de ser assembleista pelo tucanato, o que, em tese, favoreceria os trabalhistas - que também decidiu-se que o melhor seria dividir a pátria mãe de acordo com o resultado presidencial das unidades federativas como um todo ao final do segundo turno. Cogitou-se até uma divisão pela votação município a município. Mas diante da complexidade de separar as grandes áreas onde penetraram os partidários de Aécio no Pará, Mato Grosso e Rondônia (estados majoritariamente pró-Dilma) e das grandes áreas municipais votantes no PT nos estados do sul - em especial, do Rio Grande do Sul - unidades federativas onde o PSDB ganhou, ficou resolvido que a única forma minimamente viável seria acolher as unidades da federação como um todo.



Dessa forma, parecia que a divisão ficaria mais fácil. Ledo engano. Onde enfiar o tucano estado do Espírito Santo? Caprichosa e capixabamente isolado pelos petistas Rio e Minas? E Roraima? E o Acre? Bem. No caso do Acre cogitou-se até a devolvê-lo para os bolivianos (o que também colocaria fim a uma reclamação diplomaticamente chata de seu presidente, Evo Morales, segundo o qual o antigo Brasil imperialista e unido forçara trocá-lo por um cavalo) mas logo a hipótese da devolução foi descartada pelos brasileiros (e também pelos bolivianos).

Houve longas trocas de acusações onde se teve de tudo: Desde acusações de ingratidão dos povos do norte (especialmente os indígenas, o que acabou gerando outras acusações de discriminação entre os nortenses) e denúncias de discriminação por parte dos habitantes do sul, até ameaça de aumento nas tarifas do uso dos mineriodutos que partem de Belo Horizonte e vão até Vitória/ES. Aí as mineradoras fizeram valer seu lobby e ficou combinado de termos um referendo em 2115 para ver em qual metade cada um desses estados irão pertencer em definitivo.

Mesmo com toda essa desarmonia, nada foi mais indigesto do que a escolha dos nomes. Isso por que os PSDBistas quiseram colocar o nome da parte sul de Brasil Real. Aí houve resistência interna por parte de alguns correligionários de outros partidos que, apesar de serem anti-petistas, não quiseram ter o nome do novo país associado ao plano econômico cuja a imagem ficou associada ao PSDB. O PSDB se defendeu dizendo que foi pura coincidência. O que eles pretendiam era manter o sufixo da web. O ".br". Aí os pró-Dilma chiaram pois iriam gastar muito até promoverem todos os sites do novo país. Mas também tiveram problemas quando sugeriram "Brasil do Bolsa" (com sufixo ".bb" e um bebê como símbolo oficial) ou "Brasil dos Trabalhadores". Mas um nome que quase emplacou foi "Brasil do B". Porém, uma crítica do FHC, dizendo que esse nome era a maior prova de que o PT era sectário, fez com que o título fosse descartado. Dizem que por preguiça dos dirigentes do partido em olhar o que significava "sectário", logo desmentido por ninguém menos que Chico Buarque de Holanda (cujo nome já lembra um dicionário) um pouco antes de fundar o PMPB, junto com o velho baiano, Caetano.

Usar como critério para a escolha do nome do novo país a sua eventual sigla sufixal se mostrou um enorme desafio. Barbados já lembrou que o ."bb" é deles. Ninguém toma o ".bt" do Butão. Podem esquecer Brasil do Norte e Brasil do Sul, se depender do Brunei Darussalam (".bn") e das Bahamas (".bs"). Bermudas também assinalou que .bm não estaria disponível para um eventual Brasil Meridional. O PCB e PCdoB lembraram que o ".bc" estava disponível. Mas a sugestão foi logo descartada mostrando a tradição da desunião das esquerdas.

A CUT sugeriu ".bu", mas os outros dilmistas disseram que a sigla lembraria vaias, que remeteriam a incômodas reações em certos estádios. Até o Eike Batista, que andava meio sumido, resolveu sugerir a adoção do ".bx". Sua proposta nem sequer foi analisada. Uma consulta popular pela internet, liderada pelos mineiros, acabou chegando ao nome Brasil do
Queijo. Tal resultado parece ter enfurecido o candidato Aécio e levou um dos Bolsonaros a ironizar: "Democracia demais resulta nessa 'beleza'."

Teste da bailarina: Se você vê a bailarina (centro) girando para direita,
você deve morar no Aecistão. Caso contrário, você deve habitar o Dilmistão.
(Dizem que os PMDBistas vêem a bailarina parada. Mas os Mythbusters
já descobriram que na verdade tais pessoas tem o dom
de vê-la girando para os dois lados. SIMULTANEAMENTE!
 [Imagem retirada de escrina.blogspot.com]
Foi nesse momento que o PMDB, surpreendentemente unido e coeso, fez uma declaração oficial: "Estão mexendo no meu queijo! Não deviam mexer em time que está ganhando." E resignado mas como sempre, resiliente, propôs se dividir em dois sub-partidos: O "PM", aderente ao sul, e o "DB", que iria participar de um governo de coalisão ligado ao norte.

As coisas não estavam muito melhores para os sulistas e sudestinos (assim chamados apesar de Minas e Rio estarem com Dilma). Sem muitas letras disponíveis, o alto tucanato contratou um especialista em marketing que após um Brainstorm entre as socialites paulistanas (sem participação de populares e com a cobertura especial de Amaury Jr.) O primeiro nome a surgir foi South Brazil, descartado por ".sb" já pertencer às Ilhas Salomão. A cúpula tucana, acabou fechando um entendimento que iria pegar o sufixo ".bp", sugerido pelos gaúchos (que tentavam emplacar o nome "Brasil dos Pampas") e decretou "Brasil Paulista" o nome oficial do novo país. Um senador partidário do Brasil Paulista ainda declarou: "Lembra também British Petroleum, o que pode angariar simpatia de investidores externos na hora de privatizar a exploração da costa capixaba."

Logo, Lula afinetou: "Falta de assembleias, dá nisso!"

Curiosamente, os mais unidos nesse momento histórico difícil e de angustiantes mudanças foram alguns dos fundadores dos partidos envolvidos que debandaram para o outro lado por acharem que as legendas traíram as plataformas originais. Todos eram unânimes em declarar que ambos os lados estavam cada vez mais parecidos.

Após a divisão, o New York Times levou 6 meses para perceber e noticiar com uma nota de rodapé na seção de classificados.

São problemas bobos transformados em tempestades que mal ocupariam um pires d´água? Sim. Talvez. Mas, o que se pode esperar de uma revolução feita às pressas nas mídias sociais? Montagens e memes infestando as redes a ponto de deixar a própria web mais lenta entre curtidas sem muita reflexão e Kkkkk´s. O ideal seria acordar e pensar que tudo isso não passou de um pesadelo motivado pelo efeito colateral do excesso de pururuca regada a energético misturado com álcool na balada da noite anterior. Que nosso país continua grande, forte e com uma enorme diversidade cultural e ambiental. Onde o pantaneiro escuta sertanejo universitário e o manauara ouve hip-hop. Ambos em português. Onde o potiguar vê apresentações de catira e o catarinense aprende a jogar capoeira. Onde o candango assiste o Flamengo enfrentar o Santos em pleno Estádio Nacional. Tudo sem precisar mostrar passaportes ou embaraços alfandegários.

Que todos possam se desenvolver nas cercanias onde nasceu e, se migrarem, que seja por motivos mais próximos aos fatores do topo da pirâmide de Maslow. E que jamais percamos nossa principal característica: a imensa capacidade de se miscigenar e a tolerância entre os desiguais. Um dos maiores desafios do século até mesmo das nações ditas mais civilizadas.

Alexandre Gomes

Fonte: Brasil Acadêmico  [Via BBA]

Comentários

BLOGGER

$hide=/p/valores.html

[/fa fa-cloud/ Nuvem de categorias]$hide=mobile

Nome

A divulgar Abelha Acessibilidade acessório Acidente Acidentes Acústica Adágios Adestramento Administração adulto Aerodinâmica Aeronáutica África Agência Brasil Agência Fiocruz Agência Porvir Agência Senado Agência USP Agricultura Agropecuária AIDS Alcoolismo Alemanha Alerta Algoritmo Alimento Alzheimer Amazon Amazônia América Latina Análise Combinatória Anatomia Android Animação Animais de Estimação Animal Antropologia Apicultura App Apple Apresentação aquário Argentina Arqueologia arquitetura Arte Astrobiologia Astrofísica Astronomia Ativismo Áudio Audio FX Áustria Autismo Auto-ajuda Automobilismo Automóvel aventura Aviação Aviônica Bahia Balonismo Banco de Dados Beber e Dirigir biblioteconomia Bicicleta Biografia Biologia Biologia Marinha bioquímica Biotecnologia Bitcoin Blog Blogger Boato Bomba borderô de desconto Botânica BRASA BRASA Leads Brasil Brasília BRIC Browser Bugs CAD Calor Câmera lenta Campanha cardiologia Carnaval carreira Cartografia Casemods Caso Isabella Nardoni Caso Snowden Ceará Celebridades celular Células-Tronco Cérebro Charge China Cibercultura Ciclovia Cidadania Ciência Cinema Clip Cliparts Cloud computing Coaching Comédia competência Complemento de dois Comportamento Computação Computação em grade Computação forense Computação Gráfica Computação Móvel Comunicação e Marketing Concurso Concurso Cultural de Natal Concursos Público Concursos Públicos Conectômica Conferência Congresso em Foco Conspiração Consumidor Consumismo contabilidade Contos Copa do Mundo Cordel Coreia do Norte Coreia do Sul Corpo Coruja cosmética Cosmologia Crash Course Criança Criatividade Crime Crime Digital crise crise econômica crônica crônicas Cronologia CSS Cuba Culinária Cultura Curiosidades custos fixo custos variáveis Dança DAO Darwin Davos Debate Decoração demência Demografia Denúncia Dermatologia Desastre Natural Descoberta desconto duplicatas Desenho instrucional Desenvolvimento de jogos Design Design Instrucional Destaque Dia das Mães Dia do professor diabetes Dicas Didática Dieta diplomacia Direito Direito Eleitoral Direito Internacional Direito Tributário Direitos Humanos Disney Distrito Federal Documentário Doutorado download Drogas Drone Dubai e-Book e-governo EBC Ecologia Economia Editoração Eletrônica Educação Educação a Distância Educação Corporativa educação física Educação sexual Efeitos Sonoros Egiptologia Eleições Eleições 2014 Eleições 2018 Eletricidade eletrônica Embrapa empreendedorismo enciclopédia endocrinologia Enem Energia Energia Alternativa Energia Nuclear Engenharia Engenharia Agrícola Engenharia Civil Engenharia de materiais Engenharia de Software Engenharia Genética Engenharia Mecânica Enretenimento Ensino a Distância Ensino Superior Entomologia Entretenimento Entrevista Entrevista. Epidemiologia Epistemologia Equador Escândalo Escritório Espaço Espanha Espanhol Espeleologia Espetáculo Espionagem Esporte Estação Estágio Estatísticas estrutura de dados Ética EUA Europa Evento Evolução Exercícios físicos Exobiologia experiência fábulas Facebook Farmacologia Favo Feminismo Férias Ferramentas FIFA Filantropia Filmes Filosofia Finlândia Firefox Física Física Quântica Fisiologia Fisioterapia Flagrante Flamengo Folclore Fome Fonética Fonoaudiologia Fotografia Fotos em 360 graus França Francês frases Fraude Freeware Futebol Futurologia gadget Gafe Gastroenterologia Gastronomia Geek Genética Geofísica Geografia Geologia Geometria geopolítica Gerenciamento do Tempo Geriatria Gestão de Competências Gestão de Configuração Gestão de Pessoas Gestão de Projetos Gestão do conhecimento Ginecologia Glass Google Governo GPS Gradiente gramática Gravidez Grécia Grécia Antiga Guerra Guerra Civil Guinness H2 Haiti hardware História HIV Hololens homenagem Horologia HPV HTML Humor Humor Negro IBGE IBM ICIJ Idioma IHC ilo ilusão ilusionismo Imagem 3D Imagens Imagine Cup Império Romano Imprensa Impressora 3D Imunologia Incêndio Inclusão digital Índia Índios Infectologia Infográfico Informática Inglaterra Inglês Inovação Inspiração Inteligência Artificial intercâmbio Interface Interfaces Hápticas Internacional Internacionalização da Amazônia Internet Internet das Coisas Inundação Invenção Inventos iPad IPEA iphone Irã Iraque Israel Japão Java Java. jogos Jogos educativos Jogos Olímpicos Jornalismo Justiça Kinect Le Monde Diplomatique Brasil Le Monde Diplomatique Brasil Letras Lexicografia Liderança Life Hacking Linguística Literatura Livro Lógica Logística Loterias Lua Maçonaria Malásia Malvinas Malware Mapa Mário Sérgio Conti Marte Mastologia Matemática Matemática Financeira maternidade Mecânica Mecânica dos Fluidos Mecatrônica Medicina Medicina Esportiva Medicina Veterinária Meio Ambiente Mel melanoma Memória memorização Mente Mercado de Trabalho mercosul Mestrado meteorologia Metodologia Científica México Microbiologia Microsoft Mídia Social Militar Mineralogia Mistério MIT Mitologia Mobilidade Mobilidade Urbana MonaVie Montanhismo Moodle Mossad Motivação Movimento Maker MSF Mudança Climática Mulher Multimídia museu Música MVC Nanotecnologia Nasa Natação Natal Natureza Negócios Netflix Neurociência Neurologia Nicolelis Nordeste Noruega notícias Novidades Novo Enem Números Nutrição Obama Obesidade Observatório da Imprensa Obstetrícia Oceanografia odontologia Offshore Leaks oftalmologia Olimpíadas oncologia ONU Opinião Óptica Oracle Oriente Médio Orkut Ornitologia ortografia Ortopedia Ótica Otorrinolaringologia Oxfam Pacifismo Paginadores paleontologia Paquistão Pará Paraguai parkinson Passeio virtual Patinação Pedagogia Pediatria Pensamentos performance Periférico Pesca Pesquisa Petição Petrobrás Petróleo Photoshop Pirataria planilha de custo Playstation 3 Plebiscito Pneumologia Podcast Poesia Poítica Politica Política Portugal português Pós-graduação prazo médio Pré-sal Prêmio Nobel primatologia Primeira Guerra Mundial privacidade produtividade professor Hamilton Alves Programa Gratuito Programação Projeção Mapeada Projeto Truco Promoção Propaganda Psicanálise Psicologia Psicologia Animal Psiquiatria Pública publicidade Publieditorial Quadrinhos Quads Qualidade Qualidade de Vida química realidade aumentada realidade diminuída Realidade Misturada Realidade Virtual Reconhecimento de imagem Reconhecimento de voz Recorde Redação redes Referência Referendo Reforma Política Reino Unido Relacionamento Relações Internacionais Religião Responsabilidade Social Retrospectiva Review Rio 2016 Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul robótica Roda Viva Roma roteiro RSA Rússia Samsung Sanitarismo Santa Catarina São Paulo Saúde Savant Segunda Guerra Mundial Segurança Segurança da Informação Seleção Natural Séries serviço Serviço Online Sexologia sexualidade Show SIGGRAPH Simulação Singularity University Síria Sismologia Sistema operacional Sistemas de Numeração Sites de Busca Sociedade Sociologia Software Software Livre Sol Sono Sony SOPA Star Wars Suécia Sugestão de presentes Sun supercomputadores Sustentabilidade Tabagismo Taiwan Talento precoce taxa de juros efetiva taxa de juros nominal Taxas Equivalentes Taxidermia Teatro Técnicas de Estudo Tecnologia Tecnologia da Informação TED TED-Ed TedMed TEDx TEDx Rio+20 TEDxAmazônia TEDxAsaSul Telefonia Televisão Temas Tempo Tendências Teologia teoria das supercordas Terremoto Terrorismo Testes Tipologia Tomada de Decisão tradução Trânsito transporte tributo Trigonometria Tubarão Tunísia Turismo Tutorial Twitter Uber UFC UFG ufologia UFRJ Unicamp UNIFESP universidade Universidade Corporativa Universidade de Cambridge Universidade de Michigan Urbanismo Urologia USP Utilidade Pública Utilitário Vale Vaticano Veículo Autônomo Ventriloquismo Verão vestibular Vestimenta Vida Digital Vida Moderna Vida Selvagem Videogame Vídeos Vídeos 360 Violência Vírus Visão Computacional Vôlei Vulcanologia Watergate Política WCIT 2016 WCIT 2017 Web 2.0 Web Application Web Semântica Web Seminar webdesign Webinar widget WikiLeaks Wikipedia Windows Xadrez YouTube Zika Zoologia
false
ltr
item
Brasil Acadêmico: A separação do Brasil
A separação do Brasil
http://4.bp.blogspot.com/-DM0wOlxqxLc/VFNG7JPZcqI/AAAAAAAAa7Q/ZKAUNycfx3M/s400/serranos.jpg
http://4.bp.blogspot.com/-DM0wOlxqxLc/VFNG7JPZcqI/AAAAAAAAa7Q/ZKAUNycfx3M/s72-c/serranos.jpg
Brasil Acadêmico
http://blog.brasilacademico.com/2014/11/a-separacao-do-brasil.html
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/
http://blog.brasilacademico.com/2014/11/a-separacao-do-brasil.html
true
3049085869098582068
UTF-8
Nenhuma artigo encontrado. VER TODOS Leia mais Responder Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTS Ver Todos Indicado para você CATEGORIA ARQUIVO BUSCA TODOS ARTIGOS Nenhum artigo corresponde ao critério procurado Ir para Início Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir Este conteúdo é PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para o clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy